Rússia: Funcionários que se recusarem a vacinar podem receber licença sem vencimento

O Ministro do Trabalho russo anunciou que os funcionários que se recusarem a ser vacinados contra a Covid-19 nas regiões obrigatórias da Rússia, podem ter licença sem vencimento, em meio a uma epidemia rápida e uma campanha de vacinação lenta.

• Leia também: Covid-19: Tunísia anuncia contenção geral em quatro regiões

• Leia também: Covid-19: declínio na França e no Japão, 500.000 mortos no Brasil

«Si les autorités d’une région rendent la vacination obligatoire pour certas categorias de travailleurs, un Employé non vacciné pourra être suspendu», a déclaré Anton Kotiakov aux médias russes samedi, des propos reproduits la charés denemangram Epidemic.

Ele explicou que a suspensão continuará durante a vigência do decreto de vacinação obrigatória.

Diante de um número crescente de casos, a cidade de Moscou e sua primeira região na Rússia esta semana tornaram a vacinação obrigatória para funcionários do setor de serviços.

Desde então, sete outras entidades locais, incluindo São Petersburgo e sua região, tomaram medidas semelhantes, de acordo com a mídia russa.

Após dois dias consecutivos de infecções registradas, Moscou registrou uma ligeira queda no domingo, com 8.305 casos registrados em 24 horas. Isso ainda faz mais de duas semanas, quando cerca de 3.000 casos diários foram registrados.

Segundo as autoridades, esse surto se deve à variante delta, que surgiu na Índia, que atinge quase 90% dos novos pacientes, segundo o prefeito Sergei Sobyanin.

No entanto, o número de novos casos ultrapassou 1.000 em 24 horas em São Petersburgo pela primeira vez desde o final de fevereiro.

Em todo o país, o país registrou 17.611 novos casos.

Este surto é favorecido por uma campanha exaustiva de vacinação, os russos são muito céticos em relação às vacinas, devido à falta de restrições há vários meses e ao não cumprimento das regras de distanciamento e uso de máscaras.

READ  Trump retornará às mídias sociais dentro de três meses com sua 'própria plataforma'

Desde dezembro e apesar da disponibilidade da vacina russa Sputnik V, apenas 13% da população foi vacinada, de acordo com o site Gogov, que coleta dados de regiões e da mídia por falta de estatísticas nacionais oficiais.

A Rússia, com 129.361 mortes registradas pelo governo, é o país europeu mais mortal. A agência de estatísticas Rosstat, que tem uma definição mais ampla de mortes relacionadas ao COVID, registrou cerca de 270.000 mortes desde o início da pandemia.

Veja também:

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *