Uma etapa importante das negociações da OCDE antes do G20

Uma etapa importante das negociações da OCDE antes do G20

Depois do acordo “histórico” do G7 sobre a tributação global de empresas multinacionais, as negociações continuam esta semana na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico para chegar a um consenso entre os 139 países envolvidos.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), com sede em Paris, que é mandatada pelo G-20 para definir este piso tributário global e uma melhor distribuição da receita tributária de multinacionais, especialmente digital, está realizando uma reunião crítica na quarta-feira e Quinta-feira para tentar esboçar a reforma.

O momento da verdade será a reunião dos ministros das finanças do G-20 em Veneza nos dias 9 e 10 de julho, que – ou não – abrirá o caminho para um acordo final até o final do ano.

“Acho que nunca chegamos perto de um acordo”, estimou Pascal Saint-Aman, diretor de tributação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, em meados de junho.

“Há (Joe) Biden em uma dinâmica muito forte e os europeus querem um acordo. E acho que todos entendem que um acordo é melhor do que nenhum acordo. Impostos Gafa, impostos unilaterais, retaliação americana”, disse ele à BFM Business.

pelo menos 15%

A reforma visa acabar com a competição tributária em um momento em que os países estão gastando grandes somas para lidar com a pandemia, quando os gigantes digitais em particular ficaram mais ricos.

Sob o ímpeto dos EUA, o Grupo dos Sete nações em Londres estabeleceu a estrutura no início de junho, ao se comprometer com uma meta de alíquota de imposto corporativa global de “pelo menos 15%” e distribuição equitativa dos direitos de tributar os lucros das empresas multinacionais estabelecido em muitos países.

O acordo do Grupo dos Sete Grandes Potências (Reino Unido, França, Itália, Canadá, Japão, Alemanha, Estados Unidos) foi descrito como “histórico” pelo secretário do Tesouro Rishi Sunak, que presidiu a reunião.

READ  Resultados promissores para a vacina de fase II do Medicago

Resta agora expandir o consenso para incluir todos os países que participam das discussões.

No entanto, a taxa de 15% proposta pelos Estados Unidos não é unânime – inclusive no Congresso dos EUA, onde os republicanos se opõem a ela.

Dentro da União Europeia, alguns que fizeram da concorrência fiscal um de seus motores de atração, como a Irlanda ou a Hungria, expressaram relutância.

A Polônia, que é resiliente há muito tempo, na semana passada deu seu apoio ao projeto. Apoio “decisivo” ao ministro da Economia da França, Bruno Le Maire.

“Linha Vermelha”

Persuadir a China, que também tem “preocupações” com o projeto, nas palavras da secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, também será um desafio.

Duas fontes envolvidas nas negociações disseram à AFP que o gigante asiático está aplicando alíquotas reduzidas de impostos corporativos em algumas atividades inovadoras e não quer uma alíquota inferior a 15%.

O Reino Unido pretende isentar o seu sector financeiro do primeiro pilar da reforma, que altera a atribuição de direitos que devem ser tributados não apenas de acordo com o local do estabelecimento fiscal, mas de acordo com o país onde o volume de negócios é realizado.

Outros pontos ainda não foram apurados, com base no imposto mínimo futuro ou com base no número de empresas que serão afetadas pela nova distribuição de direitos a serem tributados.

A proposta dos EUA visa as 100 maiores empresas multinacionais. Um número insuficiente foi estimado ao final de maio pelo Grupo dos 24, grupo intergovernamental de 24 países emergentes, entre eles Argentina, Brasil e Índia.

A França também quer garantir que todos os gigantes digitais sejam afetados pela reforma. É uma “linha vermelha” para Paris, disse Bruno Le Maire.

READ  Walmart's customers do not expect a quick economic recovery, says the top executive

Surgiram questões em relação à Amazon, cuja atividade, como a distribuição, não é considerada lucrativa o suficiente para cair no âmbito da reforma, ao contrário do cloud +, atividade em que o gigante americano obtém lucros significativos.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *