Brasil: Mauro Vieira, o repertório diplomático de Lula

Mauro Vieira, ministre brésilien des Affaires étrangères.

Trazendo o Brasil de volta ao fórum das nações. Essa é a tarefa do reservado diplomata Mauro Vieira, que acaba de assumir o comando do Itamaraty.

Também precisará restabelecer a sua imagem internacional graças aos valores de “tolerância e convivência” que caracterizam o país, como aponta o ex-embaixador do Brasil em Paris, Carlos Azamboga. Durante os anos Bolsonaro, o gigante latino-americano tornou-se um pária pelo desmatamento na Amazônia, pela gestão caótica da Covid e pelo apoio inabalável dado a Donald Trump.

O novo chefe da diplomacia brasileira tem uma carreira de cinquenta anos. “Ele conhece muita gente no mundo inteiro. Foi embaixador nas Nações Unidas, em Washington, em Buenos Aires… Conhece bem presidentes e ministros das Relações Exteriores”, confirma Oliver Steinkel, professor de relações internacionais da Fundação Getulio Vargas ( FGV).

Lula o ajudará a realizar duas reuniões essenciais: a presidência do G20, que o Brasil assumirá em 2024, e a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP30), que Lula quer sediar na região amazônica em 2025. “As ideias de Lula estão sendo colocadas em prática. nesta área.”, confirma o ex-chanceler Celso Amorim, recentemente nomeado Assessor Especial da Presidência.

Por um acordo “equilibrado” com a União Europeia

Uma vez no poder, Mauro Vieira agiu rapidamente. Um telefonema com o secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, para preparar o encontro entre Lula e Joe Biden, cuja data ainda não foi marcada. Em sua primeira viagem ao exterior, Lula viajará à Argentina no dia 24 deste mês para se encontrar com seu homólogo argentino Alberto Fernández, antes da reunião da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) em Buenos Aires. Outro gesto importante: o anúncio do retorno do Brasil ao Pacto Global sobre Migrações.

READ  Agência de Notícias Emirates - Emirados Árabes Unidos e Brasil lançam parceria para troca de conhecimento e experiência econômica

Ao assumir o cargo, o novo chefe da diplomacia brasileira fez breve referência ao acordo UE-Mercosul, que segundo ele deve ser “equilibrado e trazer ganhos reais para a economia brasileira… evitando assim o meio ambiente, tema muito caro ao Brasil. ” “Isso é usado como desculpa para o protecionismo.” No entanto, não houve uma palavra sobre a França.

no armário

Mauro Vieira, 71 anos, já havia atuado como ministro das Relações Exteriores de Dilma Rousseff (em 2015-2016). Jair Bolsonaro nomeou-o então embaixador na Croácia, um cargo menor para um diplomata do seu calibre. mas “Ele nunca reclamou publicamente”, confirma Olivier Stuenkel. “Ele mostrou lealdade.”

Lula pretende desempenhar um papel ativo no cenário internacional. Ele precisará de todas as habilidades de seu diplomata-chefe para restaurar a imagem do Brasil.

You May Also Like

About the Author: Opal Turner

"Totalmente ninja de mídia social. Introvertido. Criador. Fã de TV. Empreendedor premiado. Nerd da web. Leitor certificado."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *