Quem é Glauber Rocha, cineasta e revolucionário?

Quem é Glauber Rocha, cineasta e revolucionário?

Por ocasião da estreia nos cinemas de seu deslumbrante filme O Deus Negro e o Diabo Loiro (1964), uma retrospectiva da carreira e obra da figura central do Cine Novo brasileiro.

Sem dúvida, hoje é difícil avaliar a aura que Glauber Rocha tinha na década de 1960. Porque o autor de um livro O deus negro e o demônio loiro Ele não foi apenas a figura central do Cinema Nouveau, o equivalente brasileiro da Nouvelle Vague francesa, mas também foi, e talvez acima de tudo, seu profeta.

Nascido em Vitória da Conquista, pequena cidade do estado da Bahia, em 1939, Glauber Rocha se destacou em meados da década de 1950 no Clube de Cinema de Salvador da Bahia, capital deste enorme estado. Nordeste do Brasil. Muito activo a partir dessa altura, o futuro cineasta descobriu o grande cinema soviético, do qual herdou o gosto pelo formalismo, bem como os grandes filmes sociais americanos de John Ford e King Vidor, que alimentariam o seu pensamento social. Desde 1957, o grupo de cineastas que seriam os responsáveis ​​pela explosão do Cine Novo formou-se em torno de Nelson Pereira dos Santos, que já atuava desde meados da década. É natural que Glauber Rocha se junte a esta comunidade, que lembra a sociedade formada pelos jovens turcos na Turquia Cadernos de cinemaNa França, exatamente ao mesmo tempo.

com O deus negro e o demônio loiro (1964), Rocha desferirá um duro golpe

Em 1958 filmou seu primeiro curta-metragem Oh quintalartigo um tanto formal, mas especial com Paravento (1961), seu impressionante longa-metragem de estreia, que chamaria a atenção. Neste filme, rodado em uma vila de pescadores da Bahia, fica muito claro o legado do neorrealismo italiano. Mas o filme é notável por sua mistura única de documentário e glorificação mágica. O Brasil de Rocha não é a bossa nova, uma música nobre nascida há pouco tempo na zona sul do Rio, mas sim rica e branca. É o Brasil da pobreza extrema e da exploração febril, o Brasil negro, cuja crueldade surpreende até hoje.

READ  Estes 12 museus internacionais oferecem tours virtuais de suas melhores exposições

com O deus negro e o demônio loiro (1964), oportunamente exibido nos cinemas franceses, desferirá um duro golpe em Glauber Rocha. Esta canção de festa, ultramoderna e deliberadamente anacrónica, caracteriza-se sobretudo pela secura e brancura da paisagem do sertau, um deserto algo hostil, dominado pelo feudalismo das relações sociais entre explorados e explorados. Se, na época, Rocha estava imbuído do pensamento marxista, seu filme foge à inconfundível leitura ideológica. A loucura que ali reina incontestada não é à toa. visualmente deslumbrante, O deus negro e o demônio loiro Ele toma tanto de Eisenstein quanto do sincrético Pasolini que revisita mitos O Evangelho segundo São Mateus Baseado em Medeiae Wild West Movies de Sergio Corbucci, como Django ou O grande silêncioH. Se se refere ao vício do povo brasileiro pela religião e pelo pensamento mágico, Rocha não faz um filme militante, longe disso. O seu tema é antes a confusão e o caos total do sistema de valores religiosos e políticos. concerto barroco, música e coreografia, O deus negro e o demônio loiro Foi selecionado para competir no Festival de Cannes de 1964. Embora não tenha ganhado prêmio, o filme recebeu atenção especial por fazer parte da explosão das New Waves ao redor do mundo.

Encantamentos e magia do cinema xamã

1964 é também o ano em que uma ditadura militar foi brutalmente instalada no Brasil. Uma ditadura que inicialmente não impedisse Glauber Rocha de montar grandes filmes como este A Terra está em transe (1967) ou Antonio das Mortes (1969), onde assume o papel de um assassino de kanjasiro, ao pagar os salários de grandes proprietários de terras, que já estão em Deus das trevas pelo qual ganhou o prêmio de direção em Cannes em 1969… Mais do que um cineasta, Glauber Rocha tornou-se, neste momento crucial de sua carreira, uma verdadeira figura colorida, uma figura intelectual altamente influente, muito ativa. Este é o momento de Rocha sem contar a defesa do Cinema Nouveau. Ele percorre festivais por todo o mundo, mesmo aqueles em que não é escolhido, e assim se torna um símbolo do terceiro mundo que tão habilmente reivindica.

READ  Fausses informations sur la COVID-19: la suspend des comptes de Bolsonaro sur les réseaux sociaux demandée

Os anos setenta serão mais difíceis para ele. O endurecimento da ditadura brasileira no final da década de 1960 obrigou-o ao exílio. Vai do Chile para Cuba, depois para a França – nessa época vive um grande caso de amor com Juliette Bertoux, atriz de Godard – e logo para a Itália. O diretor errante finalmente retornou ao Brasil em 1976, ainda criança rebelde. Enquanto isso, ele continuou a fazer filmes, mas seu público diminuiu bastante. O seu regresso à sua terra natal será marcado por uma espécie de cacofonia, sobretudo porque faz declarações quase a favor do conselho militar, cujo regime se manteve um tanto relaxado apesar de tudo. com Idade da Terra (1980), seu último filme, Glauber Rocha acredita ter sua obra-prima, um filme insanamente superior a tudo que já fez. Infelizmente para ele, Idade da Terra Foi mal recebido quando foi introduzido em Veneza. Enquanto isso, o diretor briga com alguns de seus velhos amigos. Sua vida turbulenta chegaria ao fim em agosto de 1981. Morreu de câncer mal tratado aos 42 anos, deixando para trás uma obra de rara força. Uma figura talentosa, seguidor de atos estridentes, xamã, diretor de fotografia, feiticeiro e mágico, nem sempre fácil de encontrar, mas constantemente encantador.

O deus negro e o demônio loiro (1964), dirigido por Glauber Rocha, chega aos cinemas em 30 de agosto

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *