desemprego e precariedade de empregados em alta poucos meses antes da eleição presidencial

Publicado em :

No Brasil, é um 1º de maio tenso no Brasil, cinco meses antes da eleição presidencial. O ex-presidente Lula participará de uma manifestação de sindicalistas em um estádio de futebol em São Paulo. Um único alvo: a política econômica e social do presidente Jair Bolsonaro, que busca um segundo mandato.

Com nosso correspondente em São Paulo, Martin Bernard

Emprego, direitos sociais, democracia e vida “, essas são as principais palavras de ordem após mais de três anos de governo Bolsonaro, incluindo dois anos de Covid-19. Não só o desemprego atingiu 11% da população, como o número de trabalhadores no setor informal, portanto sem proteção social, supera os 40 milhões.

Segundo os sindicalistas, a última reforma trabalhista reduziu os direitos dos empregados e aumentou a precariedade. Uma reforma que Lula, com razão, prometeu modificar se eleito.

O aumento do custo de vida

O poder de compra também caiu. A inflação está acima de 10% há um ano, enquanto os salários não estão acompanhando. Esses são famílias com os rendimentos mais baixos que são os mais afectados pela forte subida dos preços dos produtos básicos, como os alimentos, ou o gás e o petróleo.

Os mais pobres recebem ajuda do governo, cerca de 80 euros por mês, mas o programa deve parar no final do ano, ou seja, após as eleições.

Ouça: Como está o Brasil? Depois de dois anos de pandemia, a 6 meses das eleições e em pleno CarnavalEU

READ  Vale uma vaga no G4, Palmeiras x Grêmio será mais que uma decisão "anterior" - 10/01/2021

You May Also Like

About the Author: Hannah Sims

"Guru profissional do café. Jogador típico. Defensor do álcool. Fanático por bacon. Organizador."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *