Brasil: Bolsonaro vence as presidências do Senado e da Câmara

Bolsonaro disse isso, e ele disse. Ele interferiu pessoalmente na eleição do presidente das duas câmaras do Parlamento brasileiro: o Senado e a Câmara dos Deputados. E assim conquistou os seus dois candidatos, com os métodos da velha política, a mesma que, no entanto, havia insultado durante a sua eleição para a Presidência da República em 2018.

Foi no final de um encontro com parlamentares de seu antigo partido, o PSL (Partido Social-Liberal), no dia 27 de janeiro; O presidente brasileiro então admitiu: “viemos nos encontrar lá com 30 parlamentares do PSL e vamos, se Deus quiser, participar, influenciar a presidência da Câmara”.

Segundo seus oponentes e comentaristas brasileiros, as negociações individuais ou em pequenos grupos ganharam velocidade à medida que se aproximava o dia da eleição dos dois presidentes das duas câmaras do poder legislativo.

Reformas constitucionais à vista

Subsídios, nomeações, possibilidades de emendas, contornando partidos por meio das bancadas (bancadas) chamadas de “bola” (para a venda gratuita de armas), a “bíblia” (evangelistas conservadores) ou “carne” (deputados rurais defendendo os interesses da agro -empresas), o presidente Bolsonaro teria posto todo o seu peso na balança para assumir essas duas presidências, e assim se proteger de comissões de inquérito e outros processos de impeachment que ameaçam seu governo e o fim de seu mandato.

Citado pela revista Isto É, o anterior presidente da Câmara, Rodrigo Maia (democratas), cuja coesão partidária foi estilhaçada neste joguinho carregado de maior lance, a conta das promessas feitas chegaria a 20 bilhões de reais (3 bilhões euros). Uma palha quando o país não tem vacinas e a população mais pobre sofre com as consequências econômicas da pandemia.

No final, no Senado, Rrodrigo Pacheco (democratas) obteve 57 votos contra 21 de sua adversária, Simone Tebet (MDB-Movimento Democrático Brasileiro), afastada por seu partido em campo aberto. No discurso de candidatura, meteu o pé na travessa das lentilhas (ou feijão, aqui), admitindo que não tinha dinheiro, nem nomeações, nem emendas a oferecer, apenas “trabalho colectivo” ”.

READ  “Quero continuar a ajudar as crianças para que tenham oportunidades”

E na Câmara dos Deputados, Artur Lira (Progressistas) obteve 302 votos em 503 votos expressos. Pontuação alta, surpreendente para todos os comentaristas (precisou de 257 votos em 513 deputados federais). Esse total coloca seu bloco de centrão (esse “grande centro” ampliado e maleável, negociador de cargos e votos com todos os executivos desde o fim da ditadura) a apenas 6 votos do patamar de 308 votos necessários para aprovar as reformas constitucionais. . Outra vontade declarada do Presidente da República brasileira.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *