A relação de Biden com os Estados Unidos não será fácil

As relações entre os Estados Unidos e o Canadá voltaram ao tom amistoso, mas os problemas não foram embora.

Em seu primeiro encontro com um líder estrangeiro, Joe Biden escolheu o calote, mas voltou à tradição de se reunir com o primeiro-ministro canadense, em vez de ceder aos autocratas sauditas.

No entanto, este retorno a um semblante de normalidade nas relações entre os dois países, não significa que tudo vai para o melhor nos melhores mundos possíveis.

Voltar ao normal

Definitivamente, há algo para agradá-lo sabendo que toda reunião, bilateral ou multilateral, não correrá o risco de ser frustrada por declarações pré-fabricadas de um presidente americano louco.

A julgar por este primeiro encontro, não testemunharemos uma releitura da “relação íntima” entre Justin Trudeau e Barack Obama, mas um retorno às relações amigáveis ​​e de respeito entre aliados é em si uma boa notícia.

Nem tudo desabou nos últimos quatro anos. O governo Trudeau fez esforços ousados ​​para acalmar o ânimo inesperado do 45º presidente, e alguns arquivos, incluindo a renegociação do Nafta, tiveram resultados menos desastrosos do que muitos temiam.

Por trás da realidade dos discursos

A determinação de Joe Biden em acabar com a hipoteca que a doutrina do First America legou a seu predecessor é um bom sinal para todos os seus parceiros estrangeiros.

A recusa do presidente em violar acordos e desacreditar aliados só pode ser benéfica para o Canadá, mas isso não significa que as tendências fundamentais que moldam os interesses dos Estados Unidos e direcionam as ações concretas existentes estejam em boa forma.

A principal tendência forte que continuará a representar um desafio no Canadá é o nacionalismo econômico que sustentou o surgimento do trumpismo e que os democratas liderados por Joe Biden não parecem dispostos a reverter.

READ  A administração Trump obteve registros telefônicos de jornalistas

Desafios e aberturas

Em questões como a American Buy Act, o Canadá pode esperar pouco da administração democrata e do Congresso, que fizeram promessas inabaláveis ​​às corporações e sindicatos nacionais.

O Canadá não precisa temer esse tipo de martelo como as tarifas surpresa impostas pelo governo Trump, mas as empresas canadenses que fazem parte das cadeias de abastecimento naturais de muitos produtos afetados por compras governamentais correm o risco de serem apanhadas. Excluído enquanto o governo Biden promete abrir grandes projetos de infraestrutura.

Também é inegável que a transição verde do governo dos EUA custará caro aos produtores de petróleo canadenses, mas há motivos para esperar que a energia hidrelétrica e as empresas que já são verdes se beneficiem dela.

Nos próximos quatro anos, a relação com os Estados Unidos não será fácil para nossos governos e empresas, mas ao menos responderá a uma lógica enraizada na realidade.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *