Olimpíadas de Tóquio: ‘Não temos medo da Polônia’, disse Njabeth antes do Bairro Azul

Nós os vimos prontos para sair pela pequena porta, e eles voltaram pela janela. Na noite de terça-feira (14h30 na França), jogadores franceses de vôlei jogam uma partida olímpica das quartas-de-final contra a Polônia. Se os poloneses são os candidatos lógicos, Irvin Njabeth e seus colegas não pretendem perder a chance. Antes de entrar em terapia para se preparar para um dos grandes encontros da história do hexa-vôlei, o recebedor e o atacante foram gentis o suficiente para compartilhar o estado de espírito dos Blues.

Qual é o seu estado de espírito antes de jogar contra a Polônia?

Irvine Ngabeth. Estamos muito felizes por termos chegado às quartas de final. Depois disso, houve uma pequena dificuldade para me recuperar. Tivemos um pouco de prática na segunda-feira de manhã, nossos tratamentos e o vídeo … mal podemos esperar para voltar à luta. Houve estresse nos últimos dois jogos que se seguiram porque jogamos muito tarde (Nota do editor: Vitória sobre a Rússia) E cedo no dia seguinte (Nota do editor: a perda do desempate para o Brasil). É uma competição complicada, há grandes jogos a cada dois dias, mas são os jogos. Lutámos para nos classificarmos, mas estávamos prontos para isso.

Como você explica sua transformação durante as duas últimas reuniões?

É uma espécie de nossa história. Podemos derrotar a todos, mas também perdemos contra qualquer um. Podemos perder alguns jogos muito importantes, levantar e voltar. Estar de costas para a parede, sem nada a perder, nos libertou. Jogamos menos estressantes, nos divertimos e fizemos isso. Sabemos que é assim que se joga.

Mas você estava completamente paralisado no início da competição …

READ  Brasil | Parabéns atrasados ​​de Jair Bolsonaro para Joe Biden

Sim ! (Risos) Especialmente a maneira como tudo começou contra os americanos … realmente pensamos: Começa de novo! Todos nós dissemos isso. Conversamos sobre isso depois do jogo. Todos nós dissemos: P … em 0-5, ele é o mesmo contra os italianos há cinco anos. Então desistimos dos cavalos e as coisas vão muito melhor. A partida contra a Rússia nos ajudou muito. Vimos do que éramos capazes e conduzimos a partida contra os brasileiros com mais tranquilidade.

Houve um ponto de viragem em particular, uma discussão sobre salvadores como Handpuff Girls?

Não acho que tenha havido um momento crucial. Não falamos muito porque depois da partida contra os argentinos (Nota do editor: perda no desempate), Estamos realmente devastados. Houve uma pequena conversa acalorada onde todos estavam um pouco agitados e irritados. Depois de um dia de folga nas costas e ainda com a chance de sobreviver, pensamos que talvez fosse um sinal e aproveitamos.

Qual é o papel do treinador Laurent Tilley?

Ele nos disse: Pessoal, estamos todos no fundo do buraco mas ainda temos uma pequena chance, a maré pode virar, e temos que acreditar. Então você pensa sobre todo o trabalho que você fez, todos os sacrifícios, todas as bolhas de saúde que você tem e você não quer parar por aí. Aí você joga com a Rússia, a confiança volta e as dúvidas voam. E com o jogo que jogamos contra o Brasil no domingo, as baterias estão se recarregando.

É a abertura de um novo torneio?

Sim, este é um novo torneio e está começando com uma grande fatia. Obviamente, eles são os favoritos, mas não temos medo da Polónia e vamos jogar todo o nosso potencial. Vamos ver como vai. Com os poloneses a situação é sempre muito tensa. (sorri) Se vierem à procura de algum problema, também sabemos responder …

READ  Leon enfrenta dependência Paquita

Vocês se conhecem de cor. O que faz a diferença?

Existem apenas pequenas tendências que aparecem de acordo com as competições. Todos nós nos conhecemos muito bem e sabemos jogar uns contra os outros. É acima de tudo mental. Esses jogos são ganhos na cabeça, não no campo físico. Quem mais quer, quem luta, quem vence.

Você ainda tem espaço para melhorias?

Sabemos que fizemos um bom jogo contra os brasileiros, mas apesar disso, existem alguns pequenos detalhes que fazem pensar que podemos fazer muito melhor. é um bom presságio para o futuro …

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *