Babá 2, igual à primeira, mas no Brasil!

Babá 2, igual à primeira, mas no Brasil!


sujo: Nossos cinco amigos do primeiro filme estarão de férias no Brasil! Uma chance para Sonia apresentar Frank a seu pai Jean-Pierre, para Sam sair com uma garota (normal), para Alex sair com sua nova namorada e para o primo Ernest… bem, ainda ser primo Ernest. Mas incapaz de cuidar dela, Jean-Pierre confia sua avó a Frank, Sam e Alex para acompanhá-los em um passeio. No dia seguinte, os meninos e a avó desapareceram, mas a câmera a bordo foi encontrada. Sônia e seu pai, que sofrem de alucinações, descobrem as fotos que foram filmadas durante a famosa viagem.

A sinopse não deixa segredo: envolverá repetir de forma quase idêntica o “cenário” do primeiro filme. Tirando 3 novos personagens inúteis (as 2 gatas intercambiáveis ​​+ a cafona do Alex), a estranheza inerente ao Brasil, além de 2 teclas muito funcionais (Babá => Mamãe Babá; Jugnot => Teclado), absolutamente nada mudou. Há sempre essa alternância entre dois estilos: o “found footage” que é inevitavelmente engraçado e revela um ponto de vista alternativo sobre os acontecimentos apresentados durante a chata e clássica “história de personagem”. Isso já foi culpa da primeira parte, e está aqui de novo: a suavidade das cenas funcionais quebra um pouco a imersão deste decadente filme de férias. Além do mais, quando as emoções aparecem, elas não são credíveis, nem intensas, apenas ridículas.

Felizmente, o clima ainda é bom Turma Vivi E com base em Vicente Desanat. Porque seus alunos e piadas incoerentes baseadas no quer queira quer não, na mão na bunda, nas declarações chocantes e nos insultos de todos os tipos, ajudam a cimentar um todo um tanto improvável.
Eles executam Turistas Eles são mais ou menos incapazes de respeitar o habitat em que vivem. Através do efeito espelho, isto permite-nos ir um pouco além do entretenimento com alguma simpatia pelos povos indígenas ou condenação do rótulo “orgânico” como argumento económico. De uma forma um pouco desajeitada (porque os clichês permanecem) mas sincero, Babá 2 Assim, incentiva a responsabilidade ambiental.
No entanto, se há apenas uma coisa a ser aprendida com isso Babá 2 É, como no primeiro episódio, esse famoso clímax central. Uma cena de perseguição (quase) ininterrupta filmada pela câmera de bordo. Mais longo, mais variado, mais emocionante e mais divertido que a corrida de kart do primeiro filme, é um daqueles momentos puramente cinematográficos, tão imprevisíveis e capazes de nos manter colados aos assentos, apesar de nós mesmos. Com a adição de um pouco de sentimento Spielberg-ien(Indiana JonesEspecificamente) o que aumenta a diversão!

READ  Os internautas passaram por este upload de Grant Gustin com base em uma história verdadeira (opinião)

“Não há revolução, mas em BABYSITTING 2 encontramos aquela pequena alegria instantânea que definiu intacta a primeira parte.”

Brevemente, Babá 2 Parecia inevitável depois de 2,5 milhões de espectadores em Abril de 2013… mas o filme encontra-se preso entre um prazo claramente demasiado curto para desenvolver os pontos fortes do primeiro e a necessidade de literalmente reexplorar uma fórmula de sucesso. Portanto, não espere nenhuma revolução, mas sim encontrar intacto aquele pequeno prazer instantâneo que definiu a primeira parte.

Avaliação do leitor14 notas

Nossos últimos trailers

You May Also Like

About the Author: Echo Tenny

"Evangelista zumbi. Pensador. Criador ávido. Fanático pela internet premiado. Fanático incurável pela web."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *