Zidane, Messi … antes de “Ibra”, o grande retorno por escolha

pele

Pelé venceu as Copas do Mundo de 1958 (na Suécia) e 1962 (no Chile), e teve um pesadelo durante a Copa do Mundo de 1966 na Inglaterra, vítima dos golpes de seus oponentes e da arbitragem frouxa. Aí decidiu focar no seu clube, o Santos, e ficaria dois anos sem usar a camisa de sua escolha. Mas a Copa do Mundo de 1970 se aproximava e o futebolista fundou a seleção nacional por ordem do ex-companheiro Mario Zagallo. Pelé vai brilhar no México enquanto o Brasil conquista seu terceiro título mundial. Ele se aposentou internacionalmente um ano depois, durante uma partida contra a Iugoslávia, no Maracanã.

Paul Gascoigne

Convocado pela primeira vez em 1988 por Bobby Robson, Gascoigne representaria o futebol inglês em suas aventuras, mas também com suas lágrimas nas semifinais da Copa do Mundo de 1990, durante a derrota na disputa de pênaltis para a Alemanha. Robson deixa a escolha e Gascoigne é demitido por seu sucessor, Graham Taylor. Ele volta para um amistoso, mas se lesiona e perde a Euro 1992. Ele se machucou novamente em 1994 e esteve ausente por um ano e meio. Em 1997, ele ajudou a Inglaterra a se classificar para a Copa do Mundo de 1998 na França, mas após um novo escândalo, Glenn Hoddle não o manteve para o Campeonato Mundial. Gazza nunca mais usará uma camisa inglesa.

Zinedine zidane

Um ano depois de anunciar sua aposentadoria internacional após sua eliminação nas quartas de final do Euro 2004, Zidane anunciou seu retorno ao Blues. Por ordem de Raymond Dominic, Zizou levou a França à final da Copa do Mundo de 2006 na Alemanha, mas encerrou sua carreira extraordinária com um famoso gol de cabeça contra o italiano Marco Materazzi, que o desclassificou. A França, que abriu o placar com um pênalti “ZZ”, tende a cobrar pênaltis e aventura no Azul de La Castellane que termina com um gostinho de ação inacabada.

Lilian Thuram e Claude Makelele

Assim como Zidane, Thuram e Makeley anunciaram sua aposentadoria internacional após o fracasso do Euro 2004. Porém, motivados pela perspectiva do Campeonato Mundial de 2006, anunciaram como “ZZ” que voltariam ao Blue e participariam da saga na Alemanha. Em junho de 2008, depois de deixar a estrada na primeira rodada do Euro, o defensor e o meio-campista da defesa anunciaram sua última aposentadoria internacional. Com 142 seleções, Thuram continua sendo o jogador francês mais coroado.

Ronaldinho

Mais sagrado campeão do mundo em 2002 com o Brasil, Ronaldinho que se revelou em Paris Saint-Germain antes de explodir em Barcelona, ​​é regularmente convocado para a seleção. Grávida na Copa do Mundo de 2006 na Alemanha, ficou 18 meses sem ser convocada e não fez parte da pré-seleção para a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul. Ele foi finalmente convocado no último minuto como soldado da reserva, sem competir nas competições. Em seguida, “Rooney” será chamado regularmente em cheque de 2010 a 2013.

Lionel Messi

Para Messi, coroado de sucessos no Barcelona, ​​foram as frequentes desilusões com a Argentina que o levaram a afastar-se temporariamente da seleção. Após derrota na final da Copa do Mundo de 2014 e na final da Copa América 2015, Messi tropeça novamente na etapa final da final da Copa América 2016. “A escolha acabou para mim, é a quarta final que eu perco, e o terceiro consecutivo ”, lançado em 26 de junho de 2016, Bitterly. Uma pequena frase afunda todo o país de medo. Mas essa queda internacional não durou: Messi reconsidera suas palavras depois de dois meses e vai para a Copa do Mundo de 2018 … sem mais sucessos: eliminação em oitavo lugar contra a França (4-3) e um novo arco internacional para os seis – vezes a Bola de Ouro, que faz uma pausa até o início de 2019.

READ  Brasil: Justiça suspende pagamento de multa de Neymar ao fisco

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *