Ucrânia: Schulz reluta em aderir rapidamente à União Europeia

O chanceler alemão, Olaf Schulz, disse nesta quinta-feira que não é a favor de dar à Ucrânia um “atalho” para a União Europeia, que ele disse que não será “em alguns meses ou alguns anos”.

Ele enfatizou durante um discurso perante deputados da União Europeia que “o fato de não haver atalho no caminho para a adesão à UE (Ucrânia) é um imperativo de justiça para os seis países dos Balcãs Ocidentais” que há muito desejam ingressar no bloco europeu. O Bundestag.

“Emmanuel Macron está certo ao apontar que o processo de adesão não é uma questão de alguns meses ou alguns anos”, acrescentou o presidente francês.

“É por isso que atualmente queremos nos concentrar no apoio rápido e prático à Ucrânia” à luz da ofensiva russa desde 24 de fevereiro, repetiu ele antes da cúpula UE-Bálcãs Ocidentais de segunda-feira em Bruxelas.

A Ucrânia, a Geórgia e a Moldávia solicitaram recentemente o estatuto de candidatos, enquanto seis países dos Balcãs Ocidentais – Sérvia, Kosovo, Albânia, Macedónia do Norte, Montenegro e Bósnia – aspiram a aderir à União Europeia, mas o processo de alargamento está parado há anos.

O Primeiro-Ministro considerou que estes seis países “fazem há anos reformas intensivas”. “Cumprir nossas obrigações com eles não é apenas uma questão de credibilidade”, disse ele.

O líder alemão insistiu que a expansão era “do nosso interesse estratégico” diante das aspirações da Rússia, que já exerce influência significativa sobre alguns países da região.

“Trata-se também de nossa segurança, que não pode existir sem uma Europa Ocidental estável dos Balcãs”, diz ele.

No mês passado, o chanceler disse que queria reviver o processo de inscrição para esses seis candidatos, ajudando a arquivar esse arquivo “com toda a força à sua disposição”.

READ  D'une ferme du Kansas aux rangs de l'EI, le parcours déroutant d'une Americaine jihadiste

Em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, defendeu na quarta-feira a criação de uma “comunidade geopolítica europeia” para preparar os países candidatos à integração.

Assim, o belga adotou com um novo nome a proposta da “Comunidade Política Europeia”, que foi defendida pelo presidente francês Emmanuel Macron no início de maio perante o Parlamento Europeu em Estrasburgo.

O líder francês propôs a criação deste novo grupo de “cooperação política, de segurança e cooperação”.

O chanceler, que não mencionou essa proposta aos deputados, a considerou “muito emocionante” durante uma reunião com Emmanuel Macron.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *