Sombra de um estranho na eleição presidencial de 2022

crônica. Na primavera de 2020, os corredores do poder foram tomados por um perigo supostamente grande: o súbito aparecimento de uma figura populista fora do partido no jogo presidencial, em um cenário de decadência. O próprio Emmanuel Macron alimentou este cenário, apelando a Jean-Marie Beegard e Eric Zemmour, um porque ele criticou duramente o governo, o outro após seu ataque na rua, e então visitando o polêmico especialista em doenças infecciosas Didier Raoult. Uma estratégia de demonização inteligentemente organizada, que permite mostrar que considera o que representam estas personagens – cada uma encarnando, à sua maneira, a ruptura entre o povo e as elites – ao mesmo tempo que tenta capturar uma parte da sua popularidade, correndo o risco de legitimá-lo.

No livro de pesquisa, tentação de palhaço (Bucket Chastel, 288 páginas, € 21,90), a jornalista Laetitia Krupa explica este fenômeno inerente às nossas democracias cansadas. Em 1965, o humorista Pierre Dac, inventor de “Schmilblick” e “MOU” (“Movimento Onda Unificada”), ameaçou se apresentar, antes de ser convocado por de Gaulle, que considerou a piada muito antiga. Então chegou a vez de Colucci, “Ícone fora de serviço”, “Charlotte I que fez a força tremer”. A tradução do desespero social no contexto da rejeição das elites (“tudo está podre”), o comediante quer representar aqueles que não o são. Abortada, sua candidatura permanecerá como ‘Um grande chute no formigueiro político’.

Este artigo é reservado para nossos assinantes Leia também Presidência 2022: a hipótese de Zemmour desencadeia campanha

Desde então, o palhaço se alastrou pela vida política francesa, voltando a contar histórias a cada eleição presidencial, em um cenário de colapso de partidos e ideologias e perda de credibilidade política. Quarenta anos depois de Colucci, os “casacos amarelos” defenderam valores semelhantes, “Um pedaço entre o braço de honra e a fraternidade”, uma ‘Um discurso profundo sobre a igualdade’ Misturado ao libertarianismo, observa o ex-presidente da Restos du cœur, Jean-Michel Fagolesi, citado em tentação de palhaço. Mas os Coletes Amarelos, sem líderes e sem estratégia, não conseguiram construir um show político, ao contrário do comediante Beppe Grillo, que se baseou em dados de “para inocular o ódio à instituição” E para alcançar a vitória do Movimento 5 Estrelas na Itália em 2013. A onda populista atingiu a Ucrânia, Eslovênia, Brasil, Guatemala, Equador e até os Estados Unidos com Donald Trump.

READ  Um jornalista e seu companheiro foram mortos a tiros na Etiópia

Você tem 50,34% deste artigo para ler. O resto é apenas para assinantes.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *