Xinjiang: ONU inicia visita a campo minado na China

Pequim | A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos encontrou-se com a ministra chinesa das Relações Exteriores, na segunda-feira, no início de uma visita à China dedicada ao tratamento das minorias muçulmanas em Xinjiang que ela espera maximizar.

• Leia também: Joe Biden em Tóquio: Estados Unidos e Japão levantam suas vozes contra Pequim

Após vários anos de difíceis negociações com as autoridades chinesas, Michelle Bachelet, a ex-presidente chilena de 70 anos, deve ficar seis dias no país, até sábado.

“Estou ansioso para interagir com muitas pessoas diferentes durante a minha visita. Vou discutir questões muito importantes e delicadas. Espero que isso nos ajude a construir confiança”, disse o mestre.mim Bachelet durante uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, em Guangzhou.

Fontes diplomáticas disseram à AFP que, na segunda-feira, ela conversou por videoconferência com chefes de delegações de cerca de 70 embaixadas estrangeiras na China.

Segundo essas fontes, Michelle Bachelet garantiu aos diplomatas que negociou o acesso aos centros de detenção e pode falar com ativistas locais de direitos humanos.

As Nações Unidas estão cancelando desde 2018 com Pequim para “acesso livre e significativo” a Xinjiang.

Esta região tem sido palco de ataques atribuídos aos separatistas uigures e islâmicos pelas autoridades. Há vários anos que é alvo de uma rigorosa política de vigilância implementada em nome do contraterrorismo.

Estudos acusam a China de deter pelo menos um milhão de uigures e membros de outras minorias muçulmanas em campos de reeducação e até de forçar trabalhos forçados. Pequim nega as acusações.

visite M.mim Bachelet é a primeira Alta Comissária para os Direitos Humanos da China desde 2005.

READ  Facebook desmonta novas redes de desinformação política vinculadas ao COVID

Você deve ir especialmente para Urumqi, a capital de Xinjiang, bem como Kashgar, uma cidade no sul da região onde há uma população uigur particularmente grande.

“Círculo fechado”

Michelle Bachelet se reunirá com “uma série de altos funcionários nos níveis nacional e local” e garantiu ao seu Gabinete “organizações da sociedade civil e representantes do mundo empresarial, bem como acadêmicos”.

Wang Wenbin, porta-voz da diplomacia chinesa, disse à imprensa na segunda-feira que, devido à epidemia, a visita ocorrerá em um “círculo fechado”, ou seja, em uma bolha de saúde.

Pela mesma razão, disse ele, o Alto Comissariado e a China “após discussão” decidiram não incluir os jornalistas na delegação.

Mas essa permanência está sob escrutínio minucioso, e muitos temem que a China use a visita para se livrar das acusações de que é alvo.

A Organização Chinesa de Defensores dos Direitos Humanos, com sede em Washington, disse na segunda-feira que sua visita será “cuidadosamente gerenciada e organizada” por Pequim.

A ONG afirma que “receamos (…) que não tenham acesso livre às vítimas, testemunhas e membros independentes da sociedade civil” e que “o governo chinês distorce as suas opiniões”.

Os Estados Unidos, que acusam a China de “genocídio” e criticam Mmim Bachelet disse sobre seu “silêncio contínuo” diante das “atrocidades”, ela estava “preocupada” com a visita.

“Não esperamos que a República Popular da China garanta o acesso necessário para uma avaliação completa e franca da situação dos direitos humanos em Xinjiang”, disse Washington na semana passada.

Medo de vingança

Os uigures muçulmanos são o principal grupo étnico em Xinjiang, com uma população de 26 milhões.

Estudos ocidentais, baseados em interpretações de documentos oficiais, testemunhos de supostas vítimas e extrapolações estatísticas, acusam Pequim de manter pelo menos um milhão de pessoas em “campos”, realizar esterilizações “forçadas” ou mesmo impor “trabalhos forçados”.

READ  Separatistas pró-Rússia ainda admitem ter matado milhares de ucranianos em Mariupol

A China apresenta os campos como “centros de treinamento vocacional” destinados a combater o extremismo religioso e treinar a população no comércio para garantir a estabilidade social.

Pequim diz que não impõe nenhuma esterilização, mas apenas aplica a política nacional de controle de natalidade que antes era pouco praticada na região.

De acordo com estudiosos e uigures que residem no exterior, parece que as autoridades de Xinjiang abandonaram as duras repressões para se concentrar no desenvolvimento econômico.

“Agora não há muitas evidências claras de repressão”, disse à AFP Peter Irwin, do Uyghur Human Rights Project.

O medo de represálias pode impedir os uigures de falar livremente com a equipe da ONU, segundo grupos de direitos humanos.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *