Copa do Mundo FIFA 1958 ™ – Notícias – Didi, Príncipe da Etiópia e Rei do Brasil

  • Vencedor de duas Copas do Mundo, o brasileiro Didi faleceu há 20 anos (12 de maio de 2001)
  • Melhor jogador da Suécia 1958, à frente de Garrincha e Pelé
  • Seu apelido: Príncipe Etíope (o “Príncipe Etíope”) por causa de sua elegância em campo

No vestiário, Didi se dirige ao amigo e companheiro do Botafogo em voz baixa: “Temos que fazer alguma coisa”. Nilton Santos acena com a cabeça. Demorou seis edições para ver o primeiro empate sem gols na Copa do Mundo da FIFA ™. Controlados pelos ingleses, os brasileiros estão na baia.

Didi e Nilton Santos já provaram a amargura de uma eliminação precoce contra a Hungria quatro anos antes em Suisse. No último dia da fase de grupos, enfrentam outra superpotência europeia, a União Soviética, que vencerá o UEFA EURO pouco depois. Didi se aproxima do curso dos anos trinta; Nilton Santos é três anos mais velho. Os dois homens sabem que o tempo está do lado deles.

© Getty Images

Naquela noite, acompanhados de Bellini, tentam um golpe de Estado inimaginável para a época: aparecem na porta de Vicente Feola para implorar-lhe que estabeleça Zito. Segundo eles, a sua presença vai permitir a Didi ter mais liberdade no meio-campo para apoiar Garrincha e Pelé. O técnico brasileiro está convencido por seus argumentos e pela Seleção Inflige terapia de choque na URSS, que se deve apenas ao talento de Lev Yashin para evitar uma correção (2-0).

O Brasil venceu o torneio com dificuldade. O mundo todo ainda se lembra das façanhas de Garrincha e Pelé, além dos 13 gols de Just Fontaine. No entanto, nenhum destes três é eleito o melhor jogador da Suécia em 1958. Esta homenagem vai para Didi.

Quatro anos depois, sem Pelé, que perde as primeiras partidas devido a lesão, Didi respinga na competição com seu talento e oferece ao Brasil a segunda coroação consecutiva.

Você sabia ?

  • Aos 14 anos, Didi se machucou durante um jogo com amigos. A ferida infeccionou rapidamente e o futuro campeão mundial escapou por pouco da amputação. Ele ainda vai passar seis meses em uma cadeira de rodas.
  • Dodo, irmão de Didi, conhece bem o seu sucesso. Ambos usam as cores do Rio Branco, time amador de Campos dos Goytacazes, quando Madureira, que joga na primeira divisão do Estado do Rio de Janeiro, decide contratar o Dodo. O jovem pede a Didi que o acompanhe para ajudá-lo a se estabelecer. Impressionados com o seu talento, os recrutadores ofereceram-se para lhe dar uma oportunidade e ofereceram-lhe um contrato profissional. Dodo será lançado seis meses depois.
  • Didi é o autor do primeiro gol no Maracanã. Oito dias antes do início da Copa do Mundo FIFA Brasil 1950, o estádio foi oficialmente inaugurado com uma partida entre uma seleção do Rio e uma seleção de São Paulo. Foi nesta ocasião que o meia do Fluminense voltou a fazer história.

Foi Didi quem me ensinou a cobrar falta. Ele não só me ensinou a técnica da ‘folha morta’, que ele mesmo inventou, mas também me tornou um jogador ambidestro.

Teófilo Cubillas

Uma eterna “folha morta”

Didi é um dos promotores do tiro livre na “folha morta”, remate que cai ou muda bruscamente de direcção à medida que a baliza se aproxima. Como tal, é considerado um dos especialistas em rebatidas flutuantes, muito valorizado por jogadores como Juninho Pernambucano, Didier Drogba, Andrea Pirlo, Cristiano Ronaldo, David Luiz, Gareth Bale ou Hakan Calhanoglu. A origem desta técnica é, no entanto, muito menos conhecida.

“Eu machuquei meu tornozelo contra a América”, explicou Didi. “Descansei, fiz tratamento médico, fui ao fisioterapeuta, mas ainda não conseguia chutar a bola sem sentir muita dor. Aí, um dia, um pouco por acaso, atirei curiosamente, usando apenas três dedos dos pés, e não doeu nada. Fiquei intrigado. Tentei novamente o experimento e, aí, percebi que a bola mudou repentinamente de direção, após percorrer uma certa distância. Essa tentativa estava longe de ser perfeita, mas logo percebi que se eu insistir, poderia dar um chute bem complicado para os goleiros pararem. Então, comecei a trabalhar; passei horas lá pela manhã e comecei de novo à tarde. Continuei até encontrar a fórmula certa . “

“Em 1957 enfrentamos o Peru nas eliminatórias para a Copa do Mundo. Estávamos fadados a vencer. Eu marquei o primeiro gol em um tiro de folha morta. Quem sabe o que teria acontecido se eu não o fizesse. não foi ferido naquele dia contra a América? “

Você sabia ?

  • Depois de ter contribuído para a qualificação do Brasil para a Suécia em 1958, Didi quase foi excluído da fase final por ser considerado velho demais para ocupar uma vaga no meio-campo. “Seria muito bom me deixar em casa, enquanto fui eu quem comprou o ingresso”, riu a pessoa antes que a composição do time fosse revelada.
  • Quando a Suécia lidera na final da edição de 1958, Didi pega a bola debaixo do braço e sai silenciosamente em direção ao círculo central. Preocupado com o rumo dos acontecimentos, seus companheiros de equipe o incentivam a se apressar. Zagallo se aproxima dele e grita: “Anda, meu velho, estamos perdendo!” Didi retruca, sem perder a calma: “Calma, Zagallo. Somos os mais fortes. Vamos marcar muitos gols hoje”. No apito final, o Brasil venceu por 5-2.

Apelidos

O autor Nelson Rodrigues dá o apelido dele Príncipe etíope (o “Príncipe Etíope”) por causa de sua elegância em campo. Essa característica o fez ser comparado ao famoso músico de jazz Louis Armstrong, enquanto a imprensa europeia o apresentava como Sr. Futebol durante a Suécia 1958.

No clube

Didi ficou sete anos no Fluminense. Nesse período, ganhou notavelmente a Copa Rio 1952 (torneio que reúne oito seleções de sete países diferentes). Sua passagem pelo Botafogo é marcada por três coroações cariocas e uma vitória no torneio Rio-São Paulo.

Nesse meio tempo, Didi para no Real Madrid. Infelizmente, a recepção indesejada de Alfredo Di Stéfano, a outra estrela da época, o leva a encurtar a sua estadia.

A revista Placar classifica Didi em 13º lugar entre os maiores jogadores do século 20, à frente de Zico (15º), Bobby Charlton (18º), Lothar Matthäus (20º), Marco van Basten (26º) e George Best (27º). Jornal turim Guerin Sportsman Quanto a ele, está na 29ª posição, atrás de 11 ex-internacionais italianos

Reverenciado no peru

No final de sua carreira, Didi se tornou freelance final no Sporting Cristal e desenvolveu uma paixão pelo Peru. Tendo se tornado o treinador do clube em 1967, ele venceu o campeonato no processo, antes de ser nomeado treinador em 1969.

O Peru havia sido convidado a participar do Uruguai 1930, mas nunca havia conquistado a classificação para uma Copa do Mundo em campo … até que Didi validou sua passagem para o México em 1970, nariz e barba da Argentina. Na fase final, o Branco-vermelho se convida para as quartas de final, antes de cair contra o Brasil (4-2).

“Didi foi como um segundo pai para mim”, diz Teofilo Cubillas. “Ele me ajudou muito. Não tinha perdido nada de sua técnica e me deu conselhos muito valiosos. Minhas cobranças de falta e meus golpes devem muito a ele. Foi ele quem me recomendou para trabalhar também. No meu pé fraco.

Zagallo: "Dissemos que todos esses 10 não podiam jogar juntos"

Leia também

Zagallo: “Dissemos que todos esses 10 não podiam jogar juntos”



Não sou nada comparado a Didi. Ele é meu ídolo, meu modelo. Eu nunca vou chegar perto de seu tornozelo. As primeiras figuras que comprei foram figuras Didi

Pele

READ  Um ar do Brasil em Espelette

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *