As borboletas, as joias aladas e os termômetros das mudanças climáticas do Equador

As borboletas, as joias aladas e os termômetros das mudanças climáticas do Equador

(Cuyabeno) O cheiro de peixe podre enche a estrada no meio da floresta. Na Reserva Cuyabeno, no coração da Amazônia equatoriana, uma equipe de biólogos e guardas florestais penduraram armadilhas para borboletas nos galhos, e essas joias aladas estão repletas de informações que lhes permitem medir os efeitos devastadores das mudanças climáticas.


Dentro das redes, um copo contendo isca de peixe ou banana fermentada destina-se a seduzir indivíduos adultos, cujas vidas efêmeras permitem compreender no curto prazo a extinção de certas espécies.

Desde agosto, a equipe vem implementando um projeto de monitoramento de borboletas com o apoio da ONG Rainforest Partnership, sediada nos EUA.

O suor, as longas caminhadas e a peste foram recompensados: em uma semana, a equipe coletou 169 borboletas, a maioria da família Nymphalidae. Destes, 97 foram sinalizados e libertados. Outras espécies, que poderão pertencer a novas espécies, serão estudadas.

Temporadas “fatais”.

O projeto é liderado pela bióloga María Fernanda Checa, que há dez anos estuda borboletas no vizinho Parque Nacional Yasuni, uma reserva da biosfera onde são exploradas grandes jazidas de petróleo.

Em 2023, seu trabalho se expandiu para a Reserva Cuyabino, na província de Sucumbios, no nordeste do país. Os resultados serão conhecidos em breve, mas MEU Chica, professora da Pontifícia Universidade Católica do Equador (PUCE), já antecipa algumas descobertas.

Ela destaca que o número de espécies capturadas em armadilhas diminuiu 10%, e quanto à quantidade de indivíduos, “a diminuição também é muito grande, estamos falando de 50%”. “É algo que nos preocupa”, explica M.EU Chika disse à AFP.

READ  Descubra o ancestral do mosaico mediterrâneo na Turquia

A bióloga Elisa Levy, acompanhada pela AFP na viagem, monitora borboletas na Floresta Cuyabino, onde crescem árvores no meio de lagos.

Enquanto sopra o ar para repelir os mosquitos, MEU Levi dá instruções aos guardas do Ministério do Meio Ambiente e a um estudante.

“Não toque nas asas!” “Eles saem e é como se estivessem esfolando-os”, ela avisa sua equipe, que retorna à floresta tropical a cada dois meses para caçar os preciosos lepidópteros.

efeito dominó

Os pesquisadores seguram o abdômen das borboletas com as mãos, sopram suavemente em seu tronco até que retraiam as pernas e, com uma pinça, abrem suas asas multicoloridas. É uma explosão hipnotizante de cores vermelhas e azuis brilhantes, marcas que imitam olhos predatórios e padrões semelhantes ao pelo manchado de uma onça ou às listras de uma zebra.

“Pela cor simples e pela linha pequena, já podemos dizer que é outra espécie. “É emocionante”, maravilha-se o guarda florestal Nello Riofrio, que consegue capturar borboletas em pleno vôo sem machucá-las.

As borboletas são consideradas “bioindicadoras”, o que significa que são “muito sensíveis, mesmo a pequenas mudanças no ecossistema”, devido ao seu ciclo de vida que começa com os ovos, depois com as larvas e, finalmente, com uma curta vida adulta, explica M.EU Chica. As estações secas, em particular, são “mortais” para os insetos.

MEU Levy explica o efeito dominó da crise climática no ecossistema. “Se a planta hospedeira (da qual a lagarta se alimenta) não se adaptar a estas mudanças climáticas, a borboleta não conseguirá sobreviver.”

“um problema perigoso”

O Equador possui cerca de 4 mil espécies de borboletas, número próximo ao número dos países vizinhos Peru e Colômbia, que são quatro vezes maiores.

READ  É improvável que Trump seja indiciado em Manhattan

Nas regiões tropicais, as borboletas não se adaptam às mudanças climáticas como acontece nos países de quatro estações em regiões com clima mais moderado.

“Se o clima for frio ou quente (a temperaturas extremas), não terão muitas hipóteses de se adaptarem rapidamente”, alerta M.EU Coleção.

Segundo documento publicado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) em 2023, cerca de 35% das espécies de insetos do planeta estão ameaçadas de extinção.

“Este é um problema sério para nós” pelas funções que desempenha na natureza, como a polinização, enfatiza M.EU Chica. A pior parte, acrescenta ela, é que em locais muito diversos como a Reserva Yasuni, “a taxa de descoberta de espécies é mais lenta do que a taxa de extinção”.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *