Saara marroquino: Fernando Collor De Mello, ex-presidente brasileiro, escreve a Joe Biden

Por Le360 (com MAP) em 03/09/2021 às 18:01

O ex-presidente brasileiro Fernando Collor De Mello sublinhou, em carta recentemente dirigida ao Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, a importância da decisão americana de reconhecer a plena soberania do Marrocos sobre o Saara, com vistas a ‘uma solução duradoura a este conflito artificial.

umaUMA

O ex-presidente brasileiro e atual senador (Partido Republicano da Ordem Social, Alagoas), Fernando Collor De Mello esclareceu em sua carta ao Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden: “Gostaria de expressar a Vossa Excelência a minha satisfação pela recente decisão dos Estados Unidos a reconhecer a plena soberania de Marrocos sobre o Saara “. Ele também observa que esta decisão foi tomada em um momento de grande importância, porque “o processo político voltado para a solução desta disputa regional requer uma nova dinâmica capaz de evitar a persistência do impasse e dos atos de desestabilização freqüentemente cometidos. Por milícias armadas”. .

“Saúdo também a decisão de reconhecer a iniciativa de autonomia como base única para resolver o diferendo regional sobre o Sahara e de abrir um consulado na cidade de Dakhla, o que representa um acto de reconhecimento da soberania de Marrocos e do potencial da região como pólo econômico regional ”, insistiu. Fernando Collor De Mello declarou ainda estar “convencido de que os Estados Unidos, sob a sua presidência, continuarão a fazer avançar a questão do Saara para uma solução justa e duradoura, graças ao seu apoio continuado à Iniciativa de Autonomia de Marrocos”.

E o ex-presidente do Brasil expressa ao presidente americano sua satisfação com o acordo trilateral Marrocos-Israel-Estados Unidos, acreditando que fortalecerá as perspectivas de paz no Oriente Médio, em linha com o papel que o Marrocos historicamente tem desempenhado no promoção da paz na região.

READ  Irã retoma enriquecimento de urânio e viola acordo nuclear novamente | Mundo

Fernando Collor De Mello também saudou o novo modelo econômico da região do Saara, lançado por Sua Majestade o Rei Mohammed VI em 2015, por um orçamento total de 8 bilhões de dólares, destacando que os benefícios dos investimentos já são visíveis. ao nível das infraestruturas, do urbanismo, dos serviços de saúde e dos estabelecimentos de ensino, bem como dos projectos económicos, agrícolas, industriais, turísticos e territoriais e no domínio da economia social e solidária.

Chamou a atenção de Joe Biden para o facto de a implementação deste modelo de desenvolvimento girar em torno da governação democrática local no Sahara, onde os saharauis, neste caso ex-membros do grupo separatista da Polisário, presidente dos dois conselhos regionais, após eleições livres e transparentes.

«Esta gestão democrática é já um prelúdio à situação que o estatuto de autonomia oferece no quadro da soberania marroquina, com a criação de órgãos legislativos, executivos e judiciais regionais», afirmou na sua carta. para o presidente americano.

Para ele, “não é por acaso que um número cada vez maior de países apoiam a iniciativa de autonomia como uma solução política realista, viável e pragmática; e que as últimas 27 resoluções do Conselho de Segurança (CS) da ONU afirmaram o que vários enviados da ONU concluiu: que a independência do Saara não é uma opção realista “.

O ex-presidente brasileiro observou em sua carta a Joe Biden que o Conselho de Segurança considera os esforços de Marrocos e a iniciativa de autonomia do Saara como uma base séria e confiável para uma solução política, observando que as resoluções do Conselho de segurança são um reflexo direto da realidade no terreno e a relevância do plano de autonomia, “que é a única forma de acabar com o sofrimento das pessoas que vivem nos campos de Tindouf na Argélia, de garantir a reconciliação entre as populações e de alcançar a paz nesta região”.

READ  Confronto entre Estado brasileiro e Petrobras

Fernando Collor de Mello foi prefeito da cidade de Maceió (Leste) de 1979 a 1982, deputado federal de 1982 a 1986 e governador do Estado de Alagoas (Leste) de 1987 a 1989. Foi o presidente mais jovem da história do Brasil, eleito aos 40 anos pelo Partido da Reconstrução Nacional (PRN), sendo o primeiro eleito por voto direto após o regime militar (1964-1985).

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *