A primeira foto de um tubarão branco recém-nascido?

A primeira foto de um tubarão branco recém-nascido?

Um grande tubarão branco recém-nascido pode ter sido fotografado pela primeira vez, o que poderia ajudar a melhorar a proteção desta espécie vulnerável, sugere um estudo publicado na terça-feira.

• Leia também: Uma mulher foi atacada por um tubarão no famoso porto de Sydney

• Leia também: Ataque de tubarão nas Bahamas: menino de 10 anos levado de avião para emergência

• Leia também: Megalodon, um tubarão mais magro que monstruoso, de acordo com um novo estudo

Bebês tubarões brancos já foram vistos na natureza, mas esta é provavelmente a primeira vez que surgem imagens de um indivíduo nascido há apenas algumas horas, segundo especialistas.

“Nunca ninguém conseguiu determinar onde nasceu ou ver um nascido vivo”, confirma o fotógrafo Carlos Gaona, que captou o momento e publicou as imagens na revista especializada “Biologia Ambiental dos Peixes”. “É o Santo Graal da pesquisa sobre tubarões.”




Agência de imprensa francesa

Com o estudante de doutorado da Universidade de Riverside (Califórnia), Philip Stearns, Carlos Gaona observou uma mulher grávida no início de julho de 2023 na costa da Califórnia, perto da cidade de Santa Bárbara.

A fêmea pareceu mergulhar fundo antes que um pequeno tubarão emergisse pouco depois, olhando diretamente para as lentes de uma câmera drone.



A primeira foto de um tubarão branco recém-nascido?

Agência de imprensa francesa

Os especialistas se perguntaram sobre uma fina camada branca ao redor do pequeno tubarão, que ele se desprendeu enquanto nadava. Eles levantaram duas hipóteses: pode ser o leite secretado pela mãe no útero para alimentá-la ou uma doença de pele.

De qualquer forma, os investigadores devem agora confirmar que localizaram o local de nascimento, na esperança de incentivar a proteção desta espécie classificada como Vulnerável pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

READ  Direitos humanos | A liberação saudita de Loujain Al-Hathloul e o "alívio" do Canadá

Na verdade, os tubarões são frequentemente vítimas colaterais de operações de pesca ou de campanhas de abate para proteger as praias, enquanto os ataques a seres humanos são raros.

“Sabendo exactamente onde vão para dar à luz, seremos capazes de proteger estas áreas dos efeitos negativos da presença humana: actividades de pesca, destruição de habitat, ruído associado ao tráfego marítimo…”, afirmou. AFP: Heikki Zidowitz, chefe da WWF Alemanha, que não esteve envolvido no estudo.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *