Corpos celestes desconhecidos descobertos na nebulosa de Órion

Corpos celestes desconhecidos descobertos na nebulosa de Órion

Estrelas com massa logo abaixo da de Júpiter – que flutuam livremente no espaço sem estarem ligadas a uma estrela – foram descobertas na Nebulosa de Órion usando o Telescópio Espacial James Webb.

Ainda mais surpreendente é que pelo menos 84 destes 540 objetos apareceram pena Em duplas, mostre o trabalho do professor Mark McCaughrian (Uma nova janela) e colegas da Agência Espacial Europeia (ESA), que será publicado em breve numa revista científica, mas ainda não foi revisto por pares.

Cinco JuMBOs são visíveis nesta imagem da nebulosa obtida pelo Telescópio Espacial James Webb.

Imagem: NASA/ESA/ASC/Mark McCaughrian/Sam Pearson

A Nebulosa de Órion, listada como Messier 42 no Catálogo do Céu, está localizada a cerca de 1.350 anos-luz da Terra.

Esta nebulosa foi descoberta em 1610 por Nicolas-Claude Fabry de Peresque e é o berçário estelar mais próximo da Terra.explica o astrofísico Olivier Hernandez, diretor do Planetário de Montreal, que não esteve envolvido no estudo.

Descrições mais ou menos detalhadas da Nebulosa de Órion têm sido fornecidas desde o século XVII, mas apenas nas últimas décadas os astrónomos descobriram objetos lá em abundância e com detalhes incomparáveis.

Imagem da Nebulosa de Órion tirada do espaço.

A Nebulosa de Orion vista pelo Telescópio Espacial Hubble.

Imagem: NASA

Os telescópios Hubble e Spitzer já observaram muitas estrelas em formação ou discos protoplanetários ali, mas imagens recentes recolhidas pelo Telescópio James Webb, as mais precisas até agora, fornecem uma visão ainda mais impressionante. Eles revelaram não apenas estrelas errantes muito específicas, mas também milhares de estrelas jovens desconhecidas, com massa variando de 0,1 a 40 vezes a massa do Sol.

READ  A Apple está estragando o ponto forte do seu smartphone

Quebra-cabeça em pares

As imagens dos objetos não identificados foram obtidas usando vários filtros do instrumento NIRCam do Telescópio Espacial James Webb, que opera no infravermelho próximo, possibilitando ver com precisão regiões do espaço que normalmente estariam escondidas pela poeira interestelar no visível. uma luz.

Nebulosa de Órion.

Esta imagem em mosaico mostra o Aglomerado do Trapézio e o interior da Nebulosa de Órion (Messier 42) capturada pelo instrumento NIRcam do Telescópio Espacial James Webb.

Imagem: NASA/ESA/ASC/Chris Evans/Mark McCaughrian/Sandor Kroc/Sam Pearson

Concretamente, as estrelas desconhecidas foram descobertas através de um mosaico de 712 imagens coletadas durante uma semana de observação do Aglomerado do Trapézio localizado no centro da nebulosa.

O que os cientistas notaram foi surpreendente. Eles descobriram vários objetos de massa planetária que não se enquadram na definição de planeta, ou seja, um objeto orbitando uma estrela. Eles são, de certa forma, planetas errantes. Cerca de 9% desses objetos formam pares.

Ainda não compreendemos os processos físicos que tornam possível a sua formação. Não temos uma resposta. Teremos que revisar nossos modelos teóricos […] Para tentar entender o que está acontecendo“, confia o astrofísico.

Esses objetos foram nomeados JuMBOs Objetos binários panópticos de Júpiter, Por equipeAgência Espacial Europeia. Se a sua natureza não for determinada, poderão ser estrelas abortadas (anãs castanhas em particular) provenientes de regiões da nebulosa onde a densidade da matéria é insuficiente para dar origem a estrelas completas.

Também é possível que tenham sido formados na órbita das estrelas e depois expelidos para o espaço interestelar após eventos catastróficos. A hipótese de expulsão é atualmente favorecidaafirma em comunicado à imprensa o professor Mark Macogrian, principal consultor científico do institutoAgência Espacial Europeia.

READ  Perseidas: Um local para observação de meteoros revelado pela Western University

A questão agora é como dois objetos podem ser removidos da órbita da estrela ao mesmo tempo.

Os astrofísicos acreditam que a sua formação seria relativamente recente em termos astronômicos: cerca de um milhão de anos atrás.

Esses objetos geralmente serão muito quentes, suas temperaturas superficiais podem chegar a 1.000 graus Celsius e suas atmosferas podem conter vapor e metano.

Mas sem uma estrela hospedeira, estes mundos também podem arrefecer rapidamente à medida que se movem. Assim, às vezes eles podem mostrar temperaturas habitávelPor serem gasosos, as suas superfícies não podem conter água líquida, mesmo durante um curto período temperado, o que significa que nunca serão habitáveis.

Evidência de sua existência

AstrofísicosAgência Espacial Europeia Não estávamos interessados ​​nesta região do céu de forma aleatória. Dados anteriores coletados por telescópios terrestres e pelo Hubble indicam a presença de objetos misteriosos em Orion.

Estávamos procurando esses pequenos itens e os encontramos!

Esta não é a primeira vez que planetas vagando Foi descoberto. Em 2022, uma equipe internacional de astrofísicos anunciou a descoberta de pelo menos 70 desses planetas em um setor da nossa galáxia chamado nuvem Rho Ophiuchi. No entanto, todos estes planetas podem nascer de maneiras diferentes.

Um planeta errante flutua em um céu estrelado.

Representação artística de um planeta errante

Imagem: NASA

You May Also Like

About the Author: Genevieve Goodman

"Criador. Fã de café. Amante da Internet. Organizador. Geek da cultura pop. Fã de TV. Orgulhoso por comer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *