Acesso ao direito de voto | Joe Biden visita a Geórgia como ativista dos direitos civis

(Washington) A viagem está repleta de simbolismo e de perigo político: Joe Biden foi à Geórgia na terça-feira para fazer uma promessa crucial à sua presidência: proteger o acesso de minorias, especialmente afro-americanos, ao direito ao voto.


Fim de Aurélia
agência de mídia da França

O presidente dos EUA, juntamente com a vice-presidente Kamala Harris, escolheu este estado do sul, que simboliza a luta passada pelos direitos civis, bem como as atuais divisões políticas, para defender um projeto de lei sobre “direitos de voto”.

Não se trata de legislação sobre o direito de voto em si, mas das condições de exercício desse direito, desde o registo nos cadernos eleitorais até à contagem dos votos, passando pelo voto por correspondência ou pela verificação da identidade dos eleitores.

Esses são todos os padrões que muitos estados conservadores do Sul se comprometeram a alterar, o que na prática tem dificultado o acesso às urnas para afro-americanos e minorias em geral.

“Devemos ser firmes, resolutos e inflexíveis em nossa defesa do direito ao voto e do direito de que todos os votos sejam contados”, escreveu o presidente democrata no Twitter na segunda-feira.

“na garganta”

“Atacamos a fera pela garganta, atacamos tentativas de bloquear o acesso às urnas, atacamos vandalismo e obstrução eleitoral”, disse o Politico, citando um de seus assessores, Cedric Richmond.

Joe Biden, cuja agenda econômica e social vacilou, deu uma nova prioridade: proteger as conquistas da Lei dos Direitos de Voto.

Esta disposição, que encerrou anos de luta pelos direitos civis, desde 1965 proíbe a discriminação no acesso ao voto.

Ativistas acreditam que esse legado está ameaçado em vários estados, cujos líderes republicanos apoiam fortemente Donald Trump e suas declarações infundadas sobre fraudes maciças na última eleição presidencial.

READ  Decodificação | Contabilidade de acordo com Donald Trump

A Geórgia, para onde Joe Biden vai, por exemplo, restringiu a prática do voto pelo correio ou proibiu a distribuição de água ou refeições aos eleitores que esperam, às vezes horas, para votar. O estado também consolidou o controle sobre as operações de votação por funcionários eleitos locais, a maioria dos quais são conservadores.

“É uma insurgência de baixo ruído, mas muito maliciosa”, disse Chuck Schumer, líder dos senadores democratas.

Em resposta, Joe Biden quer que o Parlamento crie uma estrutura legislativa federal composta por duas leis: a “Lei de Avanço do Voto de John Lewis” e a “Lei da Liberdade de Voto”.

“confisco”

Os republicanos estão unidos contra esses projetos, que Washington considerou um golpe contra as autoridades estaduais.

É uma tomada de poder. Já prometi ao senador conservador Lindsey Graham.

No entanto, esses dois projetos de lei devem passar pela barreira do Senado dos EUA, que geralmente requer 60 votos. Mas os democratas têm 51 e os republicanos 50.

No entanto, é possível quebrar esse bloqueio, conhecido como “stall” no jargão parlamentar americano.

Mas as manobras parlamentares exigem total disciplina dos senadores democratas, o que está fora de alcance. Joe Biden sabe muito bem disso, foi ele quem teve que abandonar um programa maciço de reformas sociais progressistas por causa do único senador democrata, Joe Manchin.

Esta autoridade eleita da Virgínia Ocidental está agora relutante em seguir o caminho parlamentar que os democratas adotaram sobre os “direitos de voto”.

E o tempo está se esgotando para Joe Biden: ele corre o risco de perder sua pequena maioria parlamentar neste outono nas eleições de meio de mandato historicamente desfavoráveis ​​para o governo no poder, e está se aproximando de uma baixa pontuação de confiança.

READ  O papel da formação | Washington aceita a retirada de suas forças de combate que ainda estão no Iraque

O presidente norte-americano, que durante sua campanha contou com um apoio crucial para os eleitores afro-americanos, por sua vez é aguardado por ativistas.

Cliff Albright, cofundador do Black Voters Matter Fund, que faz campanha para aumentar a participação dos eleitores afro-americanos na Geórgia, alerta.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *