“Para provar que nossos atletas não merecem vencer no Rio”, disse Ibrahim Aslum após denúncias do Relatório McLaren.

No Rio 2016 como em Tóquio em 2021, Ibrahim Asloum ficou na primeira fila após as lutas de boxeadores franceses nos Jogos Olímpicos. O campeão olímpico de 2000, assessor olímpico da TV France, dá uma olhada nas primeiras conclusões do Relatório McLaren, publicado quinta-feira, 30 de setembro, que põe em causa a arbitragem durante algumas lutas de boxeadores franceses no Brasil. Em um esporte olímpico em que abundam as suspeitas de corrupção, ele até faz uma sugestão simples para acabar com as suspeitas.

Franceinfo sport: Você sabia da suspeita de fraude?

Ibrahim Asloum : As suspeitas de efeitos especiais não remontam a ontem. Na minha memória, temos que voltar a Christoph Mendy nos Jogos de Atlanta de 1996, que viu sua medalha omitida em uma rebatida abaixo da cintura que não existia.

Este relato é bom porque são os atletas que sofrem as consequências injustas dessas polêmicas quando não participam delas. Para mim, vale a pena publicar o relatório. Agradeço ao senhor deputado McLaren, embora esteja tão focado nos franceses quando não está. Se a França sempre se apresentasse nos Jogos, não teria nenhuma vantagem.

Sabemos que o boxe está ligado à autonomia humana. A França foi injustiçada no passado, como em 2008 e 2012 com Alexis Fastine (sua carreira olímpica foi interrompida em Pequim e Londres devido a duas decisões de arbitragem disputadas). Mas essas reclamações não funcionaram. Sempre clamamos contra o roubo, contra a injustiça, mas nunca fomos ouvidos. A última disputa até agora: a discussão nas Olimpíadas de Tóquio com o júri sobre a batalha de Murat Aliyev. Se o erro de arbitragem foi aceito, o painel não anulou a decisão. Pedimos ao CNOSF que nos ajudasse e recebemos apoio, mas não funcionou.

READ  Lenda brasileira esmaga Neymar 'Ele nunca terá a Bola de Ouro'

O que você acha do relatório da McLaren?

O relatório é legítimo. Houve roubos em todas as Olimpíadas. Os juízes de boxe sempre foram criticados. No Rio, a França não tem do que reclamar. Em 2016, vencemos batalhas e merecemos vitórias. Vamos mostrar evidências de que nossos atletas não merecem vencer.

Não controlamos o momento do relatório, mas é melhor chegar atrasado do que não. Os ingleses estavam zangados conosco. Daí para dizer que eles estão por trás desse relatório e o empurraram, não sei. No Rio, as lutas foram equilibradas e quero dizer que as autoridades e os atletas franceses não tiveram nenhum papel. Mas eles estabeleceram a associação com o gerente geral francês.

Quando somamos “ os cinco atletas que participaram de Tóquio, os cinco provavelmente seriam os vencedores de medalhas. Todas as batalhas foram acirradas: poderiam ter mudado de um lado para o outro, mas não fomos favorecidos pela falta de avisos que seus oponentes teriam recebido.

Segundo John Duffy, é importante ter franceses em organismos internacionais. Esta é uma nota que você compartilha?

O efeito é crítico. A Federação Internacional de Boxe limpou depois do Rio, mas apenas os franceses foram desclassificados. No entanto, a França também foi negligenciada em Tóquio, enquanto o torneio foi organizado por um comitê dirigido pelo Comitê Olímpico Internacional e não mais pela Federação Internacional de Boxe (AIBA).

Quem se beneficia com o crime? Quem põe dinheiro no bolso? França não. Temos poder e recursos financeiros que não temos. Fora do ringue, não controlamos absolutamente nada. O relatório tem o mérito de estar lá mas depende, sem provas.

Que solução deve ser adotada para evitar essas disputas?

READ  Gabriel Karl e Evelyn vêm se apresentar com a Seleção | Esportes o sol

Não estou no centro do sistema, mas me pergunto: por que não usamos o vídeo com o sistema de luvas conectado? Devemos investir nessa nova tecnologia que pode tirar dúvidas sobre todas as batalhas e evitar todas as disputas. Ainda estamos na classificação humana, mas usamos a tecnologia para confiar em estatísticas e fatos. Por que isso não foi feito? Nossos líderes em nível internacional não fizeram nada.

Não era possível 15 anos atrás, mas seria fácil hoje. Infelizmente, não podemos voltar ao passado, mas podemos melhorar as coisas em competições futuras. Temos três anos para nos preparar para as Olimpíadas de Paris. Seria uma solução tangível para avançar para mais transparência, como o uso do escudo de tórax associado ao taekwondo. Precisamos parar de reclamar e agir para que possamos falar de boxe de forma diferente no futuro.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *