Presidente Dilma Rousseff viaja para o exterior

Presidente Dilma Rousseff viaja para o exterior
Brasília (AFP)-O Brasil está a entrar numa das semanas mais cruciais da sua jovem história democrática, que provavelmente verá a Presidente Dilma Rousseff ser retirada do poder, dois anos e meio antes do final do seu segundo mandato.

No auge da crise política que assola o maior país da América Latina, os senadores foram convocados na quarta-feira para decidir por maioria simples o início do julgamento de impeachment da primeira mulher presidente do Brasil sob a acusação de ocultação de contas públicas.

O impopular líder esquerdista, um ex-guerrilheiro que foi torturado durante a ditadura militar, será então afastado do poder por um período máximo de 180 dias enquanto se aguarda a decisão final dos senadores.

O resultado da votação, marcada para quinta-feira, praticamente não deixa dúvidas: cerca de cinquenta senadores dos 81 anunciaram a intenção de votar a favor do início do julgamento.

A menos de três meses do início dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 5 de agosto, mais de 200 milhões de brasileiros estão envolvidos nas contínuas vicissitudes da crise política e no enorme escândalo de corrupção da Petrobras que agora afeta quase todo o país. A elite política do país.

A capital, Brasília, testemunha o fim do seu domínio. Os ministros arrumam as suas caixas. O Parlamento está paralisado.

Durante vários dias, a agenda de Dilma Rousseff limitou-se à cerimônia de entrega da habitação social, durante a qual ela sempre afirmou ser vítima de um “golpe parlamentar”.

Seu ex-aliado, o vice-presidente Michel Temer (75 anos), se prepara para assumir a presidência interina, depois de encurralar Dilma ao pressionar seu partido, o Partido Grande Centrista (PMDB), a fechar as portas do governo no final de março. .

READ  Gabriel Jesus evoca a ausência de Neymar

Dança contínua de veículos oficiais, negociações: parece que o centro do poder já se mudou para a sua residência em Gaboro, a poucos quilómetros do palácio presidencial do Planalto.

Temer está a trabalhar para melhorar a composição do governo de recuperação económica que os mercados têm aguardado ansiosamente: cortes orçamentais e reformas no sistema de pensões e na legislação laboral.

A sétima maior economia do mundo está a sofrer a pior recessão em décadas desde 2015, num contexto de dívida elevada, défice público e desemprego.

– “Usurpador do poder” –

“O que está em jogo é uma eleição indireta disfarçada de impeachment. “Os usurpadores do poder, incluindo infelizmente o senhor vice-presidente, são cúmplices de uma ação muito perigosa”, denunciou Dilma Rousseff na sexta-feira, descartando qualquer renúncia.

“Se eles querem fazer um julgamento político sobre o meu governo, deveriam recorrer ao povo brasileiro e não à responsabilização”, disse ela no sábado, sugerindo a convocação de novas eleições, o que exigiria uma improvável emenda à Constituição.

A oposição acusa-o de cometer um “crime de responsabilidade” ao cobrar aos bancos públicos despesas governamentais para esconder a dimensão do défice orçamental, em 2014, ano da sua reeleição, e em 2015, bem como ao aprovar despesas adicionais pelo decreto de 2015 sem obter aprovação prévia do Parlamento.

Em 17 de abril, os deputados aprovaram por esmagadora maioria as medidas de impeachment contra o presidente.

– Corrupção pública –

Cerca de 60% dos brasileiros querem a saída de Dilma Rousseff, segundo as últimas pesquisas de opinião.

Mas há igualmente muitas pessoas, como o profundamente impopular Michel Temer, a quem se atribui apenas 1 a 2 por cento das intenções de voto no caso de eleições presidenciais, que querem eleições antecipadas.

READ  Em meio a uma crise de saúde, Bolsonaro nomeou seu quarto ministro da saúde

Dilma Rousseff não é acusada de corrupção pessoal. Mas dúvidas cercam as finanças de sua campanha. O Ministério Público pediu a abertura de uma investigação contra ele, alegando que ele tentou obstruir a investigação de casos de peculato no grupo petrolífero público Petrobras.

No entanto, várias figuras do seu Partido dos Trabalhadores são directamente visadas, principalmente o seu mentor político, o antigo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010).

O escândalo também afetou gravemente o partido PMDB do vice-presidente Temer.

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, terceira pessoa do estado e estrategista do processo de impeachment de Dilma Rousseff, foi suspenso de suas funções nesta quinta-feira pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O primeiro no Brasil.

Este legislador ultraconservador, arquiinimigo do presidente, que aguarda julgamento por acusações de corrupção perante o Supremo Tribunal, foi demitido por obstruir as investigações parlamentares e judiciais que o visavam no caso Petrobras.

O nome do Sr. Tamer também foi mencionado, mas ele não é objeto da investigação nesta fase.

Mas um tribunal de São Paulo multou-o por violar a lei de financiamento de campanha. Ele corre o risco de ser declarado inelegível.

Vice-presidente brasileiro Michel Temer em Brasília em 27 de abril de 2016
Principais atores da crise brasileira
Principais atores da crise brasileira

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *