Vacinação de VIPs “Vacunagate” .. os principais escândalos de corrupção em torno da Covid

Vaccination VIP, "vacunagate"... Les principaux scandales de corruption autour du Covid

Como o Brasil, onde os promotores decidiram na sexta-feira abrir uma investigação sobre acusações “evasivas” contra o presidente Jair Bolsonaro, vários países viram explodir escândalos em torno do coronavírus.

Brasil: acusações contra Bolsonaro

O presidente brasileiro de extrema direita, Jair Bolsonaro, é suspeito de não ter relatado uma tentativa de corrupção dentro do Ministério da Saúde devido à compra das vacinas Covid-19.

Um oficial médico importador do ministério informou-o de uma conta suspeita de US $ 45 milhões por três milhões de doses da vacina Covaxin do laboratório indiano Bharat Biotech. No entanto, nenhuma vacina foi fornecida e a Covaxin não recebeu a aprovação das autoridades de saúde.

O funcionário e seu irmão deputado disseram a um comitê do Senado que Bolsonaro garantiu que encaminharia o caso à polícia federal. O que ele aparentemente não fez, o que levou a acusação a abrir esta investigação sobre as alegações de evasão.

África do Sul: Contratos Públicos

Na África do Sul, quase € 820 milhões em contratos relacionados com a luta contra a Covid estão até agora sujeitos a investigações de corrupção. Casos de 63 funcionários públicos foram encaminhados ao Ministério Público e 87 empresas foram colocadas na lista negra e não poderão mais ganhar contratos públicos.

Uma investigação teve como alvo dois parentes do Ministro da Saúde, Zweli Mkhize, a quem o presidente Cyril Ramaphosa havia concedido uma “licença especial” em 8 de junho.

Peru: “vacunagate”

Em fevereiro de 2021, o Peru foi abalado pelo escândalo “Vagonagate” vinculado à vacinação contra a Covid-19, que levou à renúncia dos ministros da Saúde e das Relações Exteriores.

Pelo menos 487 pessoas foram vacinadas indevidamente antes mesmo do início da campanha nacional, que começou em 9 de fevereiro, tendo como alvo os profissionais de saúde.

Entre eles, o ex-presidente Martin Vizcarra, que foi vacinado a partir de outubro de 2020 a seu pedido, segundo o médico que conduziu o ensaio clínico da vacina chinesa Sinopharma no Peru. No entanto, o teste de Vizcara deu positivo em abril.

“Vacinas VIP” na Argentina e Equador

Em fevereiro de 2021, eclodiu na Argentina o escândalo das “Vacinas VIP”, obrigando o ministro da Saúde, Genis Gonzalez Garcia, a renunciar, após ter sido revelado que ele havia sugerido a seus amigos a vacinação no ministério sem marcar hora. Ao hospital.

As autoridades divulgaram uma lista de 70 pessoas que receberam a vacina incorretamente, embora não se enquadrassem na categoria de prioridade na época. Incluía o ministro da Economia, o ex-presidente Eduardo Duhalde, sua esposa e filhos.

No Equador, o ministro da Saúde, Juan Carlos Zevallos, renunciou, também em fevereiro, por envolvimento em um escândalo ligado à vacinação de pessoas sem prioridade, inclusive familiares.

READ  Economia - Petrobras atingiu produção recorde em 2020, de mais de 5 milhões de barris por dia

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *