Por que músicas tristes são boas: o paradoxo emocional da música

resumo: Um novo estudo explora por que ouvir música triste pode ser agradável. A pesquisa incluiu 50 estudantes de música que descobriram que remover o elemento de tristeza da música escolhida reduzia o seu prazer, sugerindo uma ligação direta entre tristeza e prazer.

Este fenómeno, descrito como um paradoxo em que as emoções negativas melhoram a experiência musical, desafia os pressupostos anteriores de que a tristeza na música é apenas indiretamente apreciada através de sentimentos de vulnerabilidade. O estudo sugere que experimentar uma variedade de emoções através da música num ambiente seguro pode ajudar-nos a navegar pelas emoções do mundo real.

Principais fatos:

  1. 82% dos participantes relataram diminuição do prazer com a música quando o componente tristeza foi removido, indicando prazer direto com a tristeza na música.
  2. O estudo utilizou uma abordagem inovadora ao permitir que os participantes escolhessem músicas que evocassem tristeza, reforçando a importância das descobertas.
  3. Teorias anteriores presumiam que o prazer da música triste vinha indiretamente através do afeto, mas este estudo sugere que a própria tristeza aumenta o prazer da música.

fonte: Universidade de Nova Gales do Sul

Um novo estudo propõe uma nova teoria sobre por que ouvir música triste nos faz sentir mais felizes.

Muitas pessoas dizem que a música que amam também pode deixá-las tristes. É algo que tem intrigado os pesquisadores musicais, que há muito se perguntam como uma atividade que produz emoções negativas pode ser tão procurada.

Agora, um novo estudo sugere que, para alguns de nós, podemos realmente gostar da tristeza. Pesquisa publicada na revista Um maisSugere-se que as emoções negativas que sentimos ao ouvir música podem produzir prazer.

“Em outras palavras, a emoção provoca tristeza, e a tristeza provoca emoção.” Crédito: Notícias de Neurociências

“É um paradoxo pensar que você pode desfrutar de algo que o faz sentir emoções negativas”, diz o professor Emery Schubert, autor do estudo do Laboratório de Musicologia Experimental da Escola de Artes e Mídia da Universidade de Arte, Design e Arquitetura de Nova Gales do Sul.

READ  O sono melhora a memória com menos energia

“Mas esta pesquisa mostra a primeira evidência experimental de que a tristeza pode impactar positivamente o prazer musical, diretamente.”

Além de curtir a música

Neste estudo, 50 participantes – a maioria deles estudantes de graduação em música – escolheram uma música que evocava tristeza de que gostaram, que incluía clássicos de Ludwig van Beethoven até canções modernas de Taylor Swift. Eles não foram explicitamente instruídos a escolher músicas nas quais gostassem de ficar tristes.

Os participantes foram então convidados a imaginar se seria possível “tirar” a tristeza ouvindo música, o que a maioria relatou que conseguiria fazer.

“Sabemos que muitas pessoas são bastante habilidosas quando se trata de experiências mentais, por isso utilizá-las é uma abordagem sensata e, na pior das hipóteses, não deverá produzir resultados”, diz o professor Schubert.

Após a remoção imaginada da tristeza, perguntou-se aos participantes se gostavam da música de forma diferente: 82% disseram que remover a tristeza reduziu o seu prazer com a música.

“Os resultados sugerem que a tristeza que sentimos ao ouvir música pode, na verdade, ser agradável e aumentar o prazer de ouvi-la”, diz o professor Schubert.

O professor Schubert diz que pode haver muitas razões pelas quais as pessoas gostam de música que as deixa tristes.

“Uma explicação tem a ver com a brincadeira”, diz o professor Schubert. “Experimentar uma ampla gama de emoções num ambiente bastante seguro pode ajudar-nos a aprender como lidar com o que encontramos no mundo.”

Tristeza e “afeto”

O artigo também discute as implicações dos resultados de estudos anteriores que sugerem que a tristeza não pode ser experimentada ao ouvir música, mas é mediada por um sentimento complexo com aspectos positivos denominado “afeto”.

“Estudos anteriores apontam para a 'hipótese do efeito indireto', o que significa que as pessoas podem sentir-se tristes, mas desfrutar de outra coisa – o afeto”, diz o professor Schubert. “Porque a vulnerabilidade é um sentimento misto de aspectos positivos e negativos.”

READ  SpaceX lança foguete Falcon 9 do Cabo Canaveral com 23 satélites Starlink – Spaceflight Now

Outros 53 participantes de um grupo de controle foram convidados a relatar que música eles gostavam e consideravam “influentes”. Os participantes do grupo de controle relataram sentir-se tristes e também emocionados.

“Anteriormente, pensava-se que quando as pessoas se sentiam tristes em resposta à música que apreciavam, na verdade sentiam-se afetadas”, diz o professor Schubert. “Mas os resultados deste estudo indicam que o afeto e a tristeza têm significados sobrepostos.

“Em outras palavras, a emoção provoca tristeza, e a tristeza provoca emoção.”

limites de pesquisa

Algumas limitações do estudo referem-se a permitir que os próprios participantes escolham as peças musicais.

“É sempre arriscado pedir aos participantes que escolham uma música de que gostem e que os deixe tristes, porque isso pode dar-lhes um sinal sobre o objetivo do estudo”, afirma o professor Schubert.

“Mas tomamos medidas para minimizar isso em nosso método, incluindo não mencionar as preocupações do estudo durante o recrutamento, triagem de parcelas auto-selecionadas e ter uma condição de controle.”

Os métodos nos quais os experimentadores selecionam a música (nos quais se basearam principalmente estudos anteriores) também têm limitações que pesquisas futuras podem abordar.

“A principal limitação em estudos anteriores é que os experimentadores escolhem a música ‘triste’ em vez dos participantes, o que significa que os participantes podem não necessariamente ‘gostar’ das peças musicais”, diz o professor Schubert.

“Portanto, pesquisas futuras devem incluir um número maior de participantes para garantir que ocorra gosto suficiente pelas peças.”

Sobre notícias de pesquisa em música, emoção e psicologia

autor: Ben Cavaleiro
fonte: Universidade de Nova Gales do Sul
comunicação: Ben Knight – Universidade de Nova Gales do Sul
foto: Imagem creditada ao Neuroscience News

READ  Cientistas russos alertam para forte atividade de explosão solar na segunda-feira

Pesquisa original: Acesso livre.
Amar música com e sem tristeza: Testando a hipótese de efeito direto de emoção negativa agradável“Por Imre Schubert et al. Um mais


um resumo

Amar música com e sem tristeza: Testando a hipótese de efeito direto de emoção negativa agradável

As emoções negativas evocadas nos ouvintes de música podem produzir um prazer intenso, mas não entendemos completamente o porquê.

O presente estudo abordou essa questão pedindo aos participantes (n = 50) que selecionassem uma peça musical que provocasse tristeza e fosse apreciada. A parte principal do estudo pediu aos participantes que imaginassem a possibilidade de afastar a tristeza que sentiam.

Os participantes geralmente relataram ter realizado a tarefa com sucesso. Eles também indicaram que a remoção da tristeza reduziu o gosto pela música, e 82% dos participantes relataram que a tristeza induzida também aumentou o prazer pela música.

O estudo forneceu evidências para a “hipótese do efeito direto”, que se baseia no modelo multicomponente da emoção, onde um componente da emoção negativa é vivenciado como positivo durante experiências musicais (e outras experiências estéticas).

Evidências anteriores de um meio, como o “movimento”, como fonte de prazer foram reinterpretadas à luz das novas descobertas.

Em vez disso, o presente estudo aplicou uma interpretação de interferência semântica, argumentando que a tristeza estimula emoções que compartilham significado com a tristeza, como o afeto. A introdução é feita se a sobreposição de significado for suficiente. O grau de sobreposição semântica foi determinado experimentalmente.

O presente estudo sugere, portanto, que as interpretações baseadas em mediadores precisam ser tratadas com cautela, tanto como resultado do estudo quanto devido a limitações analíticas em pesquisas anteriores discutidas neste artigo.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *