Você contrai COVID-19 duas vezes em menos de 20 dias

Se os casos de reinfecção com COVID no início da epidemia eram bastante raros, o quadro mudou drasticamente com o advento da variante Omicron.

• Leia também: O tratamento hospitalar continua em alta

• Leia também: COVID-19: Pequim expande testes, teme contenção

• Leia também: Juiz impede pai de se manifestar contra procedimentos de saúde de sua filha de 9 anos

Pesquisadores espanhóis descobriram que um profissional de saúde espanhol de 31 anos contraiu COVID duas vezes em 20 dias, o caso mais curto já documentado novamente.

Os testes mostraram que a mulher contraiu dois tipos diferentes de COVID: via Delta no final de dezembro e Omicron em janeiro.

Segundo os pesquisadores, este exemplo mostra que uma pessoa infectada com o vírus COVID ou que foi vacinada não está necessariamente imune, segundo a BBC.

No Reino Unido, as autoridades pedem um período de 90 dias entre dois testes positivos para reinfecção.

Com base nessa definição, as autoridades de saúde dizem que quase 900.000 pessoas provavelmente serão reinfectadas até abril de 2022.

A espanhola não apresentou sintomas após seu primeiro teste positivo, mas menos de três semanas depois desenvolveu tosse e febre que a levaram a fazer outro teste.

Quando os testes foram analisados ​​com mais detalhes, eles mostraram que o paciente havia contraído duas cepas diferentes de coronavírus.

Em uma apresentação na Conferência Européia de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas, a autora do estudo, Dra. Gemma Risio, disse que o caso mostrou que a Omicron pode “escapar da imunidade pré-adquirida tanto de infecções naturais com outras variantes, quanto de vacinas”.

Em outras palavras, as pessoas que contraíram o Covid-19 não podem presumir que estão protegidas da reinfecção, mesmo que tenham sido totalmente vacinadas.

READ  Colapso na Flórida: a condição do edifício continua a se deteriorar

“No entanto, parece que a infecção anterior com outras variantes e a vacinação protegem parcialmente contra doenças graves e hospitalização em pessoas com ômícrons”, acrescentou o médico.

As infecções por COVID aumentaram acentuadamente em dezembro de 2021 após o aparecimento da variante mais infecciosa do Omicron, também devido ao BA.2, que apareceu no início de março.

Antes da Omicron, 1% de todos os casos registrados no Reino Unido eram classificados como uma segunda infecção – mas esse número agora subiu para 11%.
A maioria provavelmente são pessoas infectadas com variantes alfa ou delta e, em seguida, reinfectadas com o mícron mais infeccioso.

Os cientistas acreditam que todos acabarão recebendo COVID duas vezes, e provavelmente várias vezes durante a vida.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *