As Olimpíadas do Rio começam no Brasil em meio à crise

As Olimpíadas do Rio começam no Brasil em meio à crise

A competição começa num país que atravessa uma crise económica, social e política. Em recessão desde o final de 2014, com o PIB a diminuir 3,7% em 2015, o Brasil atravessa um dos períodos mais difíceis da sua história.

Neste dia, sexta-feira, 5 de agosto de 2016 Na abertura dos Jogos OlímpicosO mundo inteiro estará de olho no Rio e no Brasil, que sediam a competição em meio a uma recessão. Quando a cidade foi escolhida em 2009 pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) para sediar a competição esportiva mais disputada do planeta, o Brasil era considerado a estrela em ascensão da economia global.

Sete anos depois, quase todos os indicadores económicos do país estão no vermelho. Depois de registar um forte crescimento anual de 3,5% durante o período 2003-2013, o Brasil está em recessão desde o final de 2014. O PIB do país caiu 3,7% em 2015. Pior ainda, espera-se que a contracção continue às mesmas taxas. Em 2016.

O ano de 2015 terminou com um défice público recorde de 10,2% do PIB e um aumento da dívida pública para 65,1% do PIB (face a cerca de 57% do PIB no ano anterior). Essa derrapagem orçamentária “fez com que o Brasil fosse rebaixado para especulativo por duas das principais agências de classificação de risco no final de 2015”. Nota do Tesouro Francês. As finanças públicas do país atravessam uma situação crítica ligada à crise política que a Presidente eleita Dilma Rousseff enfrenta. Procedimento de separação .

Todos os indicadores econômicos ficaram vermelhos

As razões desta crise económica são múltiplas. A queda dos preços das matérias-primas (soja, metais, petróleo) castigou gravemente o país, pois mais de 50% das suas exportações consistem nestes produtos provenientes do seu solo.

READ  O modelo das Olimpíadas deve ser revisado?

A nível interno, os motores do crescimento desvaneceram-se gradualmente. “O investimento caiu assim quase 15% em 2015, sob a influência das graves crises ligadas à questão da Lava Jato, nos sectores da construção e da energia (a Petrobras teve de reduzir os seus investimentos em 40%), mas também da clara deterioração da economia. ” Ambiente macroeconómico”, explica a nota do Tesouro francês.

Da mesma forma, o consumo das famílias perdeu terreno devido ao aumento das taxas de desemprego, que passou de 4,3% no final de 2014 para 6,9% da população activa no final de 2015.

As Olimpíadas não serão suficientes para reanimar o país

Nesse contexto de estagnação, as Olimpíadas podem permitir que o Brasil volte a ser o que era? Economistas da Goldman Sachs acreditam, numa nota publicada no final de julho de 2016, que o montante de 10 mil milhões de dólares (9 mil milhões de euros) investidos em infraestruturas relacionadas com os Jogos Olímpicos e em serviços logísticos é insuficiente para estimular a economia.

Quem diz que sediar as Olimpíadas diz que investir em infraestrutura e turismo compensa, mas “esses dois canais trarão à economia brasileira apenas +0,05 ponto de crescimento real do PIB em 2016”, diz Daniela Ordonez, economista da Euler Hermes.

Os próprios brasileiros não parecem preparados para se animar com a competição que já começou. Dois dias antes da abertura dos Jogos Olímpicos, a 3 de agosto de 2016, um quinto dos bilhetes ainda estava à venda e, num caso extremamente raro, sobraram alguns bilhetes para as finais dos 100 e 200 metros.

Mais Lidos

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *