A mancha escura de Netuno foi observada pela primeira vez na Terra

A mancha escura de Netuno foi observada pela primeira vez na Terra

Uma grande mancha escura foi observada pela primeira vez na atmosfera de Netuno usando um telescópio terrestre.

A descoberta foi feita usando o espectrômetro MUSE, um instrumento do Very Large Telescope (TGT) do Observatório Europeu do Sul (ESO), no Chile.

Estas estruturas ocasionais contra o fundo azul da atmosfera de Neptuno são um mistério para os astrónomos, e os novos dados fornecem pistas adicionais sobre a sua natureza e origem.A organização observa em um comunicado de imprensa.

A Grande Mancha Escura foi detectada pela primeira vez no hemisfério norte de Netuno pela sonda Voyager 2 em 1989. Desde então, ela tem aparecido e desaparecido a cada poucos anos.

Esta imagem mostra Netuno observado com o instrumento MUSE montado no Very Large Telescope do European Southern Observatory.

Foto: Observatório Europeu do Sul/B. Irwin et al.

Netuno 101

  • O planeta é o oitavo e último planeta do sistema solar.
  • Ele está localizado a 4.490 milhões de quilômetros do sol.
  • Recebe 900 vezes menos luz que a Terra, então a temperatura média em sua superfície é de -213 graus Celsius.
  • Netuno possui 13 satélites, dois dos quais (Nereidas e Tritão) podem ser vistos da Terra.
  • O planeta tem quatro anéis feitos de matéria escura e, portanto, é difícil de observar.

Pontos comuns

Várias manchas grandes foram descobertas nas atmosferas de planetas gigantes. A mais famosa delas é, sem dúvida, a Grande Mancha Vermelha de Júpiter, considerada a maior tempestade do sistema solar. Este anticiclone de 16.000 km de largura existe há mais de 185 anos.

A mancha descoberta em Netuno, identificada pela primeira vez pela Voyager 2, é muito menos conhecida. Seria uma tempestade anticiclone como a de Júpiter, mas o seu interior teria relativamente poucas nuvens.

Por esta razão, a teoria apresentada até agora por alguns cientistas é que a mancha é causada por A delicado Nas nuvens.

Novas notas

Observações feitas pelo Telescópio Espacial Hubble em 2018 permitiram notar diversas manchas escuras na atmosfera de Netuno, incluindo uma no hemisfério norte do planeta.

Dado que estas manchas escuras não são estruturas permanentes na atmosfera de Neptuno, os astrónomos associados ao TGT rapidamente rodaram-nas na direção de Neptuno.

Utilizando o instrumento MUSE, o professor Patrick Irwin e colegas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, conseguiram decompor a luz solar reflectida de Neptuno e da sua mancha nas suas diferentes cores (comprimentos de onda) e obter um espectro tridimensional.

A equipe conseguiu assim analisar a mancha com mais detalhes do que antes.

Estou muito feliz por não apenas ter conseguido descobrir uma mancha escura na Terra pela primeira vez, mas também por ter conseguido registrar o espectro de refletância de tal mancha pela primeira vez.

As análises da equipe astronômica mostram que essas manchas são provavelmente o resultado do escurecimento das moléculas de ar em uma área da atmosfera localizada abaixo da camada principal de neblina, quando esta se mistura com o gelo presente na atmosfera do planeta.

Além disso, o espectro permitiu aos astrônomos determinar melhor a altura em que a mancha escura estava localizada na atmosfera do planeta. O espectro também forneceu informações sobre a composição química das diferentes camadas da atmosfera, o que ajudou a equipe a entender por que a mancha parece escura.

Tipo desconhecido de nuvem

As observações também revelaram um tipo muito raro de nuvem na forma de uma mancha brilhante próxima à grande mancha escura. Descobrimos um tipo raro de nuvem profunda e brilhante que nunca foi reconhecida antes, mesmo do espaçoExplica o astrônomo americano Michael Wong, coautor do estudo e pesquisador da Universidade da Califórnia, Berkeley.

Esta nuvem brilhante está no mesmo plano da principal mancha escura da atmosfera. São, portanto, um tipo de nuvem completamente novo em comparação com as pequenas nuvens de gelo de metano de alta altitude observadas anteriormente.Notas do ESO.

Um passo gigante

De acordo com Michael Wong, essas notas aparecem Um aumento incrível na capacidade da humanidade de observar o universo.

Inicialmente, só poderíamos descobrir esses locais enviando naves espaciais, como a Voyager, para lá. E então ganhamos a capacidade de distingui-los à distância graças ao Hubble. Finalmente, a tecnologia evoluiu para nos permitir fazer isso a partir da Terra.

Detalhes dessas observações são tema de artigo publicado na revista Astronomia da Natureza (Uma nova janela) (Em inglês).

Menos saques desde 2019

Além disso outro estudo (Uma nova janela) Uma pesquisa publicada no início de agosto mostra que existe uma ligação entre a abundância de nuvens na atmosfera de Netuno e o ciclo solar de 11 anos.

A descoberta é baseada em três décadas de observações de Netuno feitas pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA e pelo Observatório WM Keck no Havaí, bem como em dados do Observatório Lick na Califórnia.

Atualmente, a cobertura de nuvens observada em Netuno é muito baixa, com exceção de algumas nuvens pairando sobre o Pólo Sul. A abundância de nuvens normalmente vistas nas latitudes médias do gigante gelado começou a desaparecer em 2019.

READ  Finalmente! O WhatsApp oferece chamadas de voz e vídeo na área de trabalho

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *