Choque nas semifinais entre Bélgica Katz e Sérvia Brasil no basquete feminino

Medalha de bronze no Euro 2017, quarto lugar na Copa do Mundo de 2018, quinto lugar no Euro 2019, e qualificado para as Olimpíadas no próximo mês em Tóquio, e já com um ingresso no bolso para os torneios de qualificação em função da Copa do Mundo de 2022 na Austrália, A Bélgica esteve presente ao mais alto nível durante 4 anos. Sérvia também. Esta é a sua quarta semifinal europeia nas últimas cinco edições.

Campeões europeus em 2015, medalhistas de bronze nas Olimpíadas do Rio 2016, terceiro ainda no pódio em casa no Euro Belgrado, os sérvios estão exultantes, o que fica ainda mais depois da vitória nas quartas de final, e após a prorrogação, sua segundo neste campeonato europeu, confronto Sua raiva de estimação, Espanha, campeã dupla defesa. Seu primeiro sucesso contra os espanhóis em uma reunião oficial.

Na quarta-feira, exultantes sérvios voltaram à Terra para se preparar para um duelo contra os “gatos que eles respeitam” belgas. Com uma equipe experiente e talentosa com a última dança de Sonja Vasic (ex-Petrovic) saindo após as Olimpíadas, aos 32 anos, ele tem média de 16,3 pontos e 6,8 pontos por jogo no momento. A Sérvia para o basquete feminino é o Brasil para o futebol, talento e loucura. Com, em particular, Jelena Brooks (ex-Milovanovic), Alexandra Crvendakic, 25, Anna Dabovic, 31, Tina Krajesnik (ex-Yovanovic), 30, e líder americana naturalizada desde novembro de 2020, Yvonne Anderson, 31, que está se transformando. em média, com 2,3 assistências, a Sérvia não tem falta de qualidades ou experiência.

Emma Meciman sabe que “os sérvios são experientes, sabem tudo o que os árbitros não descrevem e vão jogar mais duro comigo”. Interior Flanderian, de 28 anos, está em modo MVP e deve jogar por mais minutos devido à ausência de Jana Raman (o pacote logo antes do torneio) que tem sido brilhante desde o início da Euro com 23,8 pontos, 8,5 rebotes e 5 assistências por jogo, o atual melhor jogador da competição. Kim Moustadagh e Julie Allemand, autores da decisão contra a Rússia nas quartas-de-final, subiram. Antonia Deleri e Chiara Linskins também melhoraram seu desempenho em uma equipe que vem crescendo ao longo do torneio. Resta saber se isso nos permitirá contornar o cabo sérvio.

READ  Leonardo se recusou a trocar Icardi e Arthur

A outra semifinal, às seis da tarde, terá a França, que não pode ser disputada no momento, contra a Bielorrússia, visitante surpresa das oitavas de final.

You May Also Like

About the Author: Winona Wheatly

"Analista. Criador. Fanático por zumbis. Viciado em viagens ávido. Especialista em cultura pop. Fã de álcool."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *