A escola no mundo foi gravemente afetada pelo vírus Covid, mas está tentando se adaptar

O mundo passou pela pior crise educacional de todos os tempos em dois anos, o que resultou em períodos variados de fechamento de escolas, embora tenha havido progresso no segundo ano.

• Leia também: Com Omicron, o fim da epidemia é ‘razoável’

• Leia também: Vários milhares de manifestantes em Bruxelas contra as restrições de saúde

• Leia também: Pequim explora um bairro inteiro duas semanas antes das Olimpíadas de 2022

À medida que os países se adaptam à UNESCO, a interrupção global da educação causada pela pandemia de Covid-19 é a pior crise educacional de todos os tempos.

“No entanto, há uma mudança perceptível entre dezembro de 2021 e janeiro de 2022: não há mais fechamentos de escolas em massa, os estados conseguiram instalar um novo modelo de gestão de crises com a capacidade de manter as escolas abertas graças à adoção de um sistema fortalecido e seguro. sistema de “protocolos de saúde”, garante UNESCO à AFP.

Países como França, Brasil e México implementaram novas medidas, como distanciamento, fechamento caso a caso, além da tradicional lavagem das mãos ou uso de máscara, continuamos a mesma fonte.

França, Canadá e Itália também recorreram aos testes.

Atualmente, as escolas estão abertas em 35 países. Em todo o mundo, 25 países também optaram no início do ano por adiar a reabertura das suas escolas após as férias de Natal. Doze países optaram por fechar completamente, em comparação com 40 na mesma data do ano passado, segundo a UNESCO.

“A mensagem de que é necessário deixar as escolas abertas, do ponto de vista social e do bem-estar das crianças, foi consequentemente transmitida ao nível de diferentes países”, congratula-se a UNESCO.

READ  Novo documentário sobre Pelé em fevereiro

Os países que fecharam suas escolas por mais tempo nos últimos dois anos, e os países que fecharam suas escolas por mais tempo, ou seja, mais de 60 semanas, são Bangladesh, Kuwait, Filipinas, Uganda e Venezuela.

Se for levado em conta o fechamento parcial, Uganda totalizou mais de 60 semanas de total e 23 semanas de parcial, Bolívia totalizou 43 semanas e 39 semanas respectivamente, Nepal totalizou 35 semanas e 47 semanas respectivamente, e finalmente Índia 25 semanas e 57 semanas.

Os países que fecharam pelo menos quatro países do mundo nunca recorreram ao fechamento de suas escolas por dois anos: Bielorrússia, Burundi, Nauru e Tadjiquistão.

E dezenas deles nunca recorreram ao bloqueio total, incluindo Rússia, Estados Unidos e Austrália. A Oceania é a região do mundo que pelo menos fechou suas temporadas.

A França, com um fechamento total de 7 semanas e um fechamento parcial de 5 semanas, é um dos 10% dos países do mundo que fecharam pelo menos suas escolas.

Consequências O encerramento de escolas ou instituições de ensino superior por um período bastante prolongado teve consequências graves, sobretudo nos países de rendimento baixo e médio. Nesta categoria, a proporção de crianças afetadas pela pobreza de aprendizagem – de 53% antes da pandemia – pode chegar a 70%.

Partes do Brasil, Paquistão, Índia rural, África do Sul e México, entre outros países, sofrem perdas significativas de aprendizado em matemática e leitura.

Segundo a UNESCO, até 2030, “nenhuma região do mundo planeja alcançar o ensino médio universal”, “os professores estimam que apenas um terço dos alunos terão habilidades matemáticas básicas” e “33% dos alunos não conseguirão ler a frase no final do ensino fundamental”.

No longo prazo, a geração mais jovem atualmente na escola corre o risco de perder quase US$ 17 trilhões em renda devido a ineficiências causadas pelo fechamento de instituições relacionadas à pandemia, preocupando o Banco Mundial e as agências da ONU.

READ  Futebol dos Jogos de Tóquio: Stephanie Labé empurrou os canadenses para um quarto da competição

“A perda de aprendizagem que muitas crianças experimentam é moralmente inaceitável. O potencial aumento da pobreza de aprendizagem pode ter um impacto devastador na produtividade futura, ganhos e bem-estar desta geração de crianças, jovens, suas famílias e economias globais”, disse Jaime Saavedra, Diretor Global de Educação do Banco Mundial, citado em relatório publicado em dezembro.

A prioridade agora é “levar todas as crianças de volta à escola, especialmente as meninas em alguns países”, observa a UNESCO.

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *