Brasil. Pelo menos dez mortos e 21 desaparecidos, o balanço do mau tempo continua a piorar

Brasil.  Pelo menos dez mortos e 21 desaparecidos, o balanço do mau tempo continua a piorar

O impacto do mau tempo que continua no sul do Brasil continua a aumentar com a descoberta de corpos de muitas pessoas desaparecidas e áreas onde os serviços de emergência ainda não conseguiram aceder: ao meio-dia de quarta-feira, as autoridades relataram 10 mortos e 21 ausente. O número de mortos foi de 5 na terça-feira.

Cerca de 1.400 pessoas em mais de 100 municípios do estado do Rio Grande do Sul foram evacuadas, a maioria transferida para alojamentos de emergência, informou a Defesa Civil, que registrou 19.110 vítimas.

Ruas transformadas em rio

“Continuamos trabalhando intensamente para encontrar os desaparecidos e garantir a segurança nas áreas de risco”, disse o governador do estado, Eduardo Leite, no X, alertando que “infelizmente, são esperadas mais chuvas”.

As mortes foram registradas em diferentes municípios: Encantado, Itaara, Pantano Grande, Paverama, Salvador do Sul, Santa Cruz do Sul, Santa Maria e Segredo, disse um porta-voz da Defesa Civil.

Em Sinimbu, cidade de cerca de 10 mil habitantes no centro do Rio Grande do Sul, as ruas e avenidas foram transformadas em rios, mostram inúmeras imagens da mídia local. A prefeita Sandra Backes descreve a situação como “pesadelo”. “Lojas, comércios, supermercados, tudo está arrasado, destruído”, disse ela em vídeo postado no Instagram.

Na pequena cidade de Encantado, moradores tentaram percorrer a pé ou de moto uma estrada devastada por águas lamacentas, segundo imagens da AFPTV.

Várias localidades isoladas estão atualmente privadas de ajuda após o desabamento de pontes ou deslizamentos de terra. Foi feito um apelo para não utilizar as faixas de trânsito.

Auxílios estatais

Desde terça-feira, a proteção civil tem concentrado os seus esforços no resgate de famílias presas nas suas casas, muitas vezes refugiando-se nos telhados.

READ  Pelé liberado para deixar o hospital de São Paulo

Eduardo Leite pediu recursos aéreos ao governo federal e especificou que sejam mobilizadas equipes de intervenção rápida para intervir em situações “que apresentem risco de vida”.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva ordenou o envio de ajuda na terça-feira, atribuindo o desastre às “mudanças climáticas que estão afetando o planeta”. As forças armadas também estão empenhadas no resgate de pessoas em áreas de difícil acesso.

No estado do Rio Grande do Sul, cerca de 130 mil pessoas estão sem água potável e os serviços de telefone e internet estão interrompidos em pelo menos 60 municípios.

As previsões meteorológicas ainda prevêem até 300 milímetros de chuva em algumas zonas onde os rios já se encontram em níveis “acima dos limites de alerta”.

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *