Polícia de Nova York termina com um cão robô assustador

(New York) La police de New York se passera de robot-chien: elle a confirmé jeudi à l’AFP avoir mis un terme à son contrat avec la société Boston Dynamics, qui fabrique ces engins, dont l’utilisation avait inquiété une partie população.


France Media

John Miller, chefe da inteligência da polícia de Nova York e contraterrorismo, disse O jornal New York Times Que o cão será devolvido ao Boston Dynamics, e que a decisão está atrelada ao robô se tornar um “alvo” para seus oponentes.

O contrato estava inicialmente programado para expirar em agosto.

A polícia obteve uma cópia alugada do robô no ano passado. “Este cão salvará vidas, protegerá pessoas, protegerá clientes, e esse é o nosso objetivo”, disse Frank DiCiacomo, Diretor de Assistência Técnica para Intervenções de Campo, no capítulo local da ABC em dezembro.

Esses robôs, cujo modelo padrão é denominado Spot pela Boston Dynamics, são capazes de navegar em terrenos acidentados, evitando obstáculos, fotografando e reunindo informações sobre seus arredores. Eles também podem ser equipados com um braço móvel, preso ao local onde está a cabeça de um cachorro de verdade, o que não acontecia na versão NYPD.

Em fevereiro, durante uma intervenção policial, um cão mecânico foi enviado para explorar um prédio no Bronx após receber uma ligação indicando que um ladrão havia se escondido em um apartamento.

Nada foi encontrado lá, mas as imagens causaram alvoroço, e algumas apontaram para o perigo que este robô pode representar como uma ferramenta de vigilância potencial.

READ  escassez de combustível | Londres pede ao exército para preparar

O quadriciclo, oferecido pela Boston Dynamics por US $ 74.500, foi visto novamente em meados de abril, em Manhattan, durante a tomada de reféns, durante a qual não foi usado. Vídeos do cachorro andando na calçada geraram a mídia social mais uma vez.

Foi então considerado por alguns como um exemplo de métodos considerados agressivos pelo Departamento de Polícia de Nova York, especialmente em relação às minorias, em que a interferência ocorreu em uma unidade de habitação pública.

Quanto a John Miller, em entrevista a O jornal New York TimesEssas críticas eram injustificadas, mas “as pessoas encontraram as pequenas frases e a linguagem que as tornam más”.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *