Austrália | A Grande Barreira de Corais sofreu o pior evento de branqueamento já observado

Austrália |  A Grande Barreira de Corais sofreu o pior evento de branqueamento já observado

(Sydney) – A Grande Barreira de Corais, no nordeste da Austrália, vive atualmente a pior onda de branqueamento de sempre, sob a influência do aquecimento global, anunciou quarta-feira o organismo que a administra.



“O impacto cumulativo experimentado pela barreira neste verão foi maior do que no verão anterior”, disse a Autoridade do Parque Marinho da Grande Barreira, que depende do governo federal australiano, num comunicado de imprensa.

Este novo episódio de branqueamento massivo, anunciado em março, devido ao aumento da temperatura da água, é o quinto em oito anos.

A Grande Barreira de Corais, que se estende por 2.300 quilômetros ao longo da costa de Queensland, é frequentemente considerada a maior estrutura viva do mundo. É o lar de uma biodiversidade extremamente rica, com mais de 600 espécies de corais e 1.625 espécies de peixes.

A autoridade disse que as observações aéreas mostraram que cerca de 730 dos mais de 1.000 recifes de coral monitorados tinham branqueado.

Este fenômeno é causado pelo aumento da temperatura da água, que expele algas simbióticas, dando ao coral sua cor brilhante. Se as altas temperaturas persistirem, o coral fica branco e morre.

Em várias áreas do parque marinho, “os recifes de coral foram expostos a níveis recordes de calor”, confirma a autoridade, que salienta que o verão australiano de 2023-2024 foi o segundo mais quente já registado na região.

Verão difícil

“A Grande Barreira de Corais é um ecossistema incrível e, embora tenha demonstrado repetidamente a sua resiliência, este verão tem sido particularmente difícil”, disse o cientista-chefe do Serviço de Parques, Roger Peden, esta manhã.

READ  Decodificação | Contabilidade de acordo com Donald Trump

Durante uma missão à Grande Barreira de Corais, jornalistas da AFP visitaram uma das zonas mais afetadas por este fenómeno.

A Ilha Lizard, um pequeno pedaço de paraíso tropical na ponta nordeste da Austrália, geralmente está repleta de vida próspera de corais. Mas hoje não passa de um cemitério marinho. Cerca de 80% dos recifes de coral branquearam neste verão. Muitos destes corais lutarão para sobreviver.

A bióloga marinha Anne Huggett vive e trabalha na Ilha Lizard há 33 anos. Quando ela chegou, o branqueamento dos corais só ocorria a cada década, diz ela. Hoje, isso acontece todos os anos, em graus variados.

“Ainda não sabemos se eles já sofreram danos demais para se recuperarem”, disse ela.

A Austrália já investiu cerca de 5 mil milhões de dólares australianos (3 mil milhões de euros) para melhorar a qualidade da água, reduzir os efeitos das alterações climáticas e proteger espécies ameaçadas. Graças a isto, em agosto de 2023, a UNESCO decidiu provisoriamente não incluir a Grande Barreira de Corais na Lista do Património Mundial em Perigo, como ameaçava fazer desde 2021.

Mas a Austrália é também um dos maiores emissores de gases com efeito de estufa e um dos maiores exportadores de gás natural e carvão, e só recentemente estabeleceu metas para a neutralidade carbónica, que são consideradas pouco ambiciosas.

Este fenómeno não se limita à Austrália: na segunda-feira, a Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA) anunciou que o planeta está a assistir ao segundo maior episódio de branqueamento de corais numa década.

“O branqueamento de corais está a tornar-se mais frequente e severo”, observou Derek Manzello, coordenador do Observatório de Recifes de Coral da Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA), apontando para temperaturas recordes dos oceanos.

READ  Americano é condenado a 30 anos de prisão por exploração sexual de menores filipinos

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *