Pesquisadores chineses propõem transformar asteróides “Armageddon” com mísseis

Pesquisadores chineses propõem transformar asteróides "Armageddon" com mísseis

Um modelo do foguete Longa Marcha-5 Y5 do programa de exploração lunar da Missão Chang’e-5 da China é exibido em uma exposição dentro do Museu Nacional em Pequim, China, 3 de março de 2021. REUTERS / Tingshu Wang / Arquivo de foto

PEQUIM (Reuters) – Pesquisadores chineses querem enviar mais de 20 dos maiores foguetes da China para praticar a deflexão de um grande asteróide, uma técnica que pode ser crucial se as pedras assassinas estiverem em rota de colisão com a Terra.

A ideia é mais do que apenas ficção científica. Em algum momento entre o final de 2021 e o início de 2022, os Estados Unidos lançarão uma espaçonave robótica para interceptar dois asteróides relativamente próximos da Terra.

Quando ele chegar, um ano depois, a espaçonave da NASA pousará no menor dos dois corpos rochosos para ver o quanto o caminho do asteróide mudou. Seria a primeira tentativa da humanidade de mudar a trajetória de um corpo celeste.

No Centro Aeroespacial Nacional da China, os pesquisadores descobriram em simulações que os lançamentos simultâneos de 23 foguetes Longa Marcha 5 poderiam desviar um grande asteróide de seu curso original em 1,4 vezes o raio da Terra.

Seus cálculos são baseados em um asteróide chamado Bennu, que orbita o sol e é quase tão largo quanto o Empire State Building. Pertence a uma classe de rochas que podem causar danos regionais ou continentais. Asteróides com mais de um quilômetro de extensão terão consequências globais.

O Science Center citou um estudo publicado recentemente no Icarus, um jornal sobre ciências planetárias.

Os foguetes do Longo 5 de Março são fundamentais para as ambições espaciais de curto prazo da China – desde a entrega de módulos de estações espaciais ao lançamento de sondas para a Lua e Marte. A China lançou com sucesso seis mísseis Longa Marcha 5 desde 2016, o último dos quais causou alguns problemas de segurança Seus restos voltaram à atmosfera em maio.

READ  As fotos redesenhadas revelam o quão longe Alan Shepard acertou uma bola de golfe na superfície da lua

“A proposta de manter o estágio superior de um foguete de lançamento em uma espaçonave guiando, e ter um ‘grande colisor cinético’ desviar um asteróide, é um conceito bastante fascinante”, disse o professor Alan Fitzsimmons do Centro de Pesquisa Astrofísica da Queen’s University em Belfast.

“Ao aumentar a massa que atinge o asteróide, a física simples deve garantir um efeito muito maior”, disse Fitzsimmons à Reuters, embora tenha acrescentado que a operação real de tal missão precisa ser estudada em mais detalhes.

O professor Gareth Collins, do Imperial College London, disse que as estimativas atuais mostram que há cerca de 1% de chance de que um asteróide de 100 metros de largura atinja a Terra nos próximos 100 anos.

“Algo do tamanho de uma colisão Bennu é 10 vezes menos provável”, disse Collins.

Os cientistas dizem que mudar o caminho do asteróide representa um risco menor do que detonar a rocha com explosivos nucleares, que podem criar fragmentos menores sem alterar seu curso.

Reportagem de Ryan Wu. Reportagem adicional de Liangping Zhao. Edição de Jerry Doyle

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *