Biden dá os primeiros passos cautelosos para defender o direito da mulher ao aborto

Washington | Na quinta-feira, o novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, permitiu que os Estados Unidos voltassem a financiar organizações estrangeiras que prestam serviços de aborto, um primeiro passo cauteloso nessa área minada.

Na véspera da mobilização anual de ativistas anti-aborto, o democrata revogou a “Lei do México” que proibia o fornecimento de fundos federais a qualquer ONG internacional que prestasse consultoria sobre interrupção voluntária da gravidez (IVG).

Essa regra foi introduzida pela administração republicana de Ronald Reagan, que foi um marco político poderoso por décadas, revogada por todos os presidentes democratas e reinstaurada por todos os republicanos.

De acordo com um relatório do governo, teve um impacto em 1.300 projetos internacionais em 2018 e forçou as ONGs naquele ano a abrir mão de mais de $ 150 milhões de suas atividades de aborto.

O Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, elogiou a resolução, que “lembra fortemente às mulheres e raparigas em todo o mundo que os seus direitos são importantes”.

Grupos de direitos das mulheres também disseram que estavam “satisfeitos” com o desaparecimento de um “regime severo e neocolonial”, nas palavras de Sera Seibel, chefe do Centro para Saúde e Igualdade de Gênero (Mudança).

Mas o líder republicano do Senado, Mitch McConnell, criticou “financiar abortos no exterior com dinheiro do contribuinte” que “atropela sua consciência”, diz ele, contra as promessas. Novo presidente da unidade.

Caminhada virtual

O aborto é legal nos Estados Unidos desde a decisão da Suprema Corte em 1973, mas ainda divide severamente a população americana, e a oposição continua muito forte nos círculos religiosos.

Como todos os anos no aniversário desta estação histórica, os oponentes do aborto planejavam ouvi-los na sexta-feira. Mas a epidemia exige que sua “marcha” seja hipotética, em contraste com a marcha do ano passado, da qual Donald Trump participou.

READ  Para Trump: “Biden não é velho”, mas é “incompetente”

A tempo para o direito da mulher de escolher o aborto, o bilionário republicano derrotou os eleitores da direita religiosa fingindo ser um adversário ferrenho do aborto.

Para satisfazê-los, seu governo rejeitou a “Base México” nacionalmente, exigindo que os centros de planejamento familiar fizessem a distinção física entre aconselhamento ginecológico e de aborto, por medo de perder fundos federais. Um quarto desses prédios foram punidos.

Em suas memórias, Joe Biden aborda esse assunto com cautela. Ordena “examinar se é necessário suspender, revisar, cancelar ou abrir estes regulamentos para discussão.”

O texto também não diz nada sobre a “Emenda Hyde”, que proíbe o uso de fundos federais para compensar a maioria dos abortos, embora Joe Biden tenha prometido cancelá-la durante sua campanha.

Ao inicializar o documento, o presidente também adotou um estilo discreto. “Não estamos fazendo nada de novo”, insistiu, diante das câmeras, com o cuidado de não usar a palavra aborto.

“Atropelar a consciência”

Durante sua primeira entrevista coletiva, a porta-voz da Casa Branca Jane Psaki foi questionada sobre as intenções do novo presidente sobre o assunto: “Ele é um católico devoto que vai à igreja regularmente”, ela respondeu sem dizer mais nada.

Apesar da oposição do clero ao aborto, Joe Biden apoia abertamente o direito da mulher ao aborto, de acordo com as posições da maioria de seu eleitorado. Mas isso não se tornou um grande tópico em sua campanha.

Portanto, as associações que defendem este direito estão extremamente atentas ao futuro.

Herminia Palacio, presidente do Instituto Guttmacher, disse que seus anúncios são “primeiros passos muito importantes, mas o governo deve ir além”, observando que a maioria dos cerca de 850.000 abortos realizados a cada ano nos Estados Unidos envolvem mulheres. Backgrounds.

READ  Medidas de segurança começaram em torno de Joe Biden

Para ela, facilitar o acesso ao aborto se insere, portanto, no contexto do combate à desigualdade, que Joe Biden priorizou. Na quinta-feira, ele também assinou um decreto para facilitar o acesso de todos os americanos a cobertura médica.

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *