Treinador do Foot – Blue – Blues, Corinne Deacon, à frente de França – País de Gales: ‘Jogo mais aberto’

Enquanto o Azul enfrenta a terça-feira (21h10) em Gingham Wells, vice-campeão no grupo das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2023, Corinne Deacon antecipa o desafio de um time que rejeitará a partida menos do que os ex-adversários franceses. “O presidente da FFF, Noël Le Graët, visitou você no domingo. Qual foi o discurso dele? Foi uma visita bastante amigável, ele não mora longe. Foi importante para ele nos cumprimentar na nossa chegada, o que ele fez. Ele compartilhou um momento com os jogadores e os parabenizou pelo percurso até agora. E acima de tudo, ele os impediu de perder em Gangan (Risos). “Concentre-se nas meninas, elas sabem o que fazer” Isso adiciona mais pressão?
Não, não há mais pressão. Concentre-se nas garotas, elas sabem o que fazer. Eles sabem contar e olhar a classificação (por dois pontos sobre o País de Gales). Eles sabem muito bem que, se quisermos manter o primeiro lugar, temos de vencer o País de Gales amanhã. (Mardi). Será um jogo muito mais aberto do que foi contra o nosso último adversário. Não completamente satisfeito depois de realizar contra Cazaquistão sexta-feira (6-0). O que você gostaria de ver mais contra o País de Gales?
É verdade que sempre ultrapassamos o limite e nem sempre podemos ficar satisfeitos com o método. As meninas colocaram o que precisavam para começar bem essa partida, mas na intenção do jogo era muito mais difícil. Não encontrei a seleção da França que vi em alguns jogos, contra a Grécia ou a Estônia, por exemplo. Se puxarmos um pouco o freio de mão na sexta-feira para melhorar a situação dos cavalos amanhã, tudo bem também. Eu sou a minha vez de dizer a eles quando não me sinto bem. Leia também Calendário de jogos da Liga Azul para as eliminatórias da Copa do Mundo de 2023 Será que os ciclos que fiz nesta partida explicam essas dificuldades?
Não, não necessariamente, porque treinamos juntos a semana toda. As meninas se conhecem. Então, na verdade, provavelmente há um pouco de automação entre alguns, mas quando você faz parte do grupo, você tem que se certificar de que isso seja implementado. Que tipo de oposição você espera?
É uma equipa futebolística, com uma defesa clássica com quatro valências ofensivas na defesa. É uma equipe que não trava o jogo, tentando construir com um avanço muito rápido. Acho que isso resultará em grande ação de ambos os lados. No último jogo não podemos falar da transição, tivemos quase 80% de posse de bola. Amanhã será mais equilibrado e poderemos jogar futebol. Quando você joga uma defesa perpetuamente baixa que coloca uma bola longa na frente a cada rebote da bola, e isso não incomoda a construção, você tem que encontrar as chaves para se virar. Às vezes chegamos lá, às vezes menos. Este jogo frente ao País de Gales será uma prova de defesa, depois de jogos em que tem estado menos exposto. Você vê o nível galês se aproximando do da Eslovênia, que mal derrotei no dia 21 de setembro (3-2)?
São duas equipes praticamente iguais, sabendo-se que as duas se neutralizaram no mês passado, embora o resultado pudesse ter sido mais amplo com muitas chances de chance dos dois lados. Todo o nosso sistema defensivo terá mais certeza, ou não, não apenas nossa defesa quádrupla. Grace Giroud, Pearl Moroni e Kadediatou Diani estavam fora do banco para o pontapé de saída na sexta-feira. Devemos esperar vê-los começar na terça-feira?
Tenho 23 jogadores à minha disposição. Todo mundo está em forma, o que é muito bom. Algumas organizações estavam um pouco exauridas e saldamos algumas na sexta-feira. Para outros, foram escolhas de minha parte. Equipa de amanhã, já tenho uma ideia, porque não a fiz no último minuto, mas prefiro aguardar a última sessão, na Eslovénia, que nos afetou (Wendy Renard ferida). “Tem coisas que seguram, não estou fechado para nada. A ideia é que o grupo atue da melhor maneira possível com o maior número de jogadores possível.” Sexta-feira foi o terceiro mandato consecutivo de Delphine Cascarino, uma sequência muito rara para ela escolher. Você deu um passo à frente em seus olhos?
Você empatou três partidas em um lugar diferente do que normalmente joga (lado esquerdo), um pouco pela força das circunstâncias. O infortúnio de alguns cria a felicidade de outros. O Dolphin tem qualidades interessantes em termos de velocidade e cadência, e seria uma pena não saber que Dolphin e Cady à direita têm um perfil semelhante. Achei uma pena não combiná-los. Delphine já havia atuado na esquerda e foi bastante decidida. Tentamos de novo e tenho a impressão de que ela está se divertindo muito jogando naquela posição, que não é muito diferente da que normalmente ocupa à direita. A esquerda dá a ela outras possibilidades ofensivas e acho que ela gosta disso. Você espera que o jogo de terça-feira confirme suas escolhas nos últimos meses contra adversários mais fracos?
Você tem pouca memória quando fala sobre oponentes mais fracos. Ainda vamos jogar contra a Inglaterra e a Suíça em fevereiro, o que tornou as coisas difíceis para nós nos EUA e na Alemanha. Há coisas para resolver, não estou tão fechado para nada. A ideia é que o grupo tenha o melhor desempenho possível com o maior número de jogadores possível. Às vezes há um rodízio, mas o importante é dar o maior número de cartuchos possível a essa equipe para que tenhamos diferentes soluções, seja por jogador ou por sistema. Em algum momento tentaremos criar o efeito de surpresa com os adversários. ‘O Brasil é a continuação’ da reação de Corinne Deacon ao anúncio Três oponentes de “azul” No campeonato francês de fevereiro, ao final da coletiva de imprensa: « O Brasil é uma continuação do que temos feito desde o nascimento do Tournoi de France. E jogar contra duas seleções europeias, para nós que olhamos para o Euro, é ainda melhor. Holland veio até mim na loteria Euro para ver se ainda havia lugar, eu os conectei ao sindicato. Para a Finlândia, o mesmo. Houve muitos outros pedidos nesta temporada. »

READ  Noite de luta do UFC: Kattar VS. Chikadze cette nuit sur RMC Sport

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *