Olimpíadas de Tóquio: ‘Não perdemos o voleibol’, Irvine Ngabeth dá as boas-vindas após o sucesso no Blues

Estas camisolas são fantásticas. À beira da derrota para a Argentina, recuperou a trocação com a vitória sobre a Rússia (3-1), porém liderou o resultado do segundo set, se reorganizou na terceira colocação do grupo e conquistou seu próprio destino nas mãos de esperar terminar entre os quatro primeiros, Sinônimo de qualificação para as quartas de final, antes da partida final contra o Brasil, no domingo. “Removemos o travão de mão”, resume o treinador Laurent Tilley. Entre os jogadores está um sorriso largo que não víamos desde o início da competição. Earvin Ngapeth é o primeiro a relaxar …

Como você se sente após esta segunda vitória em quatro jogos?

Irvine Ngabeth. Estamos felizes, conquistamos três pontos e acima de tudo deixamos continuar sonhando. Jogámos melhor, estivemos menos na reserva, desistimos e sabemos que é assim que jogamos melhor. Estou tão feliz. Não tínhamos mais nada a perder. Não foi a última chance, mas foi especialmente importante que jogássemos um jogo que se parecesse conosco em termos de estado mental.

Você tem dúvidas depois da derrota para a Argentina?

Finalmente, não há tempo para pensar nisso. Você tinha que vencer, só isso. Então, é claro, você olha para todos os cenários e fala muito. Dissemos a nós mesmos: Ao contrário de Ryo (nota do editor: foi eliminado no último jogo da equipe), temos nosso destino em mãos e cabe a nós ir buscá-lo. Obviamente, examinamos os cenários. Sabíamos que estávamos bem com três pontos. Também teremos que fazer uma boa partida contra o Brasil, com certeza. Mas demos um grande salto para a qualificação.

“Temos que estragar tudo”

Em um nível pessoal, você já se perguntou qual é o seu nível?

READ  Governo afirma que a confirmação da Copa América pelo Brasil ainda não aconteceu

Quando você não joga bem, você duvida. Fizemos bem o truque, estamos no nível … Quando você joga jogos como este, você relaxa. Você vê o sorriso, a alegria e o estado de espírito. Nós, é assim que devemos jogar. É uma vitória que definitivamente pode lançar nossa competição. Vemos que não perdemos nossa bola de vôlei, é só na cabeça. Temos que lidar com todas as partidas assim, em uma situação em que não temos nada a perder.

Tínhamos a impressão de que havia mais vida …

A sala é muito grande, não praticamos lá. A ausência do público é complicada. Como conversamos sobre isso entre nós. Esta noite havia mais barulho, fosse o pessoal no banco, os colegas na beira do campo. Casualmente, isso ajuda. Estávamos um pouco moles, mas parecia que estávamos fazendo isso em campo. Lá vamos nós, caos, barulho, loucura, parece o nosso.

Como você explica isso?

É uma questão de energia. Quando começamos a descer, cabe ao assento “empurrá-lo para trás”. Dissemos a nós mesmos: Temos que falhar porque é suave, não o estado de espírito que temos que fazer. É mais fácil.

Como na primeira partida que você perdeu para os EUA, teve que esperar antes de começar. Como você conseguiu isso?

O primeiro jogo nos ensinou como lidar com esse cenário. Esperamos, esperamos, ficamos juntos. Esperando para começar o aquecimento. Contra os Estados Unidos, não só isso, mas uma das coisas que nos levaram a isso. Nós o administramos mal.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *