Uma chance para o Canadá no Campeonato Mundial da Fiba

Uma chance para o Canadá no Campeonato Mundial da Fiba

Será que o programa de basquete masculino do Canadá finalmente verá a luz no fim do túnel, 23 anos depois de ter competido pela última vez no torneio olímpico de Atenas?

É possível que os Maple Leafs consigam a passagem para os Jogos de Paris nas próximas semanas, após uma atuação bem-sucedida na Copa do Mundo da Fiba, realizada nas Filipinas, Japão e Indonésia.

Compartilhar o mundo lhes dá a oportunidade de entrar pela porta da frente em Paris. Mas o que indica que a seleção canadense estará à altura da situação, depois de mais de 20 anos alimentando o cinismo?

Já foi dito antes, mas desta vez parece mais verdadeiro do que nunca: a equipe que o Canadá colocará em campo na Ásia parece muito bem equipada para atingir esse objetivo. Aqui estão quatro histórias para os representantes do Maple Leaf assistirem nas próximas semanas.

Uma segunda passagem é desejável

Dos 12 países participantes do torneio olímpico de basquete, sete garantiram vaga ao final da Copa do Mundo, incluindo dois da América. Com os Estados Unidos como favoritos, Brasil, República Dominicana, México, Porto Rico, Venezuela e Canadá se despedirão. E destaca a ausência da Argentina, quarto país na classificação da FIBA, após sua repentina exclusão pelos dominicanos nas eliminatórias.

Canadá depois de derrotar a Venezuela

Foto: Reuters/Leonardo Fernández Viloria

Os brasileiros e os canadenses são os dois países que logicamente aspiram a uma vaga nos Jogos de Paris. Eles ocupam o 13º e o 15º lugar, respectivamente, na FIBA, uma hierarquia que perde um pouco de sua sutileza quando estrelas como Shay Gilgos-Alexander, natural de Ontário que nunca representou o Canadá, decidem entrar. SGA Nomeado para o primeiro time All-Star da NBA na temporada passada, ele é uma das maiores estrelas em ascensão da liga.

Porém, além de acompanhar as atividades do Canadá, você terá que ter o Brasil no canto do olho. A equipe inclui apenas um jogador da NBA – Raul Neto – mas um elenco sólido de jogadores com experiência em Copas do Mundo. A República Dominicana também pode ser uma carta vencedora na nossa busca pela qualificação para os Jogos Olímpicos. O jogador do Minnesota Timberwolves, Karl Anthony Towns, lidera a escalação anunciada ao mundo. Os dominicanos venceram os Canadiens por 94 a 88 em seu último jogo da pré-temporada, na sexta-feira.

READ  O último nome do brasileiro Paulinho a deixar o campeonato chinês

Seleção Canadense, Copa do Mundo de Basquete Fiba 2023 (em ordem alfabética)

  • R-Kyle Alexander, Hapoel Tel Aviv (Israel)
  • g – Níquel Alexander Walker, Minnesota Timberwolves (NBA)
  • J/A-RG Barrett, Knicks de Nova York (NBA)
  • g – Bandeja Bill Haynes, Casademont Saragoça (Espanha)
  • Dillon Brooks, Houston Rockets (NBA)
  • g – lujointz dort, Oklahoma City Thunder (NBA)
  • P-Zack Eddy. Caldeireiros da Universidade Purdue (NCAA)
  • Melvin Eggim, Unicajá (Espanha)
  • g – chá Giljus Alexander, Oklahoma City Thunder (NBA)
  • B. Kelly Olynyk, Utah Jazz (NBA)
  • A-Kevin Bangos, Olympia Milão (Itália)
  • a/b – Dwight Powell, Dallas Mavericks (NBA)
  • g – Phil Scoop, Leões do Rio Niágara (LECB)
  • A-Thomas Scrope, Ottawa Black Jacks (LECB)

Desafio francês

E para concluir o torneio entre os dois melhores países do continente, os canadenses terão, sem dúvida, que garantir uma vaga nos playoffs. Apenas as duas primeiras equipes de cada grupo receberão este privilégio. O Canadá está no seu grupo, juntamente com o Líbano, a Letónia e a França.

Este último, quinto colocado na FIBA, deve competir contra os representantes do Maple Leaf na liderança. Os franceses provaram seu valor em competições internacionais recentes. Eles ganharam o bronze nas duas últimas Copas do Mundo e depois a prata nos Jogos de Tóquio. Eles até venceram os Estados Unidos, liderados por Kevin Durant e Damian Lillard.

Este ano, eles devem apostar mais uma vez em suas grandes estrelas, incluindo o gigante Rudy Gobert, três vezes Jogador Defensivo do Ano da NBA.

Outro gigante, Kristaps Porzingis, anunciou em 15 de agosto que a fascite plantar o impediria de competir na Copa do Mundo pela Letônia. O que é um alívio para os canadenses, que podem facilmente aspirar a duas ou até três vitórias na fase de grupos. No entanto, a Letónia não deve ser esquecida, já que venceu 11 jogos consecutivos nas Eliminatórias Europeias. Porzingis compareceu espontaneamente a apenas duas dessas reuniões.

READ  Stephen Devore anuncia o fim da carreira no final da temporada!

equipe pequena

Um dos motivos pelos quais a seleção canadense de basquete masculino fracassou durante anos é a incapacidade de produzir jogadores boa forma Qualidade, capaz de recuperar rebotes e proteger o ringue contra os Giants adversários.

Novamente este ano, esta pode ser a sua ruína. Nos três jogos que a equipa disputou este mês até ao momento em que este artigo foi escrito – dois contra a Alemanha, depois um contra a Nova Zelândia – as fraquezas da defesa perto do ringue foram exploradas pelos adversários. A ansiedade foi um pouco mitigada por um chute defendido pelo central Kelly Olynyk contra o rival alemão Moritz Wagner, a segundos da prorrogação, na última partida da SuperTaça DBB, antes do torneio, para selar a vitória dos Reds.

A verdade é que nem Olynyk nem o seu colega Dwight Powell conseguiram dissipar as dúvidas sobre a sua posição. Um sinal alarmante quando você está no mesmo grupo de um certo Joubert.

Será que o inexperiente Zack Eddy, de 2,10 metros, terá um papel a desempenhar? Ele foi nomeado Jogador do Ano da NCAA College pela Purdue University Boilermakers. O técnico Jordi Fernandez não usou Eddy nas primeiras partidas da pré-temporada, mas suas aparições nos últimos três jogos sugerem que ele fará parte da equação quando o torneio começar.

Também será necessário monitorar se o casamento será feliz dentro da seleção canadense, da qual Fernández é capitão há menos de dois meses. Os dois jogadores tiveram raras oportunidades de jogar juntos. Enquanto muitas equipes contarão com a mesma força de trabalho que os ajudou a conquistar um lugar no mundo, o Canadá se concentrará em um grupo central de jogadores cuja temporada na NBA os fez perder o maior número de duelos nos treinos nacionais. Belo problema, claro

Murray saiu e Barrett levantou?

O Canadá poderia ter contado com a dupla de zagueiros mais perigosa do mundo, Shay Gilgios Alexander e Jamal Murray. Este último ajudou o Denver Nuggets a vencer seu primeiro campeonato da NBA em sua história. Em 16 de agosto, ele anunciou sua retirada do Internacional, citando uma breve pausa entre o final dos playoffs e o início da temporada seguinte da NBA. Não vamos esquecer também que uma ruptura do ligamento cruzado anterior o fez perder toda a temporada 2021-22.

Sua presença na Ásia na próxima semana teria dado ao Canadá uma excelente segunda opção para apoiar Gilgios Alexander. Ele realmente brilha nessa função com o Nuggets, atrás de Nikola Jokic, chegando a assumir a liderança quando surge a oportunidade. Sem ele, quem faria esse papel? À luz do que foi visto nos jogos da pré-temporada, RJ Barrett, o jogador de Toronto que joga no New York Knicks da NBA, receberá uma fatia maior do bolo do que o esperado. Ele se destacou no último jogo contra a Alemanha, acertando 13 dos 14 arremessos, incluindo o field goal da vitória, totalizando 31 pontos.

Foi Barrett, em particular, quem permitiu ao Canadá conquistar sua primeira medalha de ouro em um torneio da Fiba com a seleção Sub-19 em 2017. Ele foi eleito o MVP da competição.

Seis anos depois, a ideia de repetir um resultado semelhante entre os seniores parece uma fantasia, mas a qualificação para as Olimpíadas tornou-se uma meta óbvia e alcançável para os canadenses. O torneio começa no dia 25 de agosto com uma partida contra a França.

E se não conseguirem ingressos para Paris, os canadenses poderão voltar para um torneio de última hora no próximo ano. Porém, haverá muito mais candidatos, com apenas quatro vagas para 24 países.

Em 2021, em Victoria, no Canadá, faltavam duas vitórias para a qualificação para os Jogos de Tóquio. Uma amarga derrota por 103-101 na prorrogação para a azarão República Tcheca acabou com as esperanças do Canadá nas semifinais. Uma cesta de Tomas Satoranski selou o jogo faltando 1,4 segundos para o final da prorrogação.

E quem dificultou a vida dos canadenses durante esse encontro? Pivô: Ondrej Palvin, 7 pés e 1 polegada, autor de 19 rebotes! À medida que os anos passam e os problemas são semelhantes na folha de bordo. Resta saber se o resultado será o mesmo.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *