Os clubes brasileiros dominam na chegada da Copa Libertadores às quartas-de-final

Os clubes brasileiros dominam na chegada da Copa Libertadores às quartas-de-final

Depois de ganhar o ouro olímpico no Japão no sábado, Dani alves A previsão é de entrar em campo nesta terça-feira, nas quartas de final da Copa Libertadores, da Liga dos Campeões da América do Sul.

Não há certeza de que ele jogará – as relações entre Alves e São Paulo estão tensas no momento por causa dos salários não pagos. Mas os fãs do clube certamente esperam que ele apareça no maior jogo do ano do clube até agora – e ainda em um clássico local. Os adversários são o atual campeão Palmeiras, que pode muito bem incluir Gabriel boy, companheiro e reserva de Alves na Seleção Olímpica.

Sob o comando do técnico argentino Hernan Crespo, o São Paulo encerrou uma longa espera pelo título no início deste ano ao vencer o campeonato estadual local, onde derrotou o Palmeiras, mas em um nível diferente. Os triunfos do São Paulo na década de 1990 proporcionaram ao clube uma relação privilegiada com a Libertadores, enquanto o combativo, organizado e competitivo Palmeiras de Abel Ferreira não abrirá mão do título sem luta.

– Transmita ESPN FC Daily no ESPN + (apenas nos EUA)
– Vickery: a conquista olímpica de Cunha é melhor que ouro

Essas duas rodadas – a segunda mão é no estádio do Palmeiras na próxima terça-feira – certamente não serão bonitas. A profundidade da rivalidade local significa que eles podem muito bem gerar mais calor do que luz. Mas mesmo sem a presença de torcedores, devem ser ocasiões de intensidade memorável.

E é claro que há a certeza de uma seleção brasileira nas semifinais. Na verdade, há mais do que uma possibilidade de que os quatro semifinalistas venham do Brasil.

READ  após uma pancada na cabeça, ele percebe que viveu 4 dias com uma bala no cérebro

O país forneceu cinco das últimas oito equipes restantes. Seriam seis se o Internacional tivesse transformado sua superioridade em gols e vencido a disputa de pênaltis contra o Olímpia do Paraguai.

A rodada anterior – estagnada entre a Copa América e as Olimpíadas – deu às seleções brasileiras uma vantagem insana. Eles estavam em ritmo competitivo, enquanto todos ainda estavam na pré-temporada. De fato, as seleções brasileiras têm sido generosamente recompensadas por terem um calendário de clubes que não respeita as datas da FIFA.

Era tudo tão desnecessário. Há um intervalo de dois meses entre as semifinais no final de setembro e a final no final de novembro. Não houve necessidade de apressar o início da fase a eliminar em julho.

Diante de tal cenário, não foi surpresa que os brasileiros se classificassem em massa. Eles já têm uma vantagem financeira, como se viu no encontro do Atlético Mineiro com o argentino River Plate.

O Atlético tem o veterano Hulk, que viu um desabrochar tão tardio como atacante que alguns têm defendido seu retorno à seleção nacional. Eles também tem Imagem de Eduardo Vargas placeholder da seleção chilena da Copa América, Jefferson Savarino da Venezuela e meio-campista Alain Franco do Equador. E depois há alguns argentinos – Matias Zaracho e, acima de tudo, o craque Nacho Fernandez.

Até o final do ano passado, Fernandez era um marco na margem ribeirinha de Marcelo Gallardo. Mas ele foi puxado para o norte, e River não estava do mesmo lado sem ele. O Atlético entra no confronto como favorito, e será interessante ver o que o sempre astuto Gallardo pode inventar em circunstâncias difíceis.

READ  Futsal: França - Brasil como cartaz de prestígio no Toulon Sports Palace no início de abril

Apesar da derrota em casa pelo campeonato brasileiro no domingo, a primeira sob o comando do novo técnico Renato Portaluppi, o Flamengo é o grande favorito contra o Olímpia. Os paraguaios precisarão de toda a sua reconhecida resistência para conter os fantásticos quatro Flamengo de Gabriel Barbosa, Bruno Henrique, Giorgian De Arrascaeta e Everton Ribeiro. Eles podem estar vulneráveis ​​ao contra-ataque – a equipe que conquistou o título em 2019 nunca substituiu adequadamente o zagueiro espanhol Pablo Mari. E o técnico do Olímpia, Sergio Orteman, baixou a idade do plantel durante a competição, concluindo após uma derrota por 6 a 1 para o Internacional na fase de grupos que seria difícil travar os brasileiros. Uma vitória paraguaia seria, portanto, uma grande surpresa.

E a ação termina na quinta-feira com as únicas duas seleções restantes que ainda não conquistaram o título se enfrentam – embora o brasileiro Fluminense e o equatoriano Barcelona tenham chegado à final.

Fluminense tem mix de veteranos – centroavante da Copa 2014 Fred e craque de 40 anos Nenê – com os produtos mais recentes da bem-sucedida estrutura de desenvolvimento juvenil do clube. E Barcelona é particularmente interessante. Sem a vantagem da altitude – eles são do porto de Guayaquil – são os primeiros fora do Brasil e da Argentina a chegar às quartas de final pela segunda vez desde que o formato anual foi introduzido em 2017. E também têm um registro recente esplêndido contra adversários brasileiros. O sucesso deles se baseia em um padrão de jogo característico do futebol equatoriano recente, que atingiu bem acima de seu peso. Eles usam toda a largura do campo, usando laterais e laterais atléticos, e têm um talentoso craque – Damian Diaz ou Gabriel Cortez – para puxar as cordas. Eles podem ser atraentes à vista, mas podem ter dificuldade em lidar com o contra-ataque do Fluminense. Mas será fascinante ver se o Barcelona sul-americano pode ganhar as manchetes ao esmagar a festa brasileira.

READ  No Brasil, uma lei escrita por inteligência artificial aprovada sem saber por autoridades eleitas em Porto Alegre

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *