Uma grande rota aberta pelos jovens alpinistas aventureiros da FFME

Uma grande rota aberta pelos jovens alpinistas aventureiros da FFME

Programa Roc Aventure (RAP) paraFederação Francesa de Montanha e Escalada (FFME) Acabou de concluir seu mais recente projeto de equipar uma importante rodovia do Brasil. com rapiosa (900m, 8A máx.)a turma RAP 2021/2023 acaba de virar a página de um passado competitivo e resinoso para abrir a página de um futuro verticalmente aventureiro.

Artigo recomendado: Uma grande estrada técnica aberta em La Sure, em Vercors


A Grande Muralha da Pedra Rescada no Brasil © RAP FFME

No coração da serra mineira, na Pedra Rescada, a equipe RAP FFME acaba de inaugurar o percurso rapiosa (900 m, 8 A máx.). Jonathan Cresson foi flagrado durante um projeto pessoal e explica por que levou o grupo FFME para lá: »

Com 11 séries acima de 7a+, 4 acima de 7c e uma de 8a, o curso longo não deve ser repetido com frequência. “É difícil, íngreme, íngreme até, Que elegante! É um pouco como Tsaranoro em Madagascar, mas mais longo. »

Equipe forte e organizada

Este RAP deve ser visto como uma oportunidade para diferentes estilos e práticas de escalada. O principal objetivo é formar jovens em técnicas de aventura (tradicional, multi-pitch, downhill). A segunda é proporcionar-lhes experiência na abertura, preparação e manutenção de pistas e locais. Por fim, o projeto permite que os atletas continuem atuando fora das competições tradicionais.

“Não é fácil abrir um percurso tão grande. É cansativo e escalar tão difícil é quase anedótico. Acima de tudo, é preciso ser organizado, metódico, indiferente e, acima de tudo, resiliente física e mentalmente.” explica Jonathan Cresson, responsável pelo programa com o campeão mundial de dificuldade de 2001, Jerome Bouvreau.

Graças à organização militar e também à preparação adequada, Esteban Dallego, Léa Delaquis, Margot Deschamps, Thomas Joan, Kenza Salamati e Tanguy Tobin conseguiram superar 21 distâncias. rapiosa Em 9 dias! rapiosa“, ou “Angry” em espanhol e título de uma música de Shakira, foi batizada em homenagem ao gato do falecido Jonathan Cresson, batizado em homenagem ao cantor colombiano e que foi atropelado por um carro durante a viagem.

READ  Beyoncé surpreende fãs com aparição surpresa na exibição de “Renaissance” no Brasil

© RapFFME
© RapFFME

Esteban nos conta rapidamente sobre a organização: “Éramos seis pessoas, mais Jonathan e Jerome, então formamos duas equipes de quatro. No início, fazíamos isso dia sim, dia não com o outro time e depois de montar o acampamento e as bordas do portão no campo 11, fizemos isso por dois dias e depois dois dias.”

Antes do ataque, todas as manhãs, é necessário amarrar os campos preparados no dia anterior, o que às vezes pode levar até uma hora e meia para chegar ao acampamento preparado no décimo primeiro campo. “A estratégia implementada baseia-se em que o primeiro esteja equipado da melhor forma possível com o Pulse 8 mm da Petzl (parafusos removíveis, nota do editor) e o segundo garanta isso. O terceiro gerencia as malas, a logística e o levantamento enquanto o quarto localiza e reequipa tudo com parafusos de 10 mm!” »

Depois de montadas as bordas, as equipes trabalham em rodízio: dois dias sim, dois dias de folga. Para o jovem Esteban, supervisor e treinador do Chambéry Escalade, foi uma oportunidade fazer parte da equipa FFME RAP. “Aprendi muitos truques, sobretudo com a experiência. Agora me motiva a equipar perto de minha casa em Chamonix ou mesmo em todo o mundo. Eu também gostaria de tentar fazer algumas paredes grandes e sólidas. Há muito o que fazer! » Nos últimos dois anos, a classe RAP já teve a oportunidade de treinar na Grande Rota em Verdon, no Tarn, até na Grande Muralha na Noruega ou mesmo no Ticino no outono passado com Apriti Silo (1150 metros e 36 quadras).

topo
Topo “Rabiosa” © RAP FFME


Enorme potencial de desenvolvimento

Jonathan explica que no Brasil, “O prédio está aberto para ser o primeiro, não para que a estrada se repita”. A abordagem dos abridores e integrantes das seleções brasileiras, argentinas ou colombianas é baseada em equipamentos leves e espaçados, com espírito montanhês aliado a um padrão bastante elevado.

READ  Brasil - Bélgica: Courtois fez uma defesa incrível contra Neymar no final da partida

Talvez seja por isso que o spot brasileiro ainda não tem reputação igual à de Madagascar ou da Jordânia. Ávido por conselhos para ajudá-los a melhorar sua escalada no local, Jonathan elaborou alguns itens para reflexão “As rotas fáceis são poucas e mal equipadas. É ótimo, temos que manter esse espírito aventureiro, mas também desenvolver grandes rotas comerciais para atrair pessoas e desenvolver a escalada lá. Foi o que expliquei aos moradores que estavam entusiasmados, embora eles ainda trabalhavam como compactadores. Joe Cresson identifica.

Facilmente entenderemos que é menos cansativo colocar 4 pontas de 40 metros de comprimento e furar um pouco do que colocar cerca de vinte pontas quando demora 20 minutos para plantar um prego! Resta saber se o desenvolvimento da escalada do outro lado do mundo é o horizonte desejado…

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *