Brasil reforça presença militar na fronteira com Guiana e Venezuela

Brasil reforça presença militar na fronteira com Guiana e Venezuela

A tensão está aumentando na Guiana e o vizinho Brasil está preocupado. O presidente Lula convocou uma reunião de crise em plena cúpula do Mercosul no Rio. Ele se reuniria na noite desta quarta-feira com o ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, e com o assessor diplomático Celso Amorim. Mas já decidiu reforçar a presença militar na fronteira com a Venezuela e a Guiana.

Publicado em :

3 minutos

O Brasil enviará 28 veículos blindados para o norte do país, na fronteira com seus dois vizinhos, Venezuela e Guiana. Ele já havia enviado 60 soldados para evitar que a crise se espalhasse. Porque no caso de uma ofensiva terrestre, as tropas de Nicolás Maduro teriam que passar pelo território brasileiro, próximo à cidade de Pacaraima, segundo algumas fontes militares brasileiras. A hipótese é improvável, mas não está totalmente descartada, explica nosso correspondente em São Paulo, Martin Bernardo.

Leia tambémCrítica de imprensa: forte tensão entre a Venezuela e seu vizinho, a Guiana

Na frente diplomática, o presidente Lula não conseguiu acalmar as coisas. Próximo do líder venezuelano Nicolás Maduro, não conseguiu dissuadi-lo de querer anexar a região de Essequibo, zona rica em petróleo e disputada entre os dois países há quase dois séculos. Por sua vez, o presidente da Guiana, Irfaan Ali, ainda espera que Lula possa desempenhar um papel de liderança para trazer estabilidade à região. Ele também apelou ao Conselho de Segurança da ONU.

A ONU apoia firmemente a utilização de meios exclusivamente pacíficos para resolver litígios internacionais », reagiu quarta-feira Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral Antonio Guterres. No entanto, ele lembrou que “ decisões da Corte Internacional de Justiça (CIJ) » que pediu aos dois países na sexta-feira que “ abster-se de qualquer ação que possa agravar a disputa ” são “ vinculativo “, dizendo para si mesmo” confiante de que ambos os Estados cumprirão devidamente a ordem do Tribunal “.

READ  AMÉRICA/BRASIL - Onde a missão Ad Gentes há muito é prioridade

A Venezuela não reconhece o TIJ neste caso, alegando querer um acordo negociado com base num acordo assinado em 1966 com o Reino Unido, pouco antes da independência da Guiana.

Leia tambémEssequibo: o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, não desiste

Após amargas trocas, os dois países renovaram o contato na quarta-feira. “ A pedido do lado guianense, o Ministro das Relações Exteriores (Guyan) Hugh Todd manteve uma conversa telefônica com o Ministro das Relações Exteriores Yvan Gil para discutir a questão da disputa territorial », Segundo comunicado do ministério venezuelano.

Os dois países ” concordou em manter canais de comunicação abertos “. O lado venezuelano expressou a necessidade de cessar ações que “ agravar a disputa », acrescenta o texto.

Esta aproximação contrasta fortemente com o comunicado de imprensa emitido apenas cinco horas antes pelo mesmo Ministério das Relações Exteriores da Venezuela. Caracas acusou o presidente da Guiana, Irfaan Ali, de ter dado “ de forma irresponsável ” O “ luz verde » à instalação de bases militares americanas em Essequibo.

Leia tambémVenezuela: como esperado, o referendo é um “sim” massivo à ligação de Essequibo

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *