Conte sai, mergulhando a Itália na incerteza

Roma | O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, cuja aliança foi derrubada por um partido central, renunciou na terça-feira e tentará formar um novo governo para tirar o país da dupla crise econômica e de saúde.

O segundo governo que Giuseppe Conte formou em setembro de 2019 – uma aliança entre o partido PD (centro-esquerda) e o Movimento 5 estrelas (M5S, anti-regime antes de chegar ao poder) – terminou terça-feira após 509 dias de existência.

No meio do dia, o Presidente da República, Sergio Mattarella, recebeu o Sr. Conte, “que apresentou a renúncia de seu governo”. “O presidente (…) pediu ao governo que permaneça em seus cargos de gestão da atualidade”, disse um comunicado da Presidência da República.

Giuseppe Conte presidiu uma reunião de gabinete na terça-feira de manhã para informar seu governo de sua renúncia iminente, sinalizando o início de outra crise na história política italiana. Na segunda-feira, ele indicou a impossibilidade de criar uma nova maioria parlamentar após a deserção do partido júnior do ex-primeiro-ministro Matteo Renzi.

No entanto, Conte espera obter um mandato do presidente Sergio Mattarella para tentar formar um novo governo, o seu terceiro desde 2018, e implementar um plano de mais de 200 bilhões de euros que deve reavivar o terceiro motor econômico da região. , Pela pandemia que já matou mais de 85.000 pessoas no país.

Ele deve lançar rapidamente consultas inclusivas com os partidos políticos, um processo de busca de consenso que promete ser o mais complexo.

Porque o chefe do governo (um advogado e professor de direito muito próximo do Movimento 5 Estrelas, que caiu na panela política um tanto por acidente em 2018) antecipou um duro tapa político no Senado na quarta-feira.

READ  Vacinação obrigatória: “Como um campo de rosas cheio de espinhos”, segundo um advogado

Os senadores deveriam votar as reformas do ministro da Justiça, Alfonso Bonafide (M5S), que previa especificamente a adoção de novas regras para os julgamentos civis e criminais ou a abolição da prescrição após a primeira condenação.

Uma votação se aproxima, como o referendo contra o governo.

Expanda ou vá

A crise política foi deflagrada pelo ex-primeiro-ministro Matteo Renzi (2014-2016), que retirou seu pequeno partido Italia Viva da coalizão governista em 13 de janeiro, após semanas de críticas por administrar a crise de saúde. Planos de gastos.

A fim de permanecer no poder e evitar renunciar, Conte foi forçado a comparecer ao Parlamento na semana passada para votar de confiança de ambas as casas.

Fácil na Câmara dos Representantes, a votação do Senado venceu por uma margem estreita, com uma maioria relativa apenas depois que os senadores da Fifa italiana se abstiveram na votação.

Conte foi forçado a perceber que não mobilizaria parlamentares independentes ou da oposição em número suficiente para permanecer no poder com uma simples remodelação do gabinete.

“Conte calcula que, ao assumir a liderança, evitando assim uma derrota humilhante no Senado, aumentará suas chances de obter um mandato de Mattarella para formar um novo governo”, analisa Wolfango Piccoli, do Conselho de Estudos do Tinho.

Mas se Conte for capaz de apresentar novas cadeiras de gabinete como moeda de troca, a dificuldade de expandir sua maioria permanece sem solução. Em caso de falha, ele terá que tomar a porta permanentemente.

Seus atuais apoiadores – o secretário-geral do DDP, Nicolas Zingaretti, e o ministro das Relações Exteriores, Luigi Di Maio (M5S) – terão que renunciar ao dote e buscar outro para formar governo.

READ  Rússia: Sergey Lavrov preocupado com o racismo anti-branco nos Estados Unidos

Permaneceu a hipótese de realização de novas eleições legislativas. Perspectiva arriscada para o governo de centro-esquerda: de acordo com as pesquisas de opinião, a vitória caberá ao bloco formado pela direita de Silvio Berlusconi (Forza Itália) e pela extrema direita (União de Matteo Salvini e Fratelli D. Itália).

You May Also Like

About the Author: Alec Robertson

"Nerd de cerveja. Fanático por comida. Estudioso de álcool. Praticante de TV. Escritor. Encrenqueiro. Cai muito."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *