Restos da “Cidade Perdida” estão ameaçados no Equador

Restos da “Cidade Perdida” estão ameaçados no Equador

A floresta os protege há milhares de anos. Mas a erosão, especialmente a modernidade, pode ultrapassar milhares de montes de terra, os restos de uma vasta e agora desaparecida cidade amazónica com cerca de 2.500 anos de idade, no sudeste do Equador.

• Leia também: Peru: Descoberta de um lagarto desconhecido, em homenagem ao vocalista do Iron Maiden

• Leia também: Um navio de pesquisa rastreando as mudanças climáticas na Antártica

Esta “cidade perdida” foi descoberta em 1978 no Vale do Obano, na Amazônia equatoriana, e se estende por centenas de quilômetros quadrados. No sopé da cordilheira dos Andes, no seu auge incluía cerca de vinte cidades, ligadas por estradas, e foi o lar de uma civilização agrícola até então desconhecida.

“Pensávamos que eram apenas simples estruturas naturais”, algumas das quais “foram demolidas para construir estradas”. “Há uma necessidade urgente de um plano de proteção”, disse Alejandra Sanchez, uma arqueóloga espanhola que estuda este património há cerca de dez anos.




Agência de imprensa francesa

Machu Picchu Equatoriano

O sítio de Yubano, que alguns chamam de “Machu Picchu do Equador”, tornou-se famoso em janeiro, quando a importante revista Science publicou um artigo do pesquisador francês Stephen Rostin, que conduziu escavações na década de 1990, no que a mídia descreveu erroneamente como uma nova “descoberta”. ” . .

A publicação evitou o trabalho realizado ao longo de quatro décadas por dezenas de acadêmicos e arqueólogos, bem como o projeto pretendido pelo Estado equatoriano sob a supervisão do Instituto Nacional do Patrimônio Cultural (INPC).

No âmbito deste projeto iniciado em 2015, foram identificados cerca de 7.400 montículos de terra através da tecnologia laser utilizada por uma aeronave para escanear o solo sob vegetação densa.

READ  ISIS e o Talibã | OTAN intensifica missão no Iraque e adia decisão sobre o Afeganistão

Esses morros, em formato das letras L, T, U, ou mesmo quadrados, retangulares e ovais, serviam de alicerce das casas – das quais nada resta – para protegê-las do solo úmido.

Além das estradas recentemente construídas, a erosão, o desmatamento e a agricultura também ameaçam essas massas rochosas, que chegam a quatro metros de altura e cerca de vinte metros de comprimento. O rio Obano, berço da cultura indígena de mesmo nome, está sendo vítima da mineração ilegal.

Como medida de precaução, a Autoridade Nacional do Petróleo começará a demarcar os limites do complexo na província de Morona Santiago, no sudeste do país. Dependendo da versão, pode estender-se até 1.000 ou até 2.000 quilómetros quadrados, afirma o arqueólogo equatoriano Alden Yepez, da Universidade Católica Privada do Equador (PUCE).

“Olhávamos com inveja o património arqueológico dos nossos vizinhos no Peru ou no México. Hoje temos a sorte de tê-lo aqui, no Vale do Obano!”, regozijou-se o Sr. Yepez, que enfatizou a sua “importância cultural”.

Para a diretora do INPC, Catalina Tello, a compreensão desse tipo de achado arqueológico deve ser feita “no contexto”, incluindo neste caso os indígenas Shuar e o povo Shuar que “preservaram e cuidaram de todos esses vestígios”.

“Indiana” Boras

O verdadeiro responsável pela descoberta dos restos do Vale do Obano é o padre e arqueólogo equatoriano Pedro Porras, que descreveu pela primeira vez estes montes de terra como uma “cidade perdida” na década de 1980.

O Museu Weilbauer-Porras da PUCE preserva mapas e fotografias em preto e branco dos telhados, seus achados de cerâmica colorida finamente decorada ou mesmo um pedaço de rocha vulcânica esculpido em forma de meio animal, meio humano.

Para Yepez, que também é professor da PUCE, os quase 7 mil montes identificados são a “ponta do iceberg” de uma civilização que talvez fosse maior do que se imaginava até então.

O diretor do Instituto Nacional de Política Ambiental acrescenta que “é improvável a ideia de que a região amazônica fosse uma região desabitada” ou de que fosse habitada apenas por nômades, porque as descobertas testemunham uma organização política, econômica e religiosa típica de grandes civilizações. .



restos

Agência de imprensa francesa

Esta antiga cidade foi construída entre 500 aC e 300-600 anos depois, abrangendo a era do Império Romano.

Segundo a revista Science, as colinas eram ligadas por uma vasta rede de ruas escavadas, em ângulos retos e retos, seja para fins comerciais ou cerimoniais.

Alden Yepez, por sua vez, acredita que estes também serão “enormes sistemas de drenagem interligados”.

“Um dos objetivos principais era evacuar a precipitação, pelo que existe uma relação direta e notável com as características meteorológicas da área”, gostaria de acreditar o investigador.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *