Bolsonaro é intimado pela polícia por “tentativa de golpe” no Brasil

Bolsonaro é intimado pela polícia por “tentativa de golpe” no Brasil

O ex-presidente brasileiro de extrema direita Jair Bolsonaro deve ser ouvido pela polícia em Brasília na quinta-feira para explicar seu suposto envolvimento em uma “tentativa de golpe” para permanecer no poder.

• Leia também: Investigação sobre tentativa de golpe no Brasil: Bolsonaro quer juiz contestado

• Leia também: Brasil: acusado de golpe de Estado, Bolsonaro pede “reunião pacífica”

• Leia também: Investigação por “tentativa de golpe de Estado”: ​​Bolsonaro é proibido de sair do Brasil

Esta reunião acontece antes de uma manifestação marcada para domingo em São Paulo. O antigo chefe de Estado (2019-2022), condenado no ano passado à inelegibilidade até 2030, apelou aos seus apoiantes para uma “reunião pacífica” que deverá permitir testar a extensão do seu apoio.

Bolsonaro mantém sua inocência e diz que é vítima de “perseguição implacável” por parte do governo do presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva, que o derrotou nas eleições de outubro de 2022.

Ele alertou que só responderia às perguntas da polícia se seus advogados tivessem acesso ao processo. Segundo a imprensa local, ele deverá ser ouvido ao mesmo tempo que várias outras personalidades do seu campo, incluindo ex-ministros, também são suspeitas.

“Ninguém tentou um golpe no Brasil, essa é a grande verdade”, reiterou Bolsonaro na quarta-feira, durante entrevista à rádio CBN Recife.

No dia 8 de fevereiro, uma operação policial em grande escala chamada “Tempus veritatis” (a hora da verdade, em latim) teve como alvo vários antigos colaboradores próximos do ex-presidente, com dezenas de buscas e detenções.

Agora proibido de sair do país, Jair Bolsonaro é suspeito de ter participado num vasto plano que mobiliza sobretudo ministros e militares de alta patente para garantir que permaneceria no poder após as eleições presidenciais de 2022.

READ  Brasil | Família Bolsonaro envergonhada com caso de espionagem ilegal

Segundo os investigadores, esse plano consistia em desacreditar o sistema de urna eletrônica em vigor no Brasil, ao usar a “desinformação” para “divulgar suspeitas de fraude nas eleições presidenciais de 2022 antes mesmo da votação, para legitimar a intervenção militar”.

Outras suspeitas dizem respeito a uma tentativa de “golpe militar para impedir que o presidente legitimamente eleito chegue ao poder”.

Segundo a polícia, Bolsonaro alterou pessoalmente um projeto de decreto que visava convocar novas eleições e prender Alexandre de Moraes. Este juiz do Supremo Tribunal é a ruína do ex-presidente por ter iniciado uma série de investigações contra ele. Ele agora lidera a investigação sobre um suposto “projeto golpista”.

O decreto acabou por não ver a luz do dia, mas as instituições brasileiras foram abaladas em 8 de janeiro de 2023, uma semana após a posse de Lula, quando milhares de simpatizantes bolsonaristas saquearam lugares de poder em Brasília. O senhor Bolsonaro estava nos Estados Unidos naquele dia.

O antigo chefe de Estado já compareceu perante a polícia, nomeadamente por suspeita de falsificação de certificados de vacinação contra a Covid-19 ou de alegada apropriação indevida de presentes recebidos de países estrangeiros, em particular joias oferecidas pela Arábia Saudita.

Em Junho passado, o homem que continua a ser o campeão indiscutível da oposição foi declarado inelegível por ter divulgado informações falsas sobre o sistema eleitoral.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *