Será que a empresa Ardentes fez vista grossa a um setor ilegal?

Será que a empresa Ardentes fez vista grossa a um setor ilegal?

A empresa Robert, de Ardentes, descumpriu o sistema de “due diligence” para importar madeira de ipé do estado do Pará, no Brasil, que está sob o controle do desmatamento? Esta é a questão examinada pelo Tribunal de Recurso de Bourges, quinta-feira, 11 de abril de 2024, na sequência do recurso interposto pela empresa Indrian após a sua condenação pelo tribunal de Châteauroux, 6 de setembro de 2023. O caso diz respeito a 22 milhões de pessoas.3 de madeira processada de ipê, de origem ilegal, importada em 2017 por 42 mil euros.

A sentença proferida em primeira instância, na sequência de uma denúncia da associação Greenpeace França, foi inédita em França. “É uma questão muito técnica que poucos tribunais foram apreendidos,” apresentou Emmanuelle Fredon, assessora do Tribunal de Recurso que conduziu os debates. Ela lembrou o “contexto internacional e ecológico” deste caso, enquanto “40% a 60% da exploração madeireira é ilegal” no estado brasileiro do Pará.

“Nós olhamos para eles como salteadores de estrada”

A ONG Greenpeace, parte civil neste caso, pediu ao tribunal de recurso que “não se confunda no debate”. “Não é a ONG maligna contra uma pequena empresa familiar. Estamos perante uma estratégia de defesa do fumo: estamos a encobrir uma realidade que, no entanto, está registada desde o início. Os líderes já haviam sido avisados ​​em 2014 pelo Greenpeace. E jogam a carta da indiferença ou fingem não saber. » A advogada da ONG, Marie Dosé, estimou que a empresa Robert teria “tive que ir ao local para ver se os regulamentos eram respeitados” e não apenas confiar “documentos oficiais, produzidos num Estado que recorre habitualmente à falsificação. »

Diante da associação, os dois novos advogados dos estabelecimentos Robert, Me Mallen e M.e Grall, implorou pela libertação de seu cliente. Eles consideraram “a ausência de factos constitutivos de infracção” nesta pasta. “Se formos na direção do que exige o Greenpeace, que considera que tudo o que emana da administração brasileira é corrupto, isso significa que amanhã nosso cliente, mas também qualquer serraria, não comprará mais madeiras tropicais. Porque é impossível ir até as empresas florestais do Brasil, ao pé de cada árvore, para ver em que condições ela é cortada! Antes de importar esta madeira processada, verificou se cada intermediário possuía as autorizações e certificações necessárias. Ele aplicou seu sistema de due diligence. O que mais ele poderia fazer? »

Os dois conselhos da empresa sublinharam ainda as consequências da condenação na actividade económica dos “esta pequena empresa com um volume de negócios de 15 milhões de euros, cujos resultados caíram mais de metade no ano passado. São vistos como salteadores de estrada que contribuem para toda a corrupção no Brasil! Recentemente, foi-lhe recusada uma subvenção do conselho regional devido à sua condenação. Se este for confirmada, a sua actividade económica e o seu desenvolvimento ficarão ameaçados. »

Marie Dosé defendeu os interesses do Greenpeace contra Jean-Christophe Grall e Guillaume Mallen, advogados da empresa Robert.
© (fotos NR)

“Essas práticas devem parar”

Greenpeace defendeu a obrigação “publicar a condenação no site “Trade du bois” porque se destina a profissionais. É necessário que haja algo dissuasor para que estas práticas parem e para que apliquem os regulamentos. »

O Ministério Público, representado por Vincent Bonnefoy, também apelou à confirmação da condenação do tribunal de Châteauroux (1). “O crime imputado não é o de ter importado madeira de origem ilegal, mas sim o de não ter respondido às medidas preventivas e realizado controlos suficientes. »

O julgamento foi reservado até 27 de junho de 2024.

READ  No Brasil, continuação do “julgamento do século” crucial para os povos indígenas

(1) Multa de 20.000€, incluindo 10.000€ suspensos, 20.000€ de indemnização por danos morais à Greenpeace, 3.000€ à associação France Nature Environment e Canopée.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *