A onda de divulgações de denúncias continua a dominar o Facebook

O Facebook estava ciente do extremismo de muitos usuários e da avalanche de desinformação relacionada à eleição presidencial de 2020 nos Estados Unidos, mas não reagiu de acordo com documentos de denúncias, Francis Hogan, obtidos por vários jornais americanos.

• Leia também: Um novo informante acusa o Facebook de todo mal

Essas descobertas são as mais recentes de uma longa fila, desde a primeira onda de investigações publicadas pelo Wall Street Journal em setembro graças a relatórios internos retransmitidos por esse ex-funcionário do grupo da Califórnia.

Na sexta-feira, artigos no New York Times, no Washington Post e até na NBC enfocaram o papel do Facebook na polarização profunda da vida política nos Estados Unidos.

No início de novembro, poucos dias após a votação, um analista disse a seus colegas, por exemplo, que 10% do conteúdo político visto pelos usuários americanos da plataforma eram mensagens confirmando que a votação havia sido fraudada, segundo o New York Times. . .

Esses rumores infundados, espalhados pelo ex-presidente Donald Trump, irritaram muitos conservadores e conspiradores, que culminaram nos distúrbios no Capitólio em 6 de janeiro.

Os partidários do bilionário republicano invadiram o Congresso naquele dia ao ratificar o democrata Joe Biden. Cinco pessoas morreram durante ou logo após o ataque.

No processo, o Facebook, como o Twitter e outras plataformas importantes, baniu Donald Trump e os movimentos extremistas envolvidos nos distúrbios.

Mas, de acordo com uma divulgação na sexta-feira, os funcionários do grupo da Califórnia acreditam que poderiam ter previsto o problema melhor.

Esta informação foi extraída de milhares de documentos internos que Francis Haugen arquivou na Securities and Exchange Commission, a Securities and Exchange Commission.

No início de outubro, reiterei aos senadores americanos que os líderes da empresa, Mark Zuckerberg à frente, “financiam seus lucros com nossa segurança”.

READ  Coronavírus: dois casos da variante Omicron detectados em Ontário

Estudos anteriores mostraram que o Facebook está ciente dos problemas psicológicos das vidas e corpos aparentemente “perfeitos” de adolescentes superexpostos e influenciadores no Instagram.

Esse é o traço comum entre essas descobertas: o gigante das mídias sociais sabia dos problemas, mas optou, na maioria das vezes, por ignorá-los, de acordo com o denunciante e outras fontes anônimas.

Os artigos de sexta-feira referem-se a um relatório intitulado “A jornada de Carol para Qunun”.

Carol Smith, uma “mãe conservadora da Carolina do Norte”, era uma conta falsa criada por um pesquisador, instigado pelo Facebook a estudar o papel da plataforma na atração de usuários.

Segundo a pesquisadora, no verão de 2019, Carol Smith foi exposta pelo algoritmo da rede social a “uma torrente de conteúdos extremistas, conspiratórios e chocantes”, incluindo grupos do movimento QAnon.

Diante dessa nova onda de críticas, o Facebook divulgou um comunicado lembrando seus significativos investimentos na limpeza de suas plataformas e no apoio ao processo democrático.

“Mas a responsabilidade pela insurgência recai sobre aqueles que infringem a lei e aqueles que os incitam a fazê-lo”, disse Jay Rosen, vice-presidente do Grupo de Integridade Cívica.

Essa defesa tem poucas chances de satisfazer os governantes eleitos que se reuniram contra a rede social.

Principalmente porque a enxurrada de revelações não para: um consórcio de dez organizações jornalísticas, da CNN ao mundo, se prepara para publicar artigos baseados nesses documentos, segundo o site especializado The Information.

Um novo denunciante surgiu, de acordo com uma reportagem do Washington Post na sexta-feira.

Como ex-membro da Equipe de Integridade Civil, ele apresentou uma declaração à Comissão de Valores Mobiliários em 13 de outubro, acusando o Facebook de colocar os lucros acima das questões humanitárias.

READ  Biden 2024? | Quebec Magazine

Nesse documento, o ex-funcionário, em particular, relaciona os comentários feitos em 2017, quando a empresa estava decidindo a melhor forma de administrar a polêmica relacionada à interferência da Rússia nas eleições presidenciais dos EUA de 2016, por meio de sua plataforma.

“Vai ser um flash na panela. As autoridades eleitas estarão gemendo. E em algumas semanas, elas terão mudado. Enquanto isso, estamos imprimindo dinheiro lá embaixo e tudo está bem”, disse Tucker Pounds, um membro da equipe de comunicação do Facebook.

De acordo com o Washington Post, o segundo denunciante afirma em seu depoimento que os executivos do Facebook regularmente minam os esforços para combater a desinformação e discurso de ódio por medo de irritar Donald Trump e seus aliados, e não correr o risco de perder a atenção dos usuários, o que é necessário para gerar enorme lucros. .

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *