Uma espaçonave chinesa pousa no outro lado da lua

Uma espaçonave chinesa pousa no outro lado da lua

A Administração Espacial Nacional da China disse que a espaçonave pousou às 6h23, horário de Pequim, em uma enorme cratera conhecida como Bacia Antártica-Aitken.

Esta missão é a sexta do Programa de Exploração Lunar Chang’e, em homenagem à deusa chinesa da lua. Esta é a segunda vez que as amostras são devolvidas, depois da Chang’e 5, que o fez do lado próximo em 2020.

O programa lunar da China está a testemunhar uma concorrência crescente com os Estados Unidos e outros países, incluindo o Japão e a Índia, pela exploração espacial. A China colocou a sua própria estação espacial em órbita e envia regularmente tripulações para lá.

A potência mundial emergente pretende colocar um homem na Lua antes de 2030, tornando-se o segundo país depois dos Estados Unidos a fazê-lo, que planeia voltar a colocar astronautas na Lua – pela primeira vez em mais de 50 anos – embora NASA adiou A data prevista para 2026 foi definida no início deste ano.

Os esforços dos EUA para usar foguetes privados para lançar naves espaciais foram repetidamente adiados. Problemas de última hora no computador cancelaram o lançamento programado para sábado do primeiro vôo de astronauta da Boeing.

No início do sábado, um bilionário japonês cancelou seus planos de orbitar a lua devido à incerteza em torno do desenvolvimento de um foguete enorme pela SpaceX. A NASA planeja usar o foguete para enviar seus astronautas à lua.

Na missão atual da China, o módulo de pouso usará um braço mecânico e uma broca para coletar até 2 kg de material de superfície e subsuperfície e devolvê-lo a uma cápsula que atualmente orbita a Lua.

Um ascensor no topo do módulo de pouso devolverá as amostras ao orbitador em um recipiente de metal a vácuo. O contêiner será transferido para uma cápsula de reentrada que deverá retornar à Terra nos desertos da região da Mongólia Interior, na China, por volta de 25 de junho.

READ  Parélia – canal auditivo

As missões para o outro lado da Lua são mais difíceis porque requerem um satélite retransmissor para manter as comunicações.

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *