Tudo o que você precisa saber sobre a caipirinha, o coquetel milagroso brasileiro

Na primavera de 2020, com a epidemia de Covid-19 varrendo o Brasil, a das notícias falsas se apoderou das redes sociais do país. Entre os remédios milagrosos para sufocar o vírus, estava a cachaça de topo – álcool feito de caldo de cana fermentado e destilado e com teor de 38 a 48 ° -, ideal para desinfetar as mãos ou gargarejar. Tanto que as autoridades tiveram que negar publicamente sua eficácia! Não foi, porém, a primeira vez que a bebida nacional foi apresentada para fins de saúde.

Em 1918, em meio à epidemia de gripe espanhola, os camponeses do Estado de São Paulo, por sua vez, elaboraram uma poção para protegê-los do mal, adicionando limão, mel e alho à famosa cachaça. Uma mistura que já tinha provado seu valor, diziam, contra o escorbuto e a cólera …

Na verdade, esse grogue brasileiro não preveniu ou curou nada (a gripe espanhola matou 35.000 pessoas no país). Mas o coquetel, antes sem alho e mel, foi um sucesso estonteante, ganhando na década de 1920 os salões de luxo das grandes cidades. Seu nome assume uma origem rústica, caipira significado em portugues ” pica-pau “, E Caipirinha, “Beijinho”.

Um símbolo de resistência aos colonizadores portugueses

Em 1994, a caipirinha entrou na seleta lista de coquetéis da International Bartenders Association: os bartenders estendem o tapete vermelho para ela. Hoje, os puristas brasileiros defendem a receita nacional contra as imitações sacrílegas, caipiroska (à base de vodka), sakerinha (à base de saquê) ou caipirissima (à cachaça). Fora da cachaça, sem salvação! Os conhecedores procuram os melhores barris de Minas Gerais, estado do sul do país que concentra a maior parte dos produtores.

READ  Em áudio, influenciador descreve momentos íntimos de suposta trapaça de Nego do Borel Em áudio, influenciador descreve momentos íntimos de suposta trapaça de Nego do Borel | Fábia Oliveira

Destilado no Brasil há 500 anos, esse álcool, que tem denominação de origem controlada, também já foi um símbolo de resistência aos colonos portugueses, que tentaram sem sucesso bani-lo em favor de seu vinho. Os brasileiros chamam de “água que o passarinho não bebe“,” A água que os pássaros não bebem “… e que os homens devem consumir com moderação!

Como fazer uma caipirinha?

Para preparar um autêntico “caïpi ‘” – como o chamam os amadores – é necessário antes de tudo obter um equilíbrio perfeito entre a acidez da lima, o açúcar e o grau final de álcool (idealmente entre 20 e 25 °).
Mixologie. Recomenda-se um copo de uísque, com fundo plano. Comece amassando, com um pilão de pontas pequenas, um limão cortado aos quatro, com quatro colheres de chá de açúcar de confeiteiro. O atrito entre as raspas e o açúcar (branco ou tinto, opiniões divergentes) vai liberar todo o sabor da fruta. Adicione gelo picado (um bom terço de um copo) e 60 ml de cachaça. Mexa delicadamente, pois a mistura não deve ficar muito aquosa.

Variantes. Você pode substituir o limão por maracujá, morango, abacaxi …

➤ Artigo publicado na revista GEO d’avril 2021 (n ° 506, Florença).

➤ Para ver todos os problemas GEO disponível individualmente, está aqui ! Já é fiel ao conteúdo GEO? Então, para não perder nada, descubra nossos planos de assinatura para receber facilmente GEO em sua casa todos os meses.

Leia também:

⋙ Tudo o que você precisa saber sobre feijoada, cassoulet com molho brasileiro
⋙ Brasil: agora tudo é bom no coco
⋙ A receita da arepa, a (caríssima) panqueca dos venezuelanos

READ  cinco razões para não se preocupar (muito) com as variantes

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *