um jovem jogador de futebol nos Jogos Olímpicos para Surdos e Deficientes Auditivos no Brasil

Um dos jogadores do clube de futebol Neuvillette-Jamin de Reims está no Brasil desde o final de abril de 2022. Arnold Thimon é selecionado para o time de futebol francês para surdos e deficientes auditivos. Ele compete nas Deaflympics (Deaflympics) organizadas pelo Comitê Olímpico e Esportivo Internacional.

Um sonho. Ser jogador de futebol e poder jogar no Brasil é um sonho absoluto. “É um país onde se vê muito futebol com tantos bons jogadores”, conta-nos, pelo Messenger, Arnold, do Brasil. Este fã de Thierry Henry e de Ronaldinho está maravilhado desde 25 de abril de 2022 e sua chegada foi Caxias do Sul no brasil. o 24º Surdoolimpíadas o verão começou em 1º de maio e terminará 15 dias depois.

Arnold Thimon e a equipe francesa para surdos e deficientes auditivos iniciaram a competição no dia 30 de abril. Na piscina da Ucrânia, número 1 do mundo, Egito, outro time muito bom, Argentina e Coréia, a competição promete ser complicada. “Empatamos em 1 a 1 contra o Egito, perdemos por 3 a 2 contra a Ucrânia e vencemos ontem (sexta-feira, 6 de maio) contra a Argentina por 1 a 0.explica o jogador de 26 anos. Segunda-feira, 9 de maio, jogamos contra a Coréia e se vencermos com 6 gols, iremos para as quartas de final. É um grupo difícil, com duas equipes no melhor surdo do mundo”. Segunda-feira, 9 de maio, será, portanto, um dia decisivo que marcará ou não a qualificação para a fase final da competição.

Arnold Thimon cresceu em Ile de France. Começou no futebol muito jovem, aos 6-7 anos, “inspirado na minha família e nos jogos de futebol que assisto na TV”, ele nos conta. Parou quando entrou no internato aos 12 anos, mas retomou três anos depois na região de Paris em Sevran, seu clube original, e foi abordado, também naquele ano, pelo CSSMP, clube esportivo de Paris para surdos e deficientes auditivos.

READ  Brasil | Presidente Bolsonaro pede o impeachment de um juiz da Suprema Corte

Em 2017, Arnold pisou em Reims e se juntou ao time de futebol surdo de Reims, continuando a jogar no Blanc-Mesnil, Senlis e depois no FC Bourget antes de chegar permanentemente a Reims em 2021. “Reims é um lugar calmo”, ele explica. Ele o fã de futebol, demitido no clube de futebol La Neuvillette-Jaminmas também ao dos surdos de Reims, também joga futsal… sem falar nas seleções para a seleção da França. “É realmente uma paixão, ele explica. Sempre me divirto e tenho muitas coisas para aprender. Na minha idade, tenho que aproveitar”.

Ele é uma pessoa extremamente combativa, que gosta de driblar. Ele sabe fazer tudo Arnold e isso facilitou sua integração no grupo.

Mathieu Jahan, treinador do clube de futebol La Neuvillette-Jamin

“Ele está treinando conosco há um ano. Eu o experimentei por um mês, um mês e meio, então o trouxemos.explica o treinador do Arnold Reims, Mathieu Jahan, do clube La Neuvillette-Jamin. Ele tem um pouco de sorte em seu infortúnio. Quando ele joga com a gente, ele se encaixa e consegue ouvir um pouco e falar um pouco. O importante é que ele pode me ouvir. Eu posso me comunicar com ele”. Arnold é um workaholic, além de ser um jogador completo. Ele ficou surdo aos três anos de idade devido a uma doença.

Ele tem um jogo onde ele é muito protagonistaacrescenta Mathieu Jahan. Ele é uma pessoa extremamente combativa, que gosta de driblar. Ele sabe fazer tudo Arnold e isso facilitou sua integração no grupo. Ele tem um comportamento realmente impecável. É alguém que não perde o treino, é alguém que luta como um cão. É fácil integrar-se ao grupo, mesmo que a comunicação não seja, mas comunicamos através do futebol. É um jogador que dá o exemplo, é trabalhador e tem qualidade. Muitas vezes os jogadores, quando têm qualidade, esquecem de correr, de trabalhar. Mas ele é realmente um jogador coletivo. Ele é alguém que corre muito em campo. Ele corre muito em alta intensidade, isso é o que eu chamo de carente. Arnold, quando ele termina uma partida, muitas vezes ele está com as mãos nos joelhos. Não, porque não é treinado, porque dá muito”.

Arnold se dá os meios. Licenciado no clube La Neuvillette-Jamin, “ele joga com a gente duas vezes, às terças e quintas”, especifica seu treinador, sem contar as partidas. Depois, às quartas-feiras, treina com os surdos de Reims. “Ele costuma ter uma partida de futsal durante a semana, na segunda, quinta ou sábado. Quando não está jogando futsal, joga com surdos aos sábados. É alguém que passa facilmente por cinco sessões de futebol por semana”explica Mathieu Jahan.

Ele é o único surdo da equipe, mas para mim, não há desvantagem. Não há restrição. Tem a mesma licença que os outros

Mathieu Jahan, treinador de Arnold Thimon no clube de futebol La Neuvillette-Jamin

Em outubro passado, Arnold ficou preocupado. Ele não faz parte da seleção para o estágio nacional. “Ele ficou um pouco decepcionado, continua Mateus. Ele sabia que havia surdolimpicos no Brasil, e não ser levado em outubro, para uma competição no final de abril, foi um pouco estressante. Ele fez uma grande temporada conosco. Fiquei muito surpreso por ele não ter sido levado para a seleção da França naquela época. Ele é um jogador muito completo. Uma vez que ele está em uma banda, Arnold, é difícil tirá-lo. Ele realmente trabalhou e, portanto, é merecido. Para mim, era óbvio que ele foi selecionado. Se o treinador pegou, é porque fez a mesma observação”.

“Já tinha visto o nome dele na seleção francesa para surdos porque também estou nesse campeonato.explica Mathieu Jahan, mas eu não sabia exatamente se ele era um jogador importante”. A força de Arnold Thimon: conhecer diferentes posições e assumi-las plenamente. “Na seleção da França, ele joga no meio-campo, conosco ele joga como ala na direita ou na esquerda porque tem os dois pés”especifica o treinador de Reims.

READ  Rennes e Real Madrid estão interessados ​​em um brasileiro de 15 anos! — Foot11.com

Arnold diz que está muito orgulhoso de representar a França e a comunidade surda em competições internacionais. “Para a imagem do país jáexplica o jogador de Reims. E principalmente para a comunidade surda aos olhos do mundo, mesmo que ainda tenhamos um grande problema de reconhecimento”.

Quanto ao clube de Reims, também é um grande orgulho ver um de seus jogadores ir ao Brasil com a seleção da França. “Falei para ela curtir a praia, os biquínis!brinca Mathieu Jahan. Você vai jogar futebol no Brasil… é lendário. Deixe-o se divertir e mais uma vez, é merecido. Você não encontrará um jogador no elenco que falará mal de Arnold. Todo mundo quer jogar com Arnold porque ele é alguém que dá a si mesmo. Ninguém quer estar contra ele porque será sempre um adversário difícil de eliminar. Ele é o único surdo da equipe, mas para mim, não há desvantagem. Não há restrição. Ele tem a mesma licença que os outros.”

No Brasil, Arnold joga dia sim, dia não… “difícil de recuperar, fisicamente é muito difícil”, diz Mathieu Jahan novamente. Arnold, ele vive esta aventura com paixão. Como em 2017 para os Deaflympics na Turquia. Ele vai dar tudo, como sempre.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *