Os europeus terão que se acostumar: com Biden também, os EUA serão os primeiros

sim claroO presidente francês Emmanuel Macron respondeu à pergunta feita por jornalistas durante a cúpula do G7 no País de Gales, em junho.

Com todos os sorrisos do lado do presidente dos EUA, o chefe de Estado francês parecia convencido de que Joe Biden tinha vindo para tranquilizar seus aliados. Após quatro anos de relações difíceis sob o governo Trump, os Estados Unidos prometeram mais uma vez priorizar o pluralismo e as alianças tradicionais.

Poucas semanas depois, foi a vez do secretário de Estado dos Estados Unidos, Anthony Blinken, um francófono que cresceu em Paris, fazer uma viagem pela Europa. A América não tem melhor amigo no mundo do que a AlemanhaEle disse durante uma escala em Berlim.

Cerca de dois meses após esta operação encantadora, a administração de Washington da questão afegã levantou questões na Chancelaria Europeia sobre esta Casa Branca que lhes prometia relações melhores.

Acho que é um segredo aberto que foi mal recebidodiz Roland Freudenstein, diretor de política do Centro Wilfried Martens de Estudos Europeus em Bruxelas.

A chanceler alemã, Angela Merkel, participa da reunião virtual do Grupo dos Sete.

Foto: BPA / Postado via REUTERS / GUIDO BERGMANN

Esta semana, os governos da França, Alemanha e Reino Unido apresentaram um pedido aos Estados Unidos: manter as forças americanas no Afeganistão além do prazo de 31 de agosto, a questão de enquadrar a difícil evacuação do aeroporto de Cabul.

Esses apelos europeus não se concretizaram. O presidente Biden reiterou seu objetivo: os militares dos EUA deixarão o território afegão em 31 de agosto se o Taleban permitir que os EUA concluam a campanha de evacuação.

READ  Espionando funcionários eleitos | Nancy Pelosi quer ouvir no Congresso os procuradores-gerais de Trump

Você tem europeus indefesos, nota o ex-embaixador da França nos Estados Unidos, Gérard Araud, que afirma que, apesar do tom mais caloroso, o presidente Biden não se comprometeu concretamente com uma parceria maior com seus aliados transatlânticos.

A política externa de nenhum país depende de um presidente. Obama, Trump e Biden, existe uma continuidade básica. Obviamente, o jeito está mudandoAcrescenta o ex-diplomata, invocando a vontade dos Estados Unidos Então não seja o policial do mundo.

Política externa impulsionada pela política interna

Se Joe Biden foi duramente criticado tanto no exterior quanto em casa por ter lidado com a retirada das tropas do Afeganistão, a decisão de acabar com a presença militar naquele país, ideia até então defendida por Donald Trump, continua a ter o apoio da maioria dos a população americana.

Por exemplo, uma pesquisa da Suffolk University foi realizada em nome de EUA hoje, esta semana mostrou que se apenas 26% dos entrevistados concordassem com a forma como o governo Biden lidou com o arquivo, então 53% deles apoiaram a saída das forças americanas do Afeganistão.

Talvez algumas elites queiram ver os Estados Unidos como o líder do Ocidente, mas na realidade os americanos são isolacionistas, egocêntricos e isso não mudará.Joseph de Week, pesquisador do Foreign Policy Research Institute, explica.

Segundo ele, esse episódio lembra os países europeus que, se quiserem, devem levar os meios necessários para isso. Conduzir políticas independentes e tomar suas próprias decisões.

No entanto, segundo Roland Freudenstein, do Wilfrid Martens Center for European Studies, sem aumentar seus orçamentos de defesa, os líderes europeus não poderiam passar sem o apoio dos EUA, apesar de alguns dos discursos críticos a Washington.

READ  Senator Johnson slams Chuck Todd for displaying "really rude, unprofessional" in an "interview with the press"

É absurdo dizer que não podemos confiar nos americanos e temos que nos defender. boa sorte com isso; Não funciona, Ele diz.

Embora testada recentemente, a cooperação transatlântica continua a ter interesse, em particular para gerir as relações com a Rússia e a China, mas também para combater as alterações climáticas.

No entanto, as últimas semanas na Europa nos lembraram que, se o rosto e o tom mudarem, a mensagem que vem do outro lado do Atlântico é a mesma: a América estará em primeiro lugar; Estados Unidos primeiro.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *