Brasil | Futuro político de Jair Bolsonaro em jogo em julgamento

Brasil |  Futuro político de Jair Bolsonaro em jogo em julgamento

(Brasília) A incerteza permanece: o ex-presidente brasileiro Jair Bolsonaro terá que esperar pelo menos até sexta-feira para saber se a justiça eleitoral o condena a oito anos de inelegibilidade por envolvimento em desinformação sobre voto eletrônico antes de sua derrota contra Lula.


Apenas seis meses depois de deixar o poder, o líder da extrema direita é processado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de Brasília por “abuso de poder político e uso indevido de meios de comunicação” depois de ter criticado, sem provas, a confiabilidade dos meios eletrônicos urnas, poucos meses antes das eleições vencidas no final de 2022 por seu rival de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva.

Três juízes já votaram a favor de uma condenação e um decidiu contra, apresentando sempre razões detalhadas para a sua escolha. A sessão de quinta-feira, a terceira numa semana, foi suspensa até à manhã de sexta-feira, altura em que se espera a votação dos outros três juízes. Um novo adiamento continua possível, caso um magistrado solicite mais tempo para analisar o caso.

A decisão do TSE será tomada por maioria, ou pelo menos quatro votos em sete. Uma condenação seria um trovão na política brasileira: proibiria o Sr. Bolsonaro de qualquer acesso a cargos públicos, privando-o de vingança durante a próxima eleição presidencial em 2026.

No cerne da questão: discurso proferido em julho de 2022 na residência presidencial do Alvorada, e transmitido pela televisão pública. Declarou então aos diplomatas que pretende “corrigir falhas” no voto eletrónico com a “participação das Forças Armadas”.

” Um crime ”

Discreto nos últimos meses e ausente do julgamento, o ex-capitão do exército, de 68 anos, assumiu a responsabilidade nos últimos dias para defender sua inocência.

READ  Crescimento do PIB desacelera para 0,1% no terceiro trimestre

“Infelizmente, falar de vacinas, falar de voto, falar de urnas […] virou crime”, protestou à imprensa nesta quinta-feira ao chegar ao Rio de Janeiro.

“Não sou um ex-presidente normal, sou um ex-presidente de que o povo já se arrepende e temos potencial para vencer as eleições de 2026”, acrescentou depois de descer do avião. de Brasília.

“Não cometi nenhum crime ao me reunir com embaixadores. Tirar meus direitos políticos sob a acusação de abuso de poder político é incompreensível”, disse Bolsonaro na capital.

Em caso de condenação, a defesa pretende interpor recurso para o Supremo.

Para o juiz Raul Araujo, que votou contra a condenação do ex-chefe de Estado, o seu comportamento “não foi de molde a justificar uma medida extrema de inelegibilidade”.

Por outro lado, seu colega Floriano de Azevedo Marques não via nada “mais sério” para um candidato a presidente do que “mobilizar o aparato da República” para fazer acreditar que “as eleições brasileiras não são limpas”.

Segundo a promotoria, ele procurou “dar a impressão errônea de que o processo eleitoral” no Brasil “é obscuro” e sujeito a “manipulação”, com o “objetivo de desacreditar” o resultado das próximas eleições.

Risco de prisão

Ao longo de sua campanha, Bolsonaro levantou o risco de fraude, alimentando a ira de seus apoiadores mais radicais que, em 8 de janeiro, poucos dias após a posse de Lula, atacaram as sedes dos poderes executivo, legislativo e judiciário em Brasília. .

Em entrevista quinta-feira a uma rádio local, o presidente Lula mais uma vez condenou seu antecessor: “Tínhamos aqui um cidadão que não queria aceitar o resultado das eleições. Tínhamos aqui um cidadão que queria dar um golpe de Estado no dia 8 de janeiro.”

FOTO SERGIO LIMA, AGÊNCIA FRANCE-PRESSE

Presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva

Se a questão do pós-Bolsonaro já está sendo levantada em seu campo e na imprensa, o bolsonarismo está, no entanto, firmemente ancorado. Jair Bolsonaro perdeu por apenas 1,8% no segundo turno contra Lula.

Os partidos de direita e de extrema-direita são ainda mais fortes no Parlamento do que eram durante o seu mandato, representando um grande desafio para o presidente de esquerda, que regressou após dois mandatos (2003-2010).

Seja qual for a decisão do TSE, Bolsonaro não chegou ao fim de sua provação jurídica. Além de cerca de quinze processos no tribunal eleitoral, o ex-líder é alvo do Supremo Tribunal em cinco processos, nomeadamente pelo seu alegado papel de inspiração para os ataques de 8 de janeiro. Ele corre o risco de ser preso.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *