Amazon: Colocando a população local no centro

Amazon: Colocando a população local no centro

Os presidentes dos oito países amazônicos (Brasil, Bolívia, Colômbia, Guiana, Equador, Peru, Suriname e Venezuela) se reuniram na cidade brasileira de Belém nos dias 8 e 9 de agosto. Esta cúpula política foi precedida por uma reunião de acadêmicos, ONGs, membros da sociedade civil e outros representantes públicos, durante os “Diálogos Amazônicos”.

Juntamente com os seus parceiros, muitos dos académicos do Centro contribuíram para os dias de “diálogos” e monitorizaram as discussões durante a cimeira. Analisamos com eles as ambições suscitadas por estes dois eventos, num contexto de emergência face ao desmatamento da Amazónia.

A população local e as florestas são o cerne da questão

A chamada abordagem “holística” da floresta rapidamente dominou as discussões “, afirma Plinio Cest, Diretor da Unidade de Investigação Florestas e Comunidades do CIRAD. O ecologista florestal define: ” Muitas vezes ainda limitamos uma floresta aos seus recursos madeireiros ou à sua capacidade de armazenar carbono. No Brasil, durante os diálogos e também durante a cúpula, vimos esse desejo de colocar as comunidades locais no centro das políticas de gestão florestal. Isto significa também olhar para a floresta como um recurso para melhorar as condições de vida das comunidades e ligar dimensões económicas, culturais, de saúde, ecológicas e outras. » Uma visão da qual o Centro Internacional de Investigação Agrícola em Desenvolvimento (CIRAD) e os seus parceiros fazem parte há vários anos e defendeu em duas notas políticas recentes da Comissão Científica e Técnica Florestal (CST Forest), liderada pela Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).

A Declaração de Belém, assinada durante a cimeira política, também destaca o papel da população local no estabelecimento de uma gestão florestal sustentável. Os povos indígenas são apontados como os mais capazes de proteger a floresta, através da chamada gestão camponesa ou comunitária.

As empresas amazônicas desempenham um papel fundamental na publicidade, mas também como ferramenta de preservação das florestas e da biodiversidadeAdiciona Plinio Syst. É uma estratégia ambiciosa que posiciona a gestão sustentável em benefício das populações mais vulneráveis, tanto como ferramenta de conservação, mas também de emancipação social e económica. Ainda há um longo caminho a percorrer, porque será necessário criá-lo Condições favoráveis ​​para esta sociedade e gestão camponesa Dentro da legislação florestal atual “.

Além das florestas, o desenvolvimento sustentável das comunidades

Além de proteger as florestas, a Declaração sublinha a importância de garantir soluções de desenvolvimento para os povos da região amazónica, nomeadamente através de atividades agrícolas sustentáveis. ” Isto é algo novo neste nível de responsabilidade. “, comenta René Boucard-Chapuis, geógrafo do CIRAD e especialista em questões de produção pecuária e desenvolvimento regional na Bacia Amazônica.

READ  O imposto Gafa: reforma tributária para empresas multinacionais no momento da verdade

Durante os diálogos, diversas sessões apoiaram isso, demonstrando o potencial da Amazônia para a agricultura sustentável. Muitas soluções dependem, por exemplo, de recursos naturais renováveis, como a radiação solar e as chuvas, ou da cooperação entre diferentes setores agrícolas na mesma região.

Para Gabriel Riske, cientista do Centro de Ciências Agrárias e Desenvolvimento Rural da Universidade Federal do Pará (UFPA-NCADR) no Brasil, “ O desafio atual na região amazônica é conciliar as ambições ambientais com as questões sociais e econômicas. Nosso objetivo é atualizar inovações que contribuam para o desenvolvimento das pessoas que habitam a região, sem destruir a floresta. O pesquisador coordena especificamente O sistema é em parceria com a Amazôniauma rede de instituições de pesquisa e desenvolvimento da região Amazônica que reúne o Instituto Amazônico de Agricultura Familiar (UFPA-INEAF), a Embrapa, a Universidade Federal do Pará e o Centro Internacional de Pesquisa Agropecuária (CIRAD).

Coordenar intervenções em diferentes níveis, do local ao global

A Declaração de Belém nos lembra que a escala dos impactos do desmatamento na Amazônia só pode ser compreendida em escala regional. Os participantes do diálogo centraram-se em particular nas perturbações do ciclo da água observadas nas regiões a oeste e causadas pela desflorestação e degradação dos solos no leste. ” Este fenómeno climático mostra claramente até que ponto a questão é regional e requer coordenação política entre os países. » Suporta Sistema Plinio.

Os chefes de estado também pediram cooperação além da Bacia Amazônica, entre todas as regiões de floresta tropical. Ambição: Apresentar propostas conjuntas para as bacias Amazônica, Congo e Bornéu-Mekong nas próximas COPs climáticas.

Em conjunto com esta visão regional, os países apoiaram a chamada abordagem “regional” na implementação de soluções inovadoras. A região, através da sua dimensão local e capacidade de consulta, emergiu como uma medida crítica para enfrentar os desafios da sustentabilidade. O governo brasileiro citou como exemplo iniciativas de desenvolvimento sustentável empreendidas por vários municípios e planeja financiar novas iniciativas. Uma opção que destaca a importância dos projetos apoiados pelo CIRAD, por exemplo Terra Amaze ou Sutenta e Innova.

Notamos o desejo de trabalhar de forma coordenada em vários níveis“, especifica Marie-Gabrielle Piketty, economista do CIRAD. As ações de restauração ou gestão sustentável têm impactos mais positivos quando são coordenadas à escala de um território, como um município, por exemplo. A coordenação regional permite interligar iniciativas regionais para que entrem em sinergia com ações realizadas em escalas mais amplas. Isto pode ocorrer na área de políticas de financiamento verde ou mesmo na regulamentação de pagamentos por serviços ecossistêmicos. Além disso, algumas soluções implementadas em um local podem funcionar em outro, com algumas modificações. É, portanto, importante garantir que estas regiões sejam capazes de trocar e criar laços entre si e os intervenientes nestas inovações. “.

READ  WhatsApp delays privacy update amid 'confusion' with Facebook data sharing

Marie-Gabrielle Piketty é investigadora da Unidade de Investigação Conhecimento, Ambiente e Sociedades e dirige o projeto Terra Amaze. Com financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento, o TerrAmaz apoia diversas soluções inovadoras apoiadas por cinco territórios amazônicos para conciliar transformação agrícola sustentável, conservação e restauração de recursos florestais e inclusão social. O trabalho é realizado utilizando abordagens regionais, baseadas na consulta e participação de todas as partes interessadas. ” A pesquisadora explica que os sítios Tiramat estão localizados no Brasil, Colômbia, Peru e Equador. Um dos nossos objetivos é conectar nossos parceiros por meio dessas experiências regionais em toda a Bacia Amazônica. “.

Colaboração científica que combina pesquisa básica e desenvolvimento

Na sua declaração, os chefes de Estado sublinharam a importância da cooperação entre organizações científicas de toda a região, bem como da mobilização de contribuições de instituições externas. ” Ferramentas de monitorização, gestão geral de recursos, métodos de avaliação, desenvolvimento de boas práticas agrícolas, engenharia social em torno da participação e co-construção de conhecimento, criação de bases de dados de referência, valorização da biodiversidade, etc. Não faltam temas e parceiros de pesquisa no espaço amazônico “, comenta René Boucard-Chapuis. Este geógrafo do CIRAD, da Unidade de Pesquisa em Sistemas Pecuários Mediterrâneos e Tropicais, está expatriado na Amazônia brasileira há quinze anos. Ele trabalha na sede do Centro Embrapa, principal centro de pesquisa agrícola do país. Brasil.

Em particular, René Boucard-Chapuis coordena as atividades do TerrAmaz em Paragominas, um município brasileiro que está comprometido há anos com a gestão sustentável de suas terras. Restauração da paisagem, melhoria da qualidade da água e práticas pecuárias sustentáveis ​​e lucrativas….” Isso vai além da ciência básica, comenta o pesquisador. Ao considerar a região em todas as suas componentes, em particular florestal, agrícola e social, desenvolvemos métodos de investigação relevantes para o mundo do desenvolvimento e da administração pública local. Isto permite-nos fornecer ferramentas operacionais que conciliam a conservação da biodiversidade e a melhoria das condições de vida das pessoas. “.

A cimeira e os diálogos estimularam enormemente as discussões com a sociedade civilcomenta Gabriel Resque. Os moradores da região serão os primeiros a serem afetados pelas medidas que serão implementadas nesta região, pelo que foi necessária a sua representação e participação. “.eu Dispositivo AmazonOs diálogos e a cimeira foram uma oportunidade para conhecer novos potenciais parceiros. A rede expandiu-se recentemente para incluir outros países e territórios da região amazônica, incluindo Colômbia, Peru e Guiana Francesa. ” Já estamos a trabalhar em investigação aplicada nesta área em cooperação com parceiros não científicos, como instituições públicas, empresas privadas ou ONG. Estas colaborações permitem-nos influenciar as políticas públicas e transformar os sistemas de produção dos agricultores. “.

READ  Novo trem chinês coloca Laos no mapa comercial

Segundo os cientistas, a cimeira poderá servir de catalisador para muitas colaborações entre organizações de investigação. Durante as discussões, falou-se na criação de uma instituição equivalente ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas na região amazônica. Os diálogos também conseguiram reunir pela primeira vez desde 2019 a Equipe Científica da Região Amazônica, rede internacional de mais de 240 cientistas especializados na região, à qual pertence o Cientista Plinio.

Guiana, território francês na região amazônica

As discussões durante a cimeira salientaram a responsabilidade de outros países em termos de financiamento da transição climática, mas também o seu papel na cooperação científica eficaz que fornece soluções. ” A Declaração de Belém é também um apelo ao desenvolvimento de uma cooperação real entre a Europa e a região Amazónica no combate à desflorestação importada.Plinio pensou sim. Isto incluirá não só o controlo dos produtos comercializados, mas também o apoio aos produtores que se envolvem em caminhos sustentáveis. “.

A França desempenha um papel especial na cooperação na região amazónica, uma vez que a região amazónica também se estende por um dos seus territórios. ” A Guiana partilha muitos problemas com os seus vizinhos, como a extracção de ouro e a mineração ilegal.Detalhes do Sistema Plinio. É também uma área que há anos desenvolve ferramentas para monitorar a restauração florestal e métodos de silvicultura sustentáveis. “.

Na área da pecuária ou culturas perenes, como café e cacau, os sistemas de medição estabelecidos na Guiana se beneficiariam se estivessem em rede com locais em outros países amazônicos. A formação, a promoção da biodiversidade e até mesmo métodos de avaliação e medição de impacto são áreas de colaboração entre os setores público e privado na Guiana. Vários trabalhos já foram implementados, como o projeto Açai’action, focado no fruto do açaí e baseado na estreita cooperação entre Suriname, Guiana e Brasil.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *